Aslan’s Meditations: (11/11) Neither Barren nor Unfruitful

It’s hard to believe we are concluding our series in 2 Peter 1:5-8, yet here we are in part 11 – the last part of our series.

I want to say thank you so much for taking this journey with me, and for all your encouraging notes along the way. It was truly a blessing to write this and I hope you learned as much from reading it as I did writing it.

We’re going to take a break for a week or two, and then AslansLily is going to take us into a new series looking at Jesus as the great I AM – so stay tuned!

In the meantime, I’d love to hear your feedback on this series and Aslan’s Meditations in general, so you can submit any feedback you have HERE.

And without further ado, here is the last installment of our series!

But also for this very reason, giving all diligence: add to your faith virtue, to virtue knowledge, to knowledge self-control, to self control perseverance, to perseverance godliness, to godliness brotherly kindness, and to brotherly kindness love. For if these things are yours and abound, you will be neither barren nor unfruitful in the knowledge of our Lord Jesus Christ.

To wrap up, let’s take a quick overview of what we’ve covered in this series.

imageIn Part 1, we began by saying that all these virtues are not a list of things for us to do, rather they are an outpouring of our love and a response to God’s amazing gift of salvation and grace.

That by God’s divine power He has given to us all things that pertain to life and godliness – through the knowledge of Him who called us by glory and virtue…by which have been given to us exceedingly great and precious promises!

In Part 2, we looked at how faith is our solid foundation – that if we do not have faith, it’s impossible to please God. Without faith in the One who has created us and sustains us, if we have all these other virtues, they mean nothing because there is no grounds for them. It’s easy to fight when things are all unicorns and rainbows and mountaintops, but faith is what keeps you strong when you can’t see – the substance of things hoped for, the evidence of things not seen. (Heb. 11:1)

Moving into part 3, we took a step back at an important word in this passage: diligence. We saw how it contrasted with perseverance, and that Paul didn’t say this was going to be an easy journey. It’s going to take careful, persistent, daily surrender to Christ – not just something we do half-heartedly or do out of present emotion at church. It’s something we have to continually keep pushing ourselves to do – because in the end the reward will be wonderful.

imageNext, in part 4, we looked at the very broad, yet penetrating value of “virtue”, where we saw the kinds of things that can get in our way of all of these things. Faith is our foundation, but where do we go from there? Often we don’t realize the things that hinder us from God because they are a mask that we’re wearing, distorting everything and preventing us from learning and growing. It put into perspective living because of God, not trying to do good things for Him – but again, living my life as a response to His grace.

In part 5, we built on the previous lesson about having the right mask over our face by talking about what we should know in the word “knowledge.” We are ambassadors for Christ, and we have the joyous, beautiful, amazing privilege of representing God to the world. We can know all the answers, know all the verses, be able to answer every question, but unless we personally know Christ, everything is worthless. This goes back again to not living for Christ but living because of Him.

imageWhen we reached part 6, we talked about self-control and how we need to be careful what we do with the knowledge that we have – that we don’t abuse it or try to use it for our own benefit or glory. We also saw how self-control – through Christ’s strength – can help us to overcome temptations because we have a greater goal in mind.

In part 7, we looked at perseverance and endurance. We saw how they were similar, and how they were different, but most of all how after all those virtues – we’re probably getting a little tired! And perseverance is what we need to press on. Sometimes it means just forsaking all and running. Sometimes it means ignoring the pain. Other times it means stopping, thinking, and praying. Other times it means letting God clean our hearts – often a painful process. But we know that we can press on because our God is fighting for us. We also saw how just enduring for the sake of enduring was not what we needed to do – but to press on.

imageIn part 8, we talked about how being godly wasn’t just not being ungodly, but rather taking meaningful steps to do what is right. It’s not just making sure we don’t do bad things, but making sure were doing the right things. So often we think we’re okay because we don’t smoke, do drugs, or drink – but we don’t realize that doing all those things is just as bad as not doing what God wants us to do.

imageA few weeks ago in part 9, we looked at brotherly kindness, and what it means to love others with a love that’s not just specific to certain types of people – but with a family-like love that loves others despite their faults: the way Jesus loved.

imageLast week in part 10, we saw how at the end of it all – we need love. Because without it we are nothing. I was really challenged by a message I heard the other day that – we should not be praying for Jesus to teach us to love; rather we need to pray that the very person of Jesus would come into us and our lives would be an outpouring of His love. We can’t love on our own, because we are fallen human beings. But through Christ’s love, as we so beautifully saw this past week during Easter, surpasses all, and through Him we can love others.

And today, here we are at the end of the series. Let’s look at the last verse of this passage:

For if these things are yours and abound, you will be neither barren, nor unfruitful in the knowledge of our Lord Jesus Christ.

Oh! To think! To be neither barren, nor unfruitful. So often I feel as if my life is empty, like I’m not doing anything for God – but God has placed me on this earth for a specific and special purpose.

It sounds super cliche to say that God has a purpose for your life.

But think about the power of that again. God has a purpose for your life.

It’s not just arbitrary. You’re not living this life for no reason or no aim – God has something very specific for you. But until we’re willing to seek Him fully, to give of ourselves to Him, all the things we cling to – our fruit will be worthless.

I have absolutely nothing – I mean nothing – of value or worth to do, make, say, or proclaim outside of what Christ has done for me. I am no one, but through Christ I am someone precious that He loves.

By myself,  I will be barren and unfruitful. My life will be nothing. It is only through Christ, in Christ, and because of Christ that I can further His kingdom – for His glory, and His alone.

Think about all the times the kids in Narnia tried to do things on their own. The times they tried to further themselves, their looks, their status, their own plans. What happened? They couldn’t see what Aslan had in store for them, but when they failed to trust in his plan, things went wrong. Yet in surrendering their own desires to the knowledge that Aslan had something better in store, they were able to do so much more.

image1 Timothy 1:17 – Now to the King eternal, immortal, invisible, to God who alone is wise, be honor and glory forever and ever. Amen.

Fonte: http://www.aslanscountry.com/2011/04/aslans-meditations-neither-barren-nor-unfruitful/

Anúncios

Aslan’s Meditations: (10/11) Loooooove

I hope you haven’t forgotten about our series in 2 Peter 1:5-8! We’ve had a nice little break while I’ve been out of town, and I’m most pleased to be back again for part 10!

But also for this very reason, giving all diligence, add to your faith virtue, to virtue knowledge, to knowledge self-control, to self-control perseverance, to perseverance godliness, to godliness brotherly kindness, and to brotherly kindness love. For if these things are yours and abound you will be neither barren nor unfruitful in the knowledge of our Lord Jesus Christ.

We’re beginning to wrap up the series now – in our second to last installment on LOVE.image

Uh-oh, you say. LOVE. That’s a touchy one, isn’t it?

The word love is thrown around so much in our culture. We love certain types of food, clothing, music, games, movies. We love people, places, things, ideas. Sometimes we don’t, but we say it anyway. It’s passionate, deep, and driving.

“All you need is love.”

I personally really hate that statement, because I don’t think it’s entirely true. But I can understand where people are coming from, so we’ll get started.

While I can’t claim to know everything about love, I’d like to look specifically at love as we see it in 1 Corinthians 13. Especially as Easter draws near, we can look at love as it is modeled perfectly in the life of Jesus and His sacrifice.

imageI often think I have to model Christianity. I mean, hey – look at all those Christians who look good, sound smart, AND follow Christ. Can’t I do that, too? But I found that that started to suddenly shift my focus. I started to worry a lot more about how I looked to other people, what I sounded like, and what people were going to think of me – instead of placing my focus on Christ.

1 Corinthians 13 starts out to say – though I speak with the tongues of men and of angels, but have not love, I am a sounding brass or a clanging cymbal.

I can sound good, but if I don’t have love for Christ and for others, the words I speak are really just clangs and clashes.

And though I have the gift of prophecy and understand all mysteries and all knowledge, and though I have all faith so that I could remove mountains – but have not love, I am nothing.

I could know everything – earlier in the series we talked about knowledge. How it’s important to know what we believe. But have you ever wondered what it was like to know everything? What if I understood every mystery, every question, every problem there was to know? This verse says if I didn’t have love, I’d be nothing. Imagine! To know everything in the world, to be the epitome of knowledge – yet be regarded as nothing without love.

And though I bestow all my goods to feed the poor, and though I give my body to be burned, but have not love, it profits me nothing.

Sacrificial giving is one of the most benevolent things a person can do. Giving of yourself, your talents, and your abilities to serve others is not something to be taken lightly – but we could sacrifice our whole lives to others – and if it’s not for love, it was all in vain.

So clearly my endeavors to be a Christian and look good too – don’t quite work. I can’t have my cake and eat it too. At least – not when my goal is to look good. We’ve got to start with the basics.

Then – what is love? We’ll keep on going in 1 Corinthians 13.

Love suffers long, and is kind. Love does not envy, love does not parade itself, is not puffed up. Does not behave rudely, does not seek its own, is not provoked, thinks no evil. Love does not rejoice in iniquity, but rejoices in the truth. Bears all things, believes all things, hopes all things, endures all things. Love never fails.

Woah, that’s a load of truth right there. Have you ever stuck your name in there in place of the word love?

Hannah suffers long, and is kind. Hannah does not envy, Hannah does not boast.

Kinda puts it in a different perspective, doesn’t it? Do I really do all those things?

“Suffers long.” The usual word to replace that one in other translations is “patient” but in reality that’s just what it means – suffering for a long time. Love is willing to bear the pain and the agony, knowing there’s something greater at work.

“Does not seek its own.” That in and of itself is a load right there. To never seek my own – but to only seek Christ. To never try to parade myself as looking good, but only to parade Christ. To proclaim Christ.

“Thinks no evil.” Oh, how often have sinful thoughts crossed my mind! We are called to take every thought captive to the obedience of Christ. (2 Cor 10:5) Can you imagine if our every thought and action was captive to the obedience of Christ? How wonderful that would be?

Now go back and look at this passage – we’re so incapable, aren’t we? I can’t even begin to count the times I have done exactly the opposite of what these words tell us. But now, read it again, and think about Christ, and what He’s done.

Love suffers long, and is kind. Love does not envy, love does not parade itself, is not puffed up. Does not behave rudely, does not seek its own, is not provoked, thinks no evil. Love does not rejoice in iniquity, but rejoices in the truth. Bears all things, believes all things, hopes all things, endures all things. Love never fails.

imageJesus – the King of the universe, the one who deserves glory, fame, honor, respect, and exaltation! He did not parade Himself, He didn’t seek His own. He was the perfect picture of love – and because He loves perfectly and purely, He gave His life for we who could never love.

We are impatient. Unkind. We want others to think well of us, we want to look good. We want to *feel* satisfaction, we want to see. Our sinful natures delight in temporal satisfaction. Things we can see and touch immediately.

imageHave you ever thought of the craziness of Christ’s love? What about the fact that GOD DIED. Okay, so maybe I’m being dramatic here, but really – that the Lord of all the universe came down to die.

Not only that, but He died for the ones who were completely incapable of anything.

Because He loved us.

Oh, how sweet and powerful that truth is!

Its so cliché sometimes – I mean, you’ve heard it repeated probably more than 10 million times in Sunday school, right? We so often take it for granted.

But the God who loved perfectly loves us who cannot even fathom love.

And our response? We are called to give our lives – what more can we give but that? Jesus says whoever loses his life for His sake will find it.

Love is sacrificial – and it’s a choice. It’s not always a feeling, and it’s not always something we can see the direct results of.

But we love – because He first loved us. We can love others even when they’re scumbags. Even when they don’t love us back – because we know that the God of the Universe and the Lord over all loves US.

It’s hard to love people who don’t love back. To suffer through pain and give up ourselves. But what loss is that for the gain of being satisfied by Christ? He can’t satisfy us till we understand that we cannot satisfy ourselves.

So much that we do is in response to something that has happened. We eat because we’re hungry, we drive because we have to go somewhere. We work because we need to earn money, and we sleep because we need it.

We love others because Christ loved us.

imageIn response. How many of us would get married and live as if we were single? Or have kids and live as if we didn’t? Or win a million dollars and not do anything with it?

The fact is – Jesus sacrifice is far more beautiful, exciting, and wonderful than anything that could ever happen to us on this earth. Our love is a response to that – the way we live because of God.

imageWe see love in Narnia – clearly in Aslan. Edmund betrayed the ones he

loved – and Aslan died to save him. But what you see is a change in Edmund – how He lives in response. You also see it in Eustace – his life was drastically changed. Aslan may have had to rip and tear at him, but he did it out of love because he knew that was the only way to change him.

It reminds me of the song by tenth avenue north called “any other way.”

It’s not enough – it’s not enough, just to say that you’re okay.
I need your hurt, I need your pain – it’s not love any other way.

Love isn’t love unless there’s some sacrifice to it. The kind of pain and suffering Jesus went through was necessary for us to be redeemed. And sometimes He has to hurt us in order to teach us – but He does it because He loves us and He’s got a perfect plan and story all in place.

For now we see in a mirror, dimly – but then we shall see face to face.

We can’t always see what God is doing, or perhaps why exactly we should love someone – but we know that one day Christ will wipe away our every tear and we will see Him face to face.

So is all you need love? If you’re looking at 1 Corinthians from a strictly technical point of view, yes. But as Christians we know it’s not love we need -  it’s Christ. It’s not enough just to say we  need to “just love” – but rather that we need to give ourselves for the only one who can satisfy us – Christ.

My challenge to you this week, especially as we move closer to Easter, is to look at your life and your actions. Do they reflect Christ, and are they proclaiming Him? You don’t necessarily have to speak the Gospel in order to proclaim the Gospel. Love is an action – it’s your willed choice to press on because you know that your eternal home is secure.

Aslan’s Meditations (5/11): Conhecer a Cristo

Autora: Hannah Dokupil

Bem vindos a parte 5 da nossa série Construindo Sobre a Rocha, baseada em 2 Pedro 1:5-8.

Para ver os artigos anteriores, clique aqui.

 

Por isso mesmo façam todo o [esforço] possível para juntar a bondade à que vocês têm. À bondade [virtude] juntem o conhecimento e ao conhecimento, o domínio próprio. Ao domínio próprio juntem a perseverança e à perseverança, a devoção a Deus. A essa devoção juntem a amizade cristã e à amizade cristã juntem o amor. Pois são essas as qualidades que vocês precisam ter. Se vocês as tiverem e fizerem com que elas aumentem, serão cada vez mais ativos e produzirão muita coisa boa como resultado do conhecimento que vocês têm do nosso Senhor Jesus Cristo.

O artigo dessa semana é mais curto, focado na palavra conhecimento. É realmente impressionante como Deus tem trabalhado coisas diferentes na minha vida como no artigo dessa semana.

Essa semana tive a oportunidade de viajar para fora do estado para competição de discursos e debates que durou quase a semana inteira.

Discursos e competições de debates são coisas estranhas. Você passa a maior parte da semana se preparando para isso – reescrevendo casos para debates, reescrevendo (ou rascunhando, mesmo) discursos, decorando discursos, e dormindo menos que as pessoas sãs. Então você é levado para dentro da algazarra de dezenas de pessoas com terno e gravata, palestras, debates, e menos tempo para dormir do que na semana anterior.

São o tipo de coisa que te colocam em interessantes estados de humor – hiper cansada, mas absolutamente maravilhada. Mas ao final de cada torneio, estou sempre em uma espécie de reverência com o quanto Deus tem trabalhado durante a semana. Neste torneio, no entanto, eu não fiz tão bem quanto eu esperava. Eu queria colocar em debate, e eu queria ficar entre os três melhores, e eu não consegui.

Mas uma coisa que me surpreendeu grandemente foi o significado do que eu estou aprendendo.  Ou seja – o conhecimento.

Como provavelmente acontece com qualquer coisa que você estude, às vezes é difícil ver “o todo” daquilo que você está estudando. …

Não fazer tão bem quanto tinha planejado me ensinou várias coisas. Primeiro, me ensinou que eu preciso trabalhar mais. Que, se eu quero mais, preciso trabalhar mais. Mas também me ensinou o valor do que estou estudando. Porque eu estou estudando isso. Eu não estou praticando discursos e escrevendo casos para debates para ganhar uma competição. Estou fazendo isso para anunciar o evangelho.

Eu não sei como colocar em palavras o poder e a maravilha do que Deus falou comigo essa semana – que em tudo que faço, meu objetivo é um só. Pregar a Cristo. Que eu possa pregar a Cristo dando uma palestra sobre a palavra recompensa. Que eu possa pregar a Cristo enquanto debato sobre a legitimidade de um governo.

Ele deve crescer, e eu, diminuir.

Assim, o que conhecimento tem a ver com isso, e porque vem depois de virtude?

Semana passada falamos sobre virtude, e como ela se torna a máscara através da qual vemos o mundo. Mas depois aprendemos a ver o mundo através dos olhos de Deus.

1 Pedro 3:15 diz: “Tenham no coração de vocês respeito por Cristo e o tratem como Senhor. Estejam sempre prontos para responder a qualquer pessoa que pedir que expliquem a esperança que vocês têm.’”

Veja. É algo para se ver o mundo de uma certa maneira. Para orientar a sua vida de uma forma que seja agradável a Deus. Mas depois disso, Deus nos chama para uma outra etapa. Para conhecer. Para estudar sua palavra, para saber no que você acredita e porque acredita, e então, anunciar isso.

Romanos 1:16 “Eu não me envergonho do evangelho…”

Leia de novo.

Porque não me envergonho.

Para mim, isso está dizendo para mim que em todos aspectos da minha vida, eu vivo para proclamar meu Salvador.

Mas eu não posso anunciar o que eu não sei – e eu não posso colocar uma máscara para olhar o mundo através dos olhos de que eu não conheço.

É por isso que o conhecimento vem depois na lista.

2 Timóteo 2:15 “Faça todo o possível para conseguir a completa aprovação de Deus, como um trabalhador que não se envergonha do seu trabalho, mas ensina corretamente a verdade do evangelho.”

Eu cresci em um lar cristão, e eu tenho estudo a Bíblia e seus versículos desde que me lembro. E muitas vezes eu me pego pensando “sou como um bom cristão. Olhem todos esses versos que conheço. Olhe o quanto eu sei sobre Jesus”.

O que?

A Bíblia proclama uma e outra vez que Deus, o Seu conhecimento e poder é infinito, insondável e inacessível. Ele é poderoso de maneira que não posso compreender.

No entanto, ele nos chama para sermos santos. Para seguí-lo, conhecê-lo.

Esta semana o artigo foi um pouco menor que nas outras, mas espero que ele o desafie a conhecer mais a Cristo.  Olhe para as coisas que você faz na sua vida e como pode anunciar a Cristo neles.

Conhecer a Cristo e viver para Ele não é necessariamente estar nas ruas conversando com pessoas sobre Cristo (a menos que seja chamado para isso, é claro). Viver Cristo é viver o conhecimento do que Cristo fez por você.

Os personagens de Nárnia – Edmundo, Lúcia, Caspian, Eustáquio, Ripchip, etc. Já reparou como esses personagens orientaram suas vidas de acordo com o que sabiam sobre Aslan. Eles vivem dessa forma. Seus conhecimentos de Aslan caracteriza como suas vidas parecem.

Será que Cristo caracteriza o que sua vida parece?

Fonte: http://www.aslanscountry.com/2011/02/aslans-meditations-know-christ/

Aslan’s Meditations (4/11): A Máscara que usamos

Autora: Hannah Dokupil

 

Bem vindos à nossa quarte parte da série Construindo sobre a Rocha, de 2 Pedro 1:5-8. Para ver os artigos anteriores, clique aqui.

Por isso mesmo façam todo o [esforço] possível para juntar a bondade à que vocês têm. À bondade [virtude] juntem o conhecimento e ao conhecimento, o domínio próprio. Ao domínio próprio juntem a perseverança e à perseverança, a devoção a Deus. A essa devoção juntem a amizade cristã e à amizade cristã juntem o amor. Pois são essas as qualidades que vocês precisam ter. Se vocês as tiverem e fizerem com que elas aumentem, serão cada vez mais ativos e produzirão muita coisa boa como resultado do conhecimento que vocês têm do nosso Senhor Jesus Cristo.

A devoção dessa semana é sobre a palavra virtude.

Estava pensando sobre isso algumas semanas atrás, e tentando decidir o que iria falar sobre ela. Quer dizer, você realmente não pode expandir mais que “virtude”, pode? Todos os outros componentes deste versículo se encaixam como “virtudes” – conhecimento, domínio-próprio, perseverança, devoção a Deus. então, porque adicionar “virtude”, se é justamente isso que as outras palavras são?

Aqui está uma rápida definição de virtude: a qualidade de fazer o que é certo e evitar o que é errado, excelência moral.

O que eu posso tirar da palavra “virtude”?  Eu acho que nesse verso, a palavra não está aplicada no sentido definido acima. Mas aqui está o que Deus tem trabalhado na minha vida na última semana, e isso pode ir contra a definição acima da palavra virtude, mas talvez Deus faça uma conexão na sua mente como fez comigo.

Virtude é, como eu disse, uma palavra bastante ampla. Mas eu acho que é exatamente por isso que vem depois da fé. Fé , como vimos, é a nossa fundação. É sobre ela que construimos. Mas a virtude está logo depois da fé. Porque? Virtude é uma espécie de parente.

Dependendo da sua visão de mundo, religião ou fé, a virtude terá um significado diferente para você. Para muitas religiões, a virtude é um trabalho piedoso do ritual sagrado, ou até mesmo a moral elevada pela qual você deve viver.

Como cristão, no entanto, a virtude é algo bom que Deus trabalha em nós que se torna uma base para a maneira como vemos o mundo. Sem fé é impossível agradar a Deus, mas Jesus também diz que você vai conhecer os cristãos pelos seus frutos. (Mateus 7:20)

Uma coisa em que meditei bastante semana passada foi sobre ídolos, as coisas que se colocam entre nós e Cristo.

Ao longo dos anos, tive vários entendimentos diferentes do que são ídolos. Quando eu era pequena, todos os ídolos eram coisas como Buda, ou o homem algre gordo que estava sentado de pernas cruzadas no chão, com velas em frente a ele em todos os restaurantes chineses que fomos.  Basicamente, era um “deus mal”, ou um “deus falso”.

Quando fiquei mais velha, aprendi que deuses são qualquer coisas que você coloca acima de Deus. Este não era um conceito difícil de entender, e na minha mente de dez anos de idade, não havia muito que eu poderia colocar acima de Deus. Deus era…apenas…isso.

Quanto mais eu amadureci e quanto mais eu aprendia sobre o mundo, mais ídolos eu encontrava competindo por minha adoração. Não eram apenas algo pelo qual se ficava obcecado. Não tem que ser algo que você colocou descaradamente na frente de Deus. De fato, os ídolos que eu encontrei na minha vida eram coisas que se tornaram inconscientemente à frente de Deus. Coisas que eu não reparei que tinham tomado o lugar de Deus – como amigos, família, e até mesmo a igreja.

Igreja? Fiquei horrorizada quando Deus mostrou isso em minha vida. Como poderia a igreja se tornar um ídolo? Mas Deus me mostrou que eu tinha colocado o “serví-lo” acima dele mesmo.

Oswald Chambers escreveu: cuidado com qualquer coisa que concorra com a sua fidelidade à Deus. O maior concorrente da verdadeira devoção a Jesus é o serviço que fazemos por ele. É mais fácil servir que entregar nossas vidas inteiramente a ele. Nós não somos enviados para fazer batalhas para Deus, mas sim para ser usados por Deus em suas batalhas. Será que estamos mais voltados para o serviço que para o próprio Deus?

Urgh. Essas são palavras incríveis…

Sexta-feira passada fui apresentada a um tipo diferente de ídolo. Ou melhor, uma outra maneira de ver os ídolos.

A mãe de um amigo meu estava lendo uma citação de um livro para mim. Eu não me lembro exatamente, mas aqui está um pouco do que consegui entender:

Coloque a mão no rosto e olhe através dos dedos. Agora vire a cabeça para ver o que está ao seu redor. Não importa o quanto você se vire, sua vista será sempre distorcida pelos seus dedos ficando no caminho.

O mesmo acontece com os ídolos. Tudo o que idolatramos se torna a máscara através da qual vemos o mundo. Aquilo que distorce nossa visão para ver as coisas de uma certa maneira.

Eu acho isso particularmente proeminente nos meus meios de comunição social / vida on line. Enquanto eu faço minhas tarefas diárias, algumas coisas que eu gosto uou acho interessante, eu imediantamento escrevo isso como um status no Facebook ou blog – porque o Facebook se tornou uma máscara através da qual eu vejo tudo.

Eu faço o mesmo com as pessoas. Às vezes eu penso em certas pessoas de quem eu gosto como se elas estivessem ao meu lado, ou imagino como reagiriam a uma determinada situação. Em vez de ver uma situação através dos olhos de Deus, eu passo a ver tudo através deles.

Esses são os ídolos.

imageEu estava conversando com um amigo algumas noites atrás, e surgiu o tema de querer que seja seja real para nós.  Querendo ouvir de Deus, para ouvi-lo falar conosco e nos mostrar sua vontade. Mas o que me impressionou foi … se eu tenho todas essas máscaras pelas quais vejo o mundo, como posso ouvir claramente o chamado de Deus? Ele não pode falar comigo quando estou filtrando tudo através das visões distorcidas que possuo. Uma vez ele disse que é preciso ver o mundo através de lentes cor-de-deus.

E é por isso que a virtude é depois da fé.

Fé é um salto enorme, mas depois que você pulou, é muito fácil voltar para trás, para se ter dúvidas. É por isso que a virtude é a próxima da lista.

Mike Donehey, o vocalista da Tenth Avenue North ( quem citarei uma vez ou outra nessa série), diz que seu verso favorito é Salmo 34:8 “Procure descobrir, por você mesmo, como Deus é bom.” Porque se você não fizer isso, nenhuma outra coisa fará sentido.

E no começo eu pensei que era um pouco estranho. Quer dizer, não há realmente versículos importantes como João 3:16 e Romanos 5:8? Mas o que ele disse é que, se não provar e ver que o Senhor é bom, nada do resto faz sentido.  Uma de suas frases mais famosas é “Nós não podemos aprender a viver para Deus, até que aprendamos a viver por causa de Deus”.

O que me impressionou foi a forma incrível como isso se relaciona com a imagem da máscara / ídolo borrando minha visão. Porque eu não posso fazer nada para Deus até que meu ídolo – minha máscara pela qual filtro tudo – seja o próprio Deus. Eu não posso viver para Deus, até que eu aprenda a viver por causa dele. Eu não posso entender qualquer coisa que Deus tenha feito por mim até que eu possa ter um vislumbre de quão poderoso e terrível e maravilhoso Deus é. Quão bom é um Deus que nos ama a menos que Ele seja um Deus bom? Eu não adoro a graça salvadora de Deus, eu adoro o Deus que me deu a graça salvadora.

imageEdmundo, em LFG, foi o que teve a visão distorcida pela Feiticeira Branca. É tão fácil perceber que Edmundo estava indo para o caminho do mal. Mas para Edmundo, não era bem assim. Ele tinha acabado de conhecer uma bonita rainha que lhe dava sua comida favorita, que o aquecia, e fez com que ele se sentisse bem consigo mesmo. E, é claro, dá pra ver claramente isso traduzido na forma como ele tratava seus irmãos. Ele estava ácido com Lúcia quando voltaram de Nárnia, e ainda traiu seus irmãos depois que retornaram para lá. 

imagePedro e Susana também tiveram visões de mundo e ideias que foram frustradas – frustrados por suas supostas ideias de realidade, do que foi possível e real.

Não foi até que todos entraram em Nárnia e começaram sua jornada à procura de Aslan, olhando para aquele cuja visão do mundo era verdade, que eles viram a luz.

E assim é a virtude. É uma qualidade ampla, mas que é tão importante por ser através dela que vemos o mundo. Nossas virtudes devem ser moldada por uma e apenas uma pessoa – que é Jesus Cristo. Meu desafio para você essa semana é olhar para a sua vida. Através de que coisas você vê o mundo. Facebook? Música? Entes queridos? Nárnia, mesmo? Somos chamados a colocar essas coisas para a morte.

 

Que tipo de máscara você usa?

 

Fonte: http://www.aslanscountry.com/2011/02/aslans-meditations-the-mask-we-wear/

Aslan’s Meditation (2/11): Rocha Sólida

Autora: Hannah Dokupil

Textos Bíblicos conforme Nova Tradução na Linguagem de Hoje

 

Esta é a segunda parte, de onze, da nossa série sobre 2 Pedro 1:5-8.

Por isso mesmo façam todo o [esforço] possível para juntar a bondade à fé que vocês têm. À bondade juntem o conhecimento e ao conhecimento, o domínio próprio. Ao domínio próprio juntem a perseverança e à perseverança, a devoção a Deus. A essa devoção juntem a amizade cristã e à amizade cristã juntem o amor. Pois são essas as qualidades que vocês precisam ter. Se vocês as tiverem e fizerem com que elas aumentem, serão cada vez mais ativos e produzirão muita coisa boa como resultado do conhecimento que vocês têm do nosso Senhor Jesus Cristo.

 

Nesta parte, vamos olhar para a primeira qualidade listada: a fé.

Há uma razão para a fé estar em primeiro lugar na lista. Em Hebreus diz que sem fé ninguém pode agradar a Deus, porque quem vai a ele precisa crer que ele existe e que recompensa os que procuram conhecê-lo melhor. Hebreus 11:6.

Isso é muito poderoso. Esse versículo diz que sem fé é impossível agradar a Deus. IMPOSSÍVEL.

Fé é a nossa fundação, é o que permanece verdadeiro, quando nada mais é. Você pode olhar para todas as outras qualidades listadas – a bondade, o conhecimento, o domínio próprio, a perseverança, a devoção a Deus – todas são grandes qualidades, mas você não pode reter nenhuma delas.

Fé… fé é fácil quando você sente. É fácil ter fé em Deus quando você o vê agindo. Mas o que não é tão fácil é ter fé quando você não a sente – mesmo sendo o centro da fé – acreditar, mesmo quando você não vê.

Eu já passei por momento na minha vida quando não senti Deus. Eu não o vejo agindo e não sinto que esteja adorando, e não importa o que eu faça, é como se eu estive fazendo sozinha.

De fato, a semana passada esteve provavelmente na lista das semanas mais “pela fé” que eu experimentei.

Lembro de uma frase de Elizabeth Elliot que diz: “Fé nao é um sentimento. É uma ação, uma escolha voluntária.”

Só porque eu não sinto Deus, não quer dizer que ele não esteja comigo. Mas ele está,  e é por isso que eu coloquei minha fé nele, dizendo: “Deus, eu não sinto sua presença agora, mas eu te vi agindo no passado, e eu sei que você está comigo.”

Um sermão na minha igreja foi particularmente inpactante, e eu nunca esqueci. A premissa era “não se esqueça, na escuridão, que você viu a luz”.

Quando a sua fé é abalada, quando você não pode ver, a coisa mais importante é se lembrar como Deus falou com você na luz. Nunca, jamais esqueça uma circunstância em que você viu Deus.

Mesmo em Hebreus 11:1, por definição, a fé é a “certeza de que vamos receber as coisas que esperamos e a prova de que existem coisas que não podemos ver.”

Esperança é uma palavra maravilhosa, não acha? É uma palavra cheia de… bem, esperança. É incrível o que a pesperctiva de esperança fará até mesmo com a mais terrível das circunstâncias, e este verso diz que a fé é a certeza de que vamos receber as coisas que esperamos.

Mas, o que é esperança, mesmo?

Romanos 8:25 diz: “Pois foi por meio da esperança que fomos salvos. Mas, se já estamos vendo aquilo que esperamos, então isso não é mais uma esperança. Pois quem é que fica esperando por alguma coisa que está vendo? Porém, se estamos esperando alguma coisa que ainda não podemos ver, então esperamos com paciência.”

Uau! Isso é poderoso – para mim, é um lembrete constante de esperar com alegria em Cristo, quando eu não entendo, por causa da esperança que eu tenho em meu Senhor e Salvador.

Essa é a nossa fundação, o alicerce para tudo em nossa vida cristã.

Lúcia sempre foi uma das minhas personagens favoritas na série de Nárnia, por várias razões – uma delas é a fé. De todos os Pevensie, Lúcia é a que mantém uma fé inabalável em Aslan, de que ele é Todo-Poderoso e que virá sempre.

À medida que crescemos, a fé se torna cada vez mais difícil – porque quanto mais aprendemos sobre o mundo, mais ele tenta nos distrair de Cristo. Eu vejo isso acontecendo com a Lúcia, a mais notável nos filmes.

Em LFG, é fácil para Lúcia ter fé em Aslan. Ele é grande, forte, poderoso, e ela está vivendo em uma espécie de mundo de sonho. Nárnia foi uma nova descoberta,  ela era uma pequena criança, e esse foi apenas o começo de suas aventuras lá. Eu vejo muita da minha infância na Lúcia de LFG. Despreocupada, feliz, mas forte, fiel – que caracteriza muito da infância de crianças que cresceram na proteção de lares cristãos. Sem saber muito sobre o mundo, mas vivendo a fé simples, infantil.

Em Príncipe Caspian, ela está um pouco mais velha. E embora ela não tenha dúvidas sobre Aslan e sua fé não vacile, ela está relutante em abandonar os outros e seguir Aslan. Ela acredita que ele está lá, mas estava com muito medo de segui-lo sozinha. Eu vejo isso em mim mesma quando eu estava no ensino médio: tentando me ajustar, mas ainda tentando agarrar minha fé e aquilo em que acredito. Conhecendo um pouco mais do mundo, e de repetente, hesitante ou não, você quer que o mundo saiba sobre sua fé.

E finalmente, em Peregrino da Alvorada, vemos Lúcia tendo oportunidade de colocar em prática aquilo em que ela depositou sua fé. Ela tentou duramente com as tentações para se tornar bonita, ainda acreditando em Aslan com toda sua força, mas lutando para equilibrar sua crença com como exatamente deve viver as etapas de sua vida.

Que tipo de fé somos chamados a ter?

Mateus 10:16 diz: “Escutem! Eu estou mandando vocês como ovelhas para o meio de lobos. Sejam espertos como as cobras e sem maldade como as pombas.”

Somos chamados a ter uma fé simples, infantil, mas com a sabedoria de quem é mais velho e mais sábio.

Mas nós não podemos passar todo esse texto falando sobre fé sem falar sobre o objeto de nossa fé. Até agora falamos sobre ter fé em Jesus Cristo – mas eu acho beleza no fato de que nossa fé é somente em Jesus Cristo.

Cristo é nosso rei. É neste Rei que colocamos nossa fé. É dele que nossa esperança vem. Não é apenas um pensamento mesquinho, ideia, ou algo que uma vez ouvimos falar. O Deus do universo, o criador de tudo, te abraça com ternura na palma de Sua mão – é o único em quem depositamos essa confiança.

O meu desejo para você essa semana é que você dê aquele salto de fé. Mantenha as preciosas verdades que você sabe, que você viu na luz. Nós acreditamos em um Salvador que é muito mais bonito, poderoso e amoroso que qualquer coisa neste mundo. Ele é o objeto de nossa fé, a certeza da nossa esperança, aquele em quem podemos confiar totalmente, em cada aspecto de nosso vida.

Fonte: http://www.aslanscountry.com/2011/01/aslans-meditations-solid-rock/

Torre de Babel

Muito bem.
Traduzi o texto inicial do Aslan’s Meditation.
A autora do texto até postou um comentário seu blog pessoal comentando isso (http://xian-na.blogspot.com/2011/01/translation.html), mas fez um comentário que motivou uma resposta da minha parte.

A seguir, o comentário dela:

“Someone translated my Aslan’s Meditations Devotional into Brazilian Portuguese, right HERE. Isn’t that just really neat? I stuck it all into google translate, and while it sounded sort of like someone who didn’t know english very well, it was the same idea, and I thought that was SO. COOL.”

Embora ela mesma assuma que usou o tradutor do Google para embasar seu comentário, resolvi me “defender”.

Os trechos a seguir mostram o texto original, em português, e o texto em inglês, traduzido pelo Google.

PORTUGUÊS  / BRAZILIAN PORTUGUESE

“Olá, eu fiz a tradução do seu texto e, em minha defesa, devo dizer que o Google efetua uma tradução mecânica. Eu fiz uma tradução manual, levando em consideração os regionalismos do Brasil. Então, na verdade, eu fiz uma adaptação, e não uma tradução. Uma palavra em inglês pode ter muitas correspondências em português, dependendo do contexto. Se você já usou algum tradutor automático, você deve saber que eles servem apenas para dar uma ideia do que o texto está querendo dizer. Por exemplo, no topo do seu blog tem a seguinte frase: "One day, one night, one moment, with a dream to believe in. One step, one fall, one falter, find a new earth across a wide ocean." Esse fall, de "one fall", no google em português, tem todos esses significados que você pode ver no link http://translate.google.com.br/#en|pt|fall

E sobre os textos bíblicos, eu utilizei uma versão diferente, muito popular no Brasil, que é a Nova Tradução na Linguagem de Hoje (NTLH).

Então, não quer dizer que eu não conheço muito bem o inglês, e sim que as escolhas que eu fiz foram diferentes das do google tradutor. Eu sou brasileiro, falo português, e sei que a tradução do google, para o seu artigo, não é boa. Até porque ele não diferencia o português do Brasil e o de Portugal. Por isso eu tive que fazer as alterações. Seria mais fácil colar seu texto no google e copiar a tradução. Mas eu preferi ter todo esse trabalho para que ficasse com a "cara" do Brasil, portanto, mais fácil de compreender. Uma pessoa que entenda português, terá maior facilidade de leitura com meu texto, e não com o do google.

Faça um teste: este texto foi traduzido para o inglês usando o google. Pareço conhecer o inglês agora? Acredito que não. rsrsrsrsrs.

Estou esperando ansioso pelo próximo texto para continuar a tradução.”

 

E agora, INGLÊS / ENGLISH

“Hello, I did the translation of its text and in my defense I must say that Google performs a machine translation. I did a manual translation, taking into account the regionalism of Brazil. So, actually, I made an adjustment, not a translation. An English word can have many matches in Portuguese, depending on context. If you’ve used any automatic translator, you should know that they serve only to give an idea of what the text is saying. For example, on top of your blog has the following sentence: "One day, one night, one moment, with a dream to believe in. One step, one fall, one falter, find a new earth across a wide ocean." This fall, "one fall", on google in Portuguese, has all these meanings that you can see the link http://translate.google.com.br/ # en | en | fall
What about the biblical texts, I used a different version, very popular in Brazil, which is the New Translation Today’s English Version (TEV).
So, not to say that I do not know much English, but that the choices I made were different from the google translator. I am Brazilian, I speak Portuguese, and I know the google translation for your article, is not good. Also because he does not differentiate the Portuguese of Brazil and Portugal. So I had to make changes. It would be easier to paste your text and copy the google translation. But I preferred to all this work to stay with the "face" of Brazil, therefore, easier to understand. A person who understands Portuguese, will find it easier to read my text, and not with google.
Take a test: this text was translated into English using google. I seem to know English now? I think not. hehehehehe.
I am eagerly awaiting the next text to continue the translation.”

 

Qualquer pessoa que conheça bem o inglês, verá que esse texto está meio…..ruim…..

É tudo culpa da Torre de Babel.

Aslan’s Meditations – Apresentação

Autora: Hannah Dokupil

Textos Bíblicos conforme Nova Tradução na Linguagem de Hoje

 

 

Esta é a primeira de uma série de onze meditações na passagem de 2 Pedro 1:5-8, onde se lê:

Por isso mesmo façam todo o [esforço] possível para juntar a bondade à fé que vocês têm. À bondade juntem o conhecimento e ao conhecimento, o domínio próprio. Ao domínio próprio juntem a perseverança e à perseverança, a devoção a Deus. A essa devoção juntem a amizade cristã e à amizade cristã juntem o amor. Pois são essas as qualidades que vocês precisam ter. Se vocês as tiverem e fizerem com que elas aumentem, serão cada vez mais ativos e produzirão muita coisa boa como resultado do conhecimento que vocês têm do nosso Senhor Jesus Cristo.

Para começar, vamos olhar para o verso como um todo. Durante as próximas 11 semanas, vamos analisar cada valor (esforço, fé, bondade, conhecimento, etc) e olhar para cada um, individualmente, como ele se aplica ao anterior, e o que significa para nós, pessoalmente.

Serão artigos menores que o normal, mais isso significa que podemos publicar toda semana. Eu (Hannah/Tru) conduzirei esta série. Se funcionar, continuaremos – se não, concluiremos a série e tentaremos outra. Obrigado pela paciência.

Para mim, este versículo sempre foi uma longa lista de coisas para fazer. Depois de adicionar a bondade, adicionamos o conhecimento. Depois que fizermos isso, você precisa começar a trabalhar o domínio próprio. E depois disso, a perseverança … e assim por diante, e se você fizer todas essas coisas, você estará preparado para a vida.

Não sei quanto a vocês, mas eu não acho que isso esteja certo.

Porque, veja, o texto começa com as palavras “por isso mesmo” . Portanto, a pergunta natural é … Por isso o que? Porque estamos fazendo tudo isso? Vamos voltar um pouco, e olhar este versículo no contexto. O livro de 2 Pedro começa assim:

“…escrevo esta carta a vocês que, por causa da bondade do nosso Deus e Salvador Jesus Cristo, receberam uma fé tão preciosa como a nossa. Que a graça e a paz estejam com vocês e aumentem cada vez mais, por meio do conhecimento que vocês têm de Deus e de Jesus, o nosso Senhor! O poder de Deus nos tem dado tudo o que precisamos para viver uma vida que agrada a ele, por meio do conhecimento que temos daquele que nos chamou para tomar parte na sua própria glória e bondade. Desse modo ele nos tem dado os maravilhosos e preciosos dons que prometeu. Ele fez isso para que, por meio desses dons, nós escapássemos da imoralidade que os maus desejos trouxeram a este mundo e pudéssemos tomar parte na sua natureza divina.”

image

Para mim, o texto está falando sobre como, à luz da Graça de Deus, vivemos vidas caracterizadas pela fé, bondade, conhecimento, etc. Algo sobre o qual estive pensando muito ultimamente é sobre viver à luz da graça de Deus pela fé. É fácil ter fé quando se está entusiasmado com alguma coisa, quando você se torna cristão, quando você está em alta espiritual e vivendo para Cristo … mas a fé se torna uma coisa totalmente diferente quando você está perdido, confuso, e sem saber o que Deus está fazendo em sua vida. Mesmo assim prosseguimos porque, pelo poder divino de Deus, recebemos tudo o que precisamos para viver uma vida que agrada a ele, por meio do conhecimento que temos daquele que nos chamou para tomar parte na sua própria glória e bondade, porque ele nos tem dado os maravilhosos e preciosos dons que prometeu.

Certa vez ouvi um ditado que diz: “não se esqueça, na escuridão, que você viu a luz” – e acho que esse versículo se aplica a isso. Por causa da maravilhosa graça, amor e promessas que o Pai Celestial nos concedeu, é assim, que vivemos.

Edmundo, após ser salvo por Aslan, sempre encontrou tentações da Feiticeira Branca – tanto em Príncipe Caspian, quanto em A Viagem do Peregrino da Alvorada. Mas em cada um, notamos que a maneira como ele lida com essas tentações é sempre à luz do que Aslan fez por ele. Ele lembra e aprende com seus erros e com o que Aslan lhe ensinou.

image

Nós muitas vezes pensamos (ou pelo menos, eu me pego pensando) que nós somos salvos pela graça e então nós temos que fazer nossos caminhos com boas obras para o resto da vida! Pelo contrário – somos salvos pela graça e vivemos diariamente pela graça, e é por essa razão que nós adicionamos à nossa fé muitas coisas – mas essas coisas nós só podemos obter através da fé em Cristo.

Espero que vocês se juntem a mim nesta jornada.

Fonte: http://www.aslanscountry.com/2011/01/aslans-meditations-add-all-that/