JotaPêAh!

Erro de continuidade em Nárnia 1: A Táhbatah pessoa

Lendo os erros do filme As Crônicas de Nárnia: O leão, a feiticieria e o guarda-roupa (aqui), e vendo o filme, para comprovar se é erro mesmo ou não.

Estou escrevendo uma mensagem para o site com minhas observações, quando me deparo com a seguinte situação:

 

36. Durante a brincadeira de esconde-esconde, a personagem Susan está com um vestido comprido e se esconde dentro de um baú. Na seqüência, aparecem Lucy e Edmund correndo para lá e para cá tentando se esconder. Contudo, apesar de Susan já estar escondida dentro do baú, aparecem os pés e a barra do vestido dela ainda correndo, buscando um lugar para se esconder. (Contribuição de Thais – SP – Fã de Carteirinha)

Ao ver a cena, percebo que há muito mais entre o céu e a terra…..

Então, prestem atenção nestas imagens:

lúcia

Essa é Lúcia, com seu vestido marrom.

 

susana

Essa é Susana, com sua saia quadriculada.

 

tahbatah pessoa

E essa é a pessoa que aparece correndo para se esconder, logo após a cena da Susana entrando no bau.

 

Não é a Lúcia, nem a Susana.

 

ONFS.

 

É a táhbatah pessoa, então.

Anúncios
2 comentários »

Aslan’s Meditation (2/11): Rocha Sólida

Autora: Hannah Dokupil

Textos Bíblicos conforme Nova Tradução na Linguagem de Hoje

 

Esta é a segunda parte, de onze, da nossa série sobre 2 Pedro 1:5-8.

Por isso mesmo façam todo o [esforço] possível para juntar a bondade à fé que vocês têm. À bondade juntem o conhecimento e ao conhecimento, o domínio próprio. Ao domínio próprio juntem a perseverança e à perseverança, a devoção a Deus. A essa devoção juntem a amizade cristã e à amizade cristã juntem o amor. Pois são essas as qualidades que vocês precisam ter. Se vocês as tiverem e fizerem com que elas aumentem, serão cada vez mais ativos e produzirão muita coisa boa como resultado do conhecimento que vocês têm do nosso Senhor Jesus Cristo.

 

Nesta parte, vamos olhar para a primeira qualidade listada: a fé.

Há uma razão para a fé estar em primeiro lugar na lista. Em Hebreus diz que sem fé ninguém pode agradar a Deus, porque quem vai a ele precisa crer que ele existe e que recompensa os que procuram conhecê-lo melhor. Hebreus 11:6.

Isso é muito poderoso. Esse versículo diz que sem fé é impossível agradar a Deus. IMPOSSÍVEL.

Fé é a nossa fundação, é o que permanece verdadeiro, quando nada mais é. Você pode olhar para todas as outras qualidades listadas – a bondade, o conhecimento, o domínio próprio, a perseverança, a devoção a Deus – todas são grandes qualidades, mas você não pode reter nenhuma delas.

Fé… fé é fácil quando você sente. É fácil ter fé em Deus quando você o vê agindo. Mas o que não é tão fácil é ter fé quando você não a sente – mesmo sendo o centro da fé – acreditar, mesmo quando você não vê.

Eu já passei por momento na minha vida quando não senti Deus. Eu não o vejo agindo e não sinto que esteja adorando, e não importa o que eu faça, é como se eu estive fazendo sozinha.

De fato, a semana passada esteve provavelmente na lista das semanas mais “pela fé” que eu experimentei.

Lembro de uma frase de Elizabeth Elliot que diz: “Fé nao é um sentimento. É uma ação, uma escolha voluntária.”

Só porque eu não sinto Deus, não quer dizer que ele não esteja comigo. Mas ele está,  e é por isso que eu coloquei minha fé nele, dizendo: “Deus, eu não sinto sua presença agora, mas eu te vi agindo no passado, e eu sei que você está comigo.”

Um sermão na minha igreja foi particularmente inpactante, e eu nunca esqueci. A premissa era “não se esqueça, na escuridão, que você viu a luz”.

Quando a sua fé é abalada, quando você não pode ver, a coisa mais importante é se lembrar como Deus falou com você na luz. Nunca, jamais esqueça uma circunstância em que você viu Deus.

Mesmo em Hebreus 11:1, por definição, a fé é a “certeza de que vamos receber as coisas que esperamos e a prova de que existem coisas que não podemos ver.”

Esperança é uma palavra maravilhosa, não acha? É uma palavra cheia de… bem, esperança. É incrível o que a pesperctiva de esperança fará até mesmo com a mais terrível das circunstâncias, e este verso diz que a fé é a certeza de que vamos receber as coisas que esperamos.

Mas, o que é esperança, mesmo?

Romanos 8:25 diz: “Pois foi por meio da esperança que fomos salvos. Mas, se já estamos vendo aquilo que esperamos, então isso não é mais uma esperança. Pois quem é que fica esperando por alguma coisa que está vendo? Porém, se estamos esperando alguma coisa que ainda não podemos ver, então esperamos com paciência.”

Uau! Isso é poderoso – para mim, é um lembrete constante de esperar com alegria em Cristo, quando eu não entendo, por causa da esperança que eu tenho em meu Senhor e Salvador.

Essa é a nossa fundação, o alicerce para tudo em nossa vida cristã.

Lúcia sempre foi uma das minhas personagens favoritas na série de Nárnia, por várias razões – uma delas é a fé. De todos os Pevensie, Lúcia é a que mantém uma fé inabalável em Aslan, de que ele é Todo-Poderoso e que virá sempre.

À medida que crescemos, a fé se torna cada vez mais difícil – porque quanto mais aprendemos sobre o mundo, mais ele tenta nos distrair de Cristo. Eu vejo isso acontecendo com a Lúcia, a mais notável nos filmes.

Em LFG, é fácil para Lúcia ter fé em Aslan. Ele é grande, forte, poderoso, e ela está vivendo em uma espécie de mundo de sonho. Nárnia foi uma nova descoberta,  ela era uma pequena criança, e esse foi apenas o começo de suas aventuras lá. Eu vejo muita da minha infância na Lúcia de LFG. Despreocupada, feliz, mas forte, fiel – que caracteriza muito da infância de crianças que cresceram na proteção de lares cristãos. Sem saber muito sobre o mundo, mas vivendo a fé simples, infantil.

Em Príncipe Caspian, ela está um pouco mais velha. E embora ela não tenha dúvidas sobre Aslan e sua fé não vacile, ela está relutante em abandonar os outros e seguir Aslan. Ela acredita que ele está lá, mas estava com muito medo de segui-lo sozinha. Eu vejo isso em mim mesma quando eu estava no ensino médio: tentando me ajustar, mas ainda tentando agarrar minha fé e aquilo em que acredito. Conhecendo um pouco mais do mundo, e de repetente, hesitante ou não, você quer que o mundo saiba sobre sua fé.

E finalmente, em Peregrino da Alvorada, vemos Lúcia tendo oportunidade de colocar em prática aquilo em que ela depositou sua fé. Ela tentou duramente com as tentações para se tornar bonita, ainda acreditando em Aslan com toda sua força, mas lutando para equilibrar sua crença com como exatamente deve viver as etapas de sua vida.

Que tipo de fé somos chamados a ter?

Mateus 10:16 diz: “Escutem! Eu estou mandando vocês como ovelhas para o meio de lobos. Sejam espertos como as cobras e sem maldade como as pombas.”

Somos chamados a ter uma fé simples, infantil, mas com a sabedoria de quem é mais velho e mais sábio.

Mas nós não podemos passar todo esse texto falando sobre fé sem falar sobre o objeto de nossa fé. Até agora falamos sobre ter fé em Jesus Cristo – mas eu acho beleza no fato de que nossa fé é somente em Jesus Cristo.

Cristo é nosso rei. É neste Rei que colocamos nossa fé. É dele que nossa esperança vem. Não é apenas um pensamento mesquinho, ideia, ou algo que uma vez ouvimos falar. O Deus do universo, o criador de tudo, te abraça com ternura na palma de Sua mão – é o único em quem depositamos essa confiança.

O meu desejo para você essa semana é que você dê aquele salto de fé. Mantenha as preciosas verdades que você sabe, que você viu na luz. Nós acreditamos em um Salvador que é muito mais bonito, poderoso e amoroso que qualquer coisa neste mundo. Ele é o objeto de nossa fé, a certeza da nossa esperança, aquele em quem podemos confiar totalmente, em cada aspecto de nosso vida.

Fonte: http://www.aslanscountry.com/2011/01/aslans-meditations-solid-rock/

Deixe um comentário »

Magia ainda mais profunda

O sol dera a tudo uma aparência tão diferente, alterando de tal maneira as cores e as sombras, que por um momento não repararam na coisa de fato importante. Até que viram. A Mesa de Pedra estava partida em duas por uma grande fenda, que ia de lado a lado. E de Aslam, nem sombra.

– Oh! Oh! Oh! – gritaram as meninas, correndo para a mesa.

– Isso é demais! Podiam ao menos ter deixado o corpo em paz.

– Mas que coisa é essa? Ainda será magia?

– Magia, sim! – disse uma voz forte, pertinho delas. – Ainda é magia.

Olharam. Iluminado pelo sol nascente, maior do que antes, Aslam sacudia a juba (pelo visto, tinha voltado a crescer).

– Aslam! Aslam! – exclamaram as meninas, espantadas, olhando para ele, ao mesmo tempo as sustadas e felizes.

– Você não está morto?

– Agora, não.

– Mas você não é… um… um…? – Susana, trêmula, não teve a coragem de usar a palavra “fantasma”.

Aslam abaixou a cabeça dourada e lambeu-lhe a testa. O calor de seu bafo era de criatura viva.

– Pareço um fantasma?

– Não! Você está vivo! Oh, Aslam! – gritou Lúcia, e as duas meninas atiraram-se sobre ele com mil beijos.

– Mas explique tudo isso, por favor – disse Susana, ao recuperar um pouco da calma.

– Explico: a feiticeira pode conhecer a Magia Profunda, mas não sabe que há outra magia ainda mais profunda. O que ela sabe não vai além da aurora do tempo. Mas, se tivesse sido capaz de ver um pouco mais longe, de penetrar na escuridão e no silêncio que reinam antes da aurora do tempo, teria aprendido outro sortilégio. Saberia que, se uma vítima voluntária, inocente de traição, fosse executada no lugar de um traidor, a mesa estalaria e a própria morte começaria a andar para trás…

Deixe um comentário »

A vitória da Feiticeira

Logo que acabaram de amarrar Aslam à Mesa de Pedra (mas tão amarrado que mais parecia um novelo), fez-se silêncio. Quatro bruxas, aos quatro cantos da mesa, erguiam seus fachos. A feiticeira desnudou os braços, como fizera na noite anterior com Edmundo. Depois, começou a afiar o facão. Quando o brilho do facho caiu sobre ele, Susana e Lúcia acharam que o facão era de pedra e não de aço, e tinha uma forma esquisita e nada agradável.

Por fim a feiticeira aproximou-se. Parou junto da cabeça do Leão. Seu rosto vibrava e contorcia-se de ódio. O dele, sempre calmo, olhava para o céu, com uma expressão que não era nem de ira, nem de medo, um pouco triste apenas. Um momento antes de desferir o golpe, a feiticeira inclinou-se e disse, vibrando com a voz:

– Quem venceu, afinal? Louco! Pensava com isso poder redimir a traição da criatura humana?!

Vou matá-lo, no lugar do humano, como combinamos, para sossegar a Magia Profunda. Mas, quando estiver morto, poderei matá-lo também.

Quem me impedirá? Quem poderá arrancá-lo de minhas mãos? Compreenda que você me entregou Nárnia para sempre, que perdeu a própria vida sem ter salvo a vida da criatura humana. Consciente disso, desespere e morra.

As meninas não chegaram a ver exatamente este último momento. Tinham tapado os olhos.

Deixe um comentário »

A Magia Profunda – LFG

Pouco depois, era a própria feiticeira que aparecia no alto da colina, dirigindo-se sem hesitar para junto de Aslam. Os três, que nunca a tinham visto, sentiram um frio na barriga quando a olharam de frente. Alguns animais começaram a rosnar. Embora fizesse um sol magnífico, todos se sentiram gelados de repente. As únicas pessoas que pareciam estar absolutamente à vontade eram Aslam e a própria feiticeira. Estranho espetáculo: um rosto dourado e um rosto nevado… tão perto um do outro. Não que a feiticeira olhasse Aslam bem de frente. A Sra. Castor não deixou de reparar nisso.

– Há um traidor aqui, Aslam! – declarou a feiticeira.

Todos os presentes entenderam. Mas Edmundo, depois da conversa pela manhã e de tudo o mais, não deu bola. Continuou simplesmente a olhar para Aslam. Estava esnobando a feiticeira, e com razão.

– Não foi bem a você que ele ofendeu – disse Aslam.

– Já se esqueceu da Magia Profunda? – perguntou a feiticeira.

– Digamos que sim – replicou Aslam, solenemente. – Fale-nos da Magia Profunda.

– Falar-lhe da Magia Profunda?! Eu?! – disse a feiticeira, numa voz ainda mais aguda. – Falar-lhe do que está escrito nessa Mesa de Pedra aí ao lado? Falar-lhe do que está escrito em letras do tamanho de uma espada, cravadas nas pedras de fogo da Montanha Secreta? Falar-lhe do que está gravado no cetro do Imperador de Além-Mar? Se alguém conhece tão bem quanto eu o poder mágico a que o Imperador sujeitou Nárnia desde o princípio dos tempos, esse alguém é você. Sabe que todo traidor, pela lei, é presa minha, e que tenho direito de matá-lo!

– Ah! – disse o Sr. Castor. – Já estou entendendo por que foi que você se arvorou em rainha… Você era o carrasco-mor do Imperador!

– Calma, Castor, calma – disse Aslam, em voz baixa e arrastada.

– Portanto – continuou a feiticeira, – essa criatura humana me pertence. A vida dela me pertence. Tenho direito ao seu sangue.

– Então venha bebê-lo, se for capaz – disse o Touro que tinha cabeça de homem.

– Débil mental! – disse a feiticeira, com um riso de fúria que era quase um grunhido. – Está tão convencido assim de que o seu senhor me pode privar dos meus direitos pela força? Ele conhece bem demais a Magia Profunda para atrever-se a isso. Sabe que, a não ser que eu receba o sangue a que a lei me dá direito, toda a terra de Nárnia será subvertida e perecerá em água e fogo.

– É verdade! – disse Aslam. – Não posso negá-lo.

– Oh! Aslam! – sussurrou Susana, ao ouvido do Leão. – Não podemos nós… quer dizer, isto é, não vai acontecer nada, não é? Não se pode dar um jeito nessa Magia Profunda?

– Enfrentar o poder mágico do Imperador?

Aslam voltou-se para ela, com o rosto ligeiramente carregado. E ninguém mais tocou naquele assunto.

Edmundo fitou Aslam o tempo todo. Sentia-se sufocado e perguntava a si mesmo se devia dizer alguma coisa: compreendeu que não devia dizer coisa nenhuma, só esperar e cumprir o que lhe fosse ordenado.

Deixe um comentário »

O jardim – SM

Entre pelos portões de ouro ou não, Apanhe o meu fruto para outro ou não. Aquele que roubar ou escalar os meus muros, Encontrará desespero, junto com o desejo do seu coração.

……………………………….

Estava para voltar ao portão quando parou para dar uma olhada em torno. Foi um choque terrível. Não estava só. A poucos metros dali, avistou a feiticeira. Acabara de atirar fora o miolo de um fruto que havia comido. O suco da maçã era mais forte do que se podia esperar e marcara com medonha mancha a boca da feiticeira. “Entrou pulando o muro”, pensou logo Digory. E concluiu que era verdade o que estava escrito quanto a encontrar, junto com o desejo do coração, o desespero. Pois a feiticeira parecia mais poderosa, mais orgulhosa, mais vitoriosa, mas a sua face era de uma brancura mortal, branca como o sal.

Deixe um comentário »

%d blogueiros gostam disto: