Adeus Escola Zezé Francisco

3 anos, 9 meses, 1 semana e 1 dia depois.

De 01/08/2007  a  09/05/2011.

A parceria com a Escola José Francisco terminou nessa segunda.

Enquanto revirava as pastas procurando restos de arquivos meus, encontrei as duas fotos abaixo.

Eu, na Reunião do Prêmio Gestão 2009, explicando sobre as licitações. Momento raro.

Essa primeira, tirada no dia 07/05/2009 21:01, em uma reunião do Prêmio Gestão.

Eu estava lá apenas para operar o computador. Mas alguém perguntou alguma coisa sobre merenda, licitação e Aliane disse que eu poderia explicar melhor. Não tive escolha. Sem nada combinado. ONFS.

 

Aurora, Wendeon, Aliane and Me (ou I?) após apresentação da orquestra na escola Zezé Francisco

E essa foi tirada dia 05/12/2009 20:39 após uma apresentação da Associação Amigos da Orquestra/Orquestra em Ação.

Não tinha essas fotos em meus arquivos.

Até agora. Já estão no Windows Live. No álbum de Maio, neste link.

Anúncios

‘Vi meu filho com um tiro na cabeça’, disse pai de vítima de massacre em Realengo

Rafael Pereira da Silva, de 14 anos, era aluno do 7º ano da Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo. Um menino de hábitos caseiros, que queria trabalhar com informática, foi morto com um tiro na cabeça dentro do colégio.

No início da manhã desta sexta-feira, seu pai adotivo esteve no Instituto Médico-Legal para liberar o corpo do adolescente. Sem conseguir chorar, ainda tentando entender o que aconteceu, o instalador de som Carlos Maurício Pinto, de 38 anos, contou o que ficou sabendo da tragédia através de sua filha mais nova, de 11 anos, que também é aluna do colégio e fará aniversário neste sábado.

– Minha filha estava com dores na garganta, então permiti que ela levasse o telefone celular para escola, para caso se sentisse mal me ligasse, porque trabalho próximo do colégio. Ela me ligou e disse que estava tendo um tiroteio dentro da escola e que era pra eu não ir para lá e disse que não tinha informações do Rafael – disse.

Carlos foi até o local e entrou na escola. Foi quando viu seu filho desfalecido:

– Eu entrei na escola e vi meu filho com um tiro na cabeça desmaiado em cima de uma maca sendo levado. Eu fui atrás da minha filha e a encontrei no terceiro andar. Eu a levei para casa e fui para o hospital saber do meu filho.

Rafael foi adotado com poucos dias de vida pela sogra de Carlos. Quando o menino tinha cinco anos, sua mãe adotiva faleceu e pediu para que o genro cuidasse do garoto para ela.

– Ela me pediu para eu cuidar dele até que ele pudesse andar com as próprias pernas, mas não consegui cumprir a minha promessa – lamentou Carlos.

Fonte: http://oglobo.globo.com/rio/mat/2011/04/08/vi-meu-filho-com-um-tiro-na-cabeca-disse-pai-de-vitima-de-massacre-em-realengo-924190377.asp

G1 – ‘Ele matou minha amiga’, diz aluna que sobreviveu a ataque em escola – notícias em Rio de Janeiro

Uma das alunas da Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, na Zona Oeste do Rio, nesta quinta-feira (7), lembra os momentos de terror na unidade. Aos 12 anos, ela viu o atirador entrar na escola e estava dentro da sala de aula quando ele abriu fogo contra os alunos.

“Ele começou a atirar. Eu me agachei e, quando vi, minha amiga estava atingida. Ele matou minha amiga dentro da minha sala”, conta ela, que afirma que estava no pátio na hora em que Welligton Menezes de Oliveira entrou na escola.

“Ele estava bem vestido. Subiu para o segundo andar e eu ouvi dois tiros. Depois, todos os alunos subiram para suas salas. Depois ele subiu para o terceiro andar, onde é a minha sala, entrou e começou a atirar”, completou.

 

G1 – ‘Ele matou minha amiga’, diz aluna que sobreviveu a ataque em escola – notícias em Rio de Janeiro.

G1 – Ataque em escola no Brasil é sem precedentes, dizem especialistas – notícias em Rio de Janeiro

Estudiosos de assassinatos em massa, a escritora Ilana Casoy e o psiquiatra forense Guido Palomba dizem nunca terem visto no país um caso como o ocorrido nesta quinta-feira (7) na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, na Zona Oeste do Rio, quando pelo menos 11 estudantes foram mortos e 18 feridos. O ministro da Educação, Fernando Haddad, também considerou o ataque a tiros na escola municipal do Rio de Janeiro como uma “tragédia sem precedentes no Brasil”.

Para Ilana, este deve ser até agora o o caso mais emblemático de atirador que provoca mortes em escolas no país. O outro caso ocorrido em escolas do Brasil lembrado pela escritora ocorreu em 2002, quando um estudante de 17 anos matou a tiros uma colega e deixou outra ferida após realizar disparos em uma sala de aula em Salvador.

“Enquanto nos Estados Unidos estas situações ocorrem com maior facilidade, aqui no Brasil é mais difícil, porque nossa cultura é menos armamentista. Lá nos Estados Unidos há maior facilidade de se adquirir armas, então pessoas transtornadas conseguem mais rapidamente transformar a fantasia em ação”, diz Ilana.

“Este tipo de ação é raro no mundo, e mais ainda no Brasil”, acrescenta ela.

O psiquiatra Guido Palomba, que diz que não há registros brasileiros de um caso semelhante ao ocorrido no Rio de Janeiro. ”Este é o primeiro caso no Brasil. Não tenho conhecimento de literatura a respeito”, diz.

Caso semelhante em SP
Em 28 de janeiro de 2003, em Taiúva, a 363 km de São Paulo, um ex-aluno de 18 anos entrou na escola e atirou contra os estudantes no momento do intervalo, atingindo sete pessoas. Depois, se suicidou. Segundo a polícia, o jovem era vítima de bullying escolar. Atingido na coluna, um estudante que tinha 18 anos, na época do crime, ficou paraplégico.

Atirador do shopping
O mais emblemático dos casos no Brasil até então, segundo especialistas, foi quando o ex-aluno de medicina Mateus da Costa Meira abriu fogo contra pessoas que assistiam a uma sessão de cinema no Shopping Morumbi, em São Paulo, na noite de 3 de novembro de 1999. O “atirador do shopping”, como ficou conhecido, usou uma submetralhadora e deixou três mortos, quatro feridos e pelo menos quatro feridos. “Todos que fazem isso são desequilibrados”, diz Guido Palomba.

“O Mateus já tinha fantasias desde criança, e conseguiu executar seu desejo de atirar contra a multidão do cinema aos 17 anos. Só que uma pessoa interrompeu o Mateus quando recarregava a arma, por isso a tragédia não foi maior” , diz Ilana.

Auto índice de doença mental, graves perturbações, passado de bullying e gosto por assuntos paramilitares são características que integram o perfil dos atiradores em massa, segundo Ilana. “É comum que se suicidem depois de cometer a ação, pois são pessoas traumatizadas, que tem um passado de um longo período de humilhação e baixa auto-estima”, afirma Ilana.

Palomba acredita que o entendimento da personalidade de um indivíduo deve levar em consideração o ambiente social em que ele vive. “Há uma pitada da cultura social maior ou menor em cada caso. Culturalmente falando, esse tipo de caso ocorre com mais frequência nos Estados Unidos. Isso fica aparente quando se conversa com as pessoas sobre o caso do Rio. Elas fazem relação imediata com casos ocorridos no exterior”.

O psiquiatra disse que a ausência de casos como o ocorrido na escola municipal do Rio de Janeiro automaticamente elimina as chances de que histórias assim existam com mais naturalidade. “Nos Estados Unidos, o porte de arma legal é mais fácil do que no Brasil. Ataques a escolas por lá são mais frequentes e são fatos repetitivos, o que se torna exemplo para os olhos da sociedade. Isso passa a fazer parte do imaginário do povo e do doente mental também. Os exemplos servem de caminho para ele escoar sua doença, sua patologia”.

 

Fonte: G1 – Ataque em escola no Brasil é sem precedentes, dizem especialistas – notícias em Rio de Janeiro.

Johnny Depp visita escola como Jack Sparrow e surpreende aluna

Johnny Depp deixou de lado as filmagens de “Piratas do Caribe 4” por uma tarde para fazer uma surpresa em uma escola primária de Londres. Vestido como o famoso pirata Jack Sparrow – personagem protagonista da franquia -, o galã visitou o local e causou alvoroço entres os estudantes, na quinta-feira (7).

image

De acordo com o jornal inglês “The Sun”, a aluna de 9 anos Beatriz Delap ganhou um carinho especial do astro. Após uma recente visita ao set de filmagem, ela escreveu para a estrela e fez uma brincandeira pedindo ajuda para fazer uma “rebelião” contra os professores, como piratas fazem.

Interessado, Johnny quis saber de quem era o texto durante a visita. Entrando na brincadeira de Beatriz, ele deu uma dica para a garota e aconselhou-a a ser uma boa aluna. "Os piratas têm que ser mais espertos que todos os outros", explicou ele que, em seguida, a abraçou.

image

Beatriz se mostrou criativa na carta. “Capitão Jack Sparrow, na Meridian Escola Primária somos um bando de jovens piratas em crescimento e estamos tendo um pouco de dificuldade para fazer um motim contra os professores e nós adoraríamos se você pudesse vir e ajudar”, disse a aluna, de imaginação fértil e candidata a aspirante a pirata.