JotaPêAh!

Síndrome de Asperger

 

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%ADndrome_de_Asperger

A chamada síndrome de Asperger, transtorno de Asperger ou desordem de Asperger é uma síndrome do espectro autista, diferenciando-se do autismo clássico por não comportar nenhum atraso ou retardo global no desenvolvimento cognitivo ou da linguagem do indivíduo. A validade do diagnóstico de SA como condição distinta do autismo é incerta, tendo sido proposta a sua eliminação do "Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais" (DSM), sendo fundida com o autismo[1][2]

A SA é mais comum no sexo masculino.[3] Quando adultos, muitos podem viver de forma comum, como qualquer outra pessoa que não possui a síndrome. Há indivíduos com Asperger que se tornaram professores universitários (como Vernon Smith, "Prémio Nobel" de Economia de 2002).

Um dos primeiros usos do termo "síndrome de Asperger" foi por Lorna Wing em 1981 num jornal médico, que pretendia desta forma homenagear Hans Asperger, um psiquiatra e pediatra austríaco cujo trabalho não foi reconhecido internacionalmente até a década de 1990. A síndrome foi reconhecida pela primeira vez no DSM, na sua quarta edição, em 1994 (DSM-IV).

Alguns sintomas dos portadores desta síndrome são: dificuldade de interação social, dificuldades em processar e expressar emoções (Este problema leva a que as outras pessoas se afastem por pensarem que o individuo não sente empatia), interpretação muito literal da linguagem, dificuldade com mudanças, perseveração em comportamentos estereotipados. No entanto, isso pode ser conciliado com desenvolvimento cognitivo normal ou alto.

Continua…

Deixe um comentário »

Vibhuti – A Cinza Sagrada

Arquivo X S02E21

 

Fonte:http://www.sathyasai.org.br/devocao/oracoes-e-mantras/vibhuti—a-cinza-sagrada.html

 

As cinzas nos lembram que toda a matéria é perecível e limitada a uma forma e a uma duração. Portanto, não devemos nos apegar a nada, nem mesmo ao nosso corpo físico. O principal objetivo de todo ser humano deve ser reduzir seu ego a cinzas e conhecer Aquele que É Sempre Existente e que está além de todas as limitações.

Geralmente, o vibhuthi é passado nos três chacras (centros de energia) principais, localizados no ponto entre as sobrancelhas, na parte frontal da garganta e no centro do peito, indicando que desejamos ter unidade entre pensamento, palavra e ação. O vibhuthi tem um grande poder curativo, podendo ser ingerido (diretamente ou diluído em água) ou espalhado sobre qualquer parte do corpo onde existam problemas.

 

Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/Vibhuti

Sacred ash

Vibhuti is the sacred ash used in religious worship in Hinduism. The main ingredient of Vibuthi is a special kind of wood, but several other substances, such as milk and ghee, prescribed in scriptures are also added. These substances are burned in a sacred fire (Homa). Vibhuti is placed on the forehead as it is considered sacred and holy. Many devotees add an amount to the tongue to receive the blessings of the deity.

The ash has several symbolic meanings:

  • When eaten, Vibuthi imparts the blessings (Sanskrit: adhishthana) of the divine.
  • Placed on the forehead of devotees, it serves as a sectarian mark (tilaka).
  • In worship connected with Lord Shiva it is a symbol of purity and is one of the main sacraments given at pūjā in all Śaivite temples and shrines.[2]
  • It serves as a reminder to the believer to cast away selfish and worldly desires that wrap the self in maya, and calls to mind the story of how Shiva burned Kama (the god of desire) to ashes when Kama attempted to break Shiva’s focus on the Divine Truth.[citation needed]

[edit] Glorious attributes

Vibhuti may refer to glorious attributes of the divine, and in this context is translated as ‘all pervading’, ‘superhuman power’, ‘wealth’ and so on.

The ash of any burnt object is not regarded as holy ash. Bhasma (the holy ash) is the ash from the Homa (sacrificial fire) where special wood along with ghee and other herbs is offered as worship of the Lord. Or the deity is worshipped by pouring ash as abhisheka and is then distributed as bhasma. Bhasma is generally applied on the forehead. Some apply it on other parts of the body, like the upper arms, chest, etc.

The word bhasma means “that by which our sins are destroyed and the Lord is remembered". ”Bha” implies Bhartsana (“to destroy”) and “sma” implies smaranam (“to remember”). The application of Bhasma therefore signifies destruction of the evil and remembrance of the divine. Bhasma is called Vibhuti (“glory”) as it gives glory to one who applies it and raksha (which means a source of protection) as it protects the wearer from ill health and evil, by purifying him or her. The ash we apply indicates that we should burn false identification with body and become free of the limitations of birth and death. It also reminds us that the body is perishable and shall one day be reduced to ashes. As death can come at any moment, this awareness must increase our drive to make the best use of time. This is not to be misconstrued as a morose reminder of death, but as a powerful pointer towards the fact that time and tide wait for none.

Bhasma is specially associated with Lord Shiva, who applies it all over His body. According to Hindu mythology Vibhuti or Bhasma is said to be favorite to Lord Shiva and that’s why He is often called Vibhuti Bhushan (the one having ash as his ornament). Shiva devotees apply bhasma as a tripundra (the form of three lines). When applied with a red spot in the centre, the mark symbolises Shiva-Shakti (the unity of energy and matter that creates the entire seen and unseen universe).

Ash is what remains when all the wood is burnt away and it does not decay. Similarly, the Lord is imperishable Truth that remains when the entire creation of innumerable names and forms is dissolved.

Bhasma is believed to have medicinal value and is used in many ayurvedic medicines. It absorbs excess moisture from the body and prevents colds and headaches. The Upanishads say that the famous Mrutyunjaya mantra should be chanted whilst applying ash on the forehead, thus:

“Tryambakam yajaamahe sugandhim pushtivardhanam Urvaarukamiva bandhanat mrutyor muksheeya maa amritaat !!”
“We worship the three-eyed Lord Shiva who nourishes and spreads fragrance in our lives. May He free us from the shackles of sorrow, change and death effortlessly, like the fall of a ripe cucumber from its stem !!”

In yajna only wood is burnt, since cow dung is not considered sufficiently sacred to be used in yajna. Mostly sandalwood or shami wood is used in yajnas.

[edit] Paranormal powers

Vibhuti (powers) can refer to paranormal powers that some believe can be developed by yoga practices.

[edit] Vibhuti Pada

Patanjali in the Vibhuti Pada of the Yoga Sutras, mentions many different vibhutis:

  • Knowledge of the past and future
  • Understanding the sounds (language) of all beings
  • Knowledge of previous existences
  • Knowing the minds of others
  • Invisibility
  • Suspending the ability of the body to be heard, touched, tasted, or smelled
  • Foreknowledge of the time of death
  • Strength of any attitude (such as friendliness)
  • Super strength (such as the strength of an elephant)
  • Knowledge of subtle, hidden, remote things
  • Knowledge of worlds, realms, universes, etc.
  • Knowledge of the arrangement of stars, planets, etc.
  • Knowledge of the movement of stars, planets, etc.
  • Knowledge of the arrangement of systems in the body
  • Freedom from hunger and thirst
  • Attainment of steadiness or immobility
  • Visions of Siddhas (perfected beings)
  • Knowledge of anything and everything
  • Knowledge of the mind
  • Knowledge of pure consciousness (purusha)
  • Psychic hearing, touch, vision, taste, and smell
  • Entering and controlling the bodies of others
  • Ability to float or walk on water, swamps, thorns, and other such objects
  • Ability to glow or radiate light around the body
  • Super hearing (hearing at vast distances)
  • Ability to fly
  • Mastery over the elements (earth, water, fire, air, space)
  • Making the body atomically small, indestructible, perfect
  • Perfection of the body in beauty, strength, grace, and brilliance
  • Mastery over the senses
  • Quickness of the mind, perception with the senses
  • Supremacy over all states of existence, omnipotence
  • Higher knowledge
  • Discriminating knowledge
  • Absolute freedom (kaivalyam)
[edit] Vibhuti Yoga in the Gita

In Chapter 10 of the Bhagavad Gita, titled Vibhuti Yoga, Krishna uses the term vibhuti to describe divine attributes such as magnificence, splendour, glory and prosperity.

[edit] As a personal name

Vibhuti (variant Vibhute) is used as surname in northern parts of Indian subcontinent, mostly by members of the Agrahari community and also this is a common name in Bangla-spoken part of India.[citation needed] The Bengali Writer Vibhuti Bhushan Bandopadhyay (often written as "Bibhutibhushan Bandopadhyay")’s book ‘Pather Panchali’ (The Song of the Road) was adapted into a film by Satyajit

Deixe um comentário »

O Gráfico do Coração

Cole isso no Google:

 

sqrt(cos(x))*cos(200 x)+sqrt(abs(x))-0.7)*(4-x*x)^0.01,sqrt(9-x^2), -sqrt(9-x^2) from -4.5 to 4.5

 

e clique em Pesquisar.

Deixe um comentário »

Quem falou que eles não sorriem?

O sorriso social
Os bebês não apenas sorriem mais, eles também sorriem socialmente. Eles sorriem mais para pessoas do que para objetos. O sorriso de seu bebê provavelmente reflete o fato de que rostos são objetos familiares e não que um processo social esteja realmente acontecendo. Apesar disso, quando você sorri para o seu bebê ele pode sorrir em resposta. Como todos os pais, você verá que não há nada como esses primeiros sorrisos para lhe fazer se apaixonar pelo seu bebê cada vez mais.

http://www.hsw.uol.com.br/compreendendo-como-as-criancas-amadurecem3.htm

Sorrisos especiais apenas para os pais começam a aparecer aos quatro meses. Um sorriso se espalha pelo rosto do seu bebê quando ele vê você mas não quando vê qualquer outra pessoa. Esse comportamento implica não apenas um reconhecimento a você, uma habilidade cognitiva, mas também um reconhecimento de que você é especial, uma habilidade social. Isso obviamente gera uma resposta emocional incrivelmente forte de sua parte e torna muito mais divertido para você estar e brincar com o seu bebê. Na verdade, pode ser difícil para você se afastar para realizar atividades domésticas ou voltar ao trabalho. Por outro lado, isso gera grandes benefícios ao bebê, oferecendo a ele dois amigos prontos para ensiná-lo o que ele precisa aprender.

Risada
Alguns bebês começam a rir mesmo antes de completarem quatro meses, alguns já com cinco semanas. A risada acontece cerca de um mês depois dos primeiros sorrisos. Um estímulo repentino e intenso (talvez de surpresa) pode fazer com que um bebê dê risada.
Mas você pode perceber que às vezes seu bebê não tem certeza se deve rir ou chorar. O riso parece ser uma emoção no limite do medo. Teorias sobre a risada sugerem que o bebê ri para objetos e acontecimentos que são quase compreensíveis a eles. Objetos e acontecimentos muito confusos, no entanto, fazem-nos chorar. Bebês de quatro a seis meses tendem a rir mais com um estímulo de toque (como cócegas) e quando você conversa com eles de um jeito bobo.
A risada do bebê ajuda a desenvolver um elo emocional entre vocês, tornando o seu papel muito divertido. Nós gostamos de ver bebês sorrindo, de forma que repetimos o que fizemos para fazê-los rir diversas vezes. Ao fazer isso, o seu bebê está aprendendo a adquirir algum controle sobre o ambiente onde está. Através da risada eles podem também aprender o tipo de efeito que exercem sobre outras pessoas.

http://saude.hsw.uol.com.br/compreendendo-como-as-criancas-amadurecem4.htm

Reflexos
Muitos dos reflexos dos recém-nascidos (padrões de comportamento instintivos) servem para assegurar proximidade física à mãe. Durante o primeiro exame do seu bebê, o médico pode demonstrar como a mão do bebê agarra firmemente seus dedos. Nos primeiros meses, esse aperto é tão forte que o bebê pode suportar quase o próprio peso. Quando um recém-nascido é assustado por um barulho muito alto ou uma mudança súbita de posição, seus braços se abrem e rapidamente se fecham, como se ele estivesse tentando se agarrar à mãe. Esse reflexo é chamado Moro ou reflexo do susto. Acredita-se que esse e outros reflexos sejam remanescentes da evolução de nossos ancestrais.

http://saude.hsw.uol.com.br/compreendendo-como-as-criancas-amadurecem2.htm

Um Belo Sorriso
O primeiro sorriso de um bebê enche de alegria e orgulho toda mamãe e papai, mesmo quando na realidade se trata de um pré-sorriso: uma espécie de reflexo que ele pode demonstrar nas primeiras semanas de vida mas que ainda não tem o significado de um sorriso. Quase sempre, se manifesta em resposta a um som, uma voz, ou simplesmente para demonstrar satisfação ao fim da mamada. Um sorriso mais genérico chega no final do primeiro mês de vida, quando o bebê começa a elaborar a expressividade. Mas, por mais que seja um sorriso aberto e comova os pais e avós, é somente um aceno de saudação à visão de um vulto familiar. Para o sorriso consciente, que é aquele que o bebê presenteia somente a quem quer e com uma intensão bem definida, é preciso esperar ainda um pouco mais. Em geral por volta do terceiro mês de vida, o bebê começa a entender os instrumentos de que dispõe para se "fazer entender": aprendeu que se gritar por fome ou porque se sente sujo, alguém virá rapidamente, se chora por se sentir só a mamãe chega logo logo para pegá-lo no colo, e se quer demonstrar satisfação por algo de belo que tenha visto (quase sempre o rosto da mãe) sorri confiante em resposta. Uma dica importante: neste período o bebê frequentemente sorri também por imitação. Por isso, sorria bastante para seu filho, como verdadeiras demonstrações de alegria, pois muito provavelmente ele crescerá mais alegre e extrovertido.

http://www.clubedobebe.com.br/Manual%20Primeiros%20Anos/osprimeirostresmeses.htm

Sorrir, rir e outras expressões de rosto servem para a crianças comunicarem com os que estão ao seu redor. O sorriso, depois do choro, é percebido pelos pais como o primeiro comportamento social do bebé e, ingenuamente, acreditam que o seu recém-nascido está a sorrir para eles. No entanto, os bebés não o fazem até completarem um mês de vida, aí sim esboçam um autêntico sorriso. Mas, o que é que lhes provoca essa aparente felicidade? Tudo o que chama a atenção dos bebés os alegra. Sorriem quando vêem uma cara, quando estão a mamar, a descobrir ruídos, as imagens, o movimento, etc.

O primeiro sorriso antes de nascer

Os pais são unânimes neste aspecto: todos se lembram do primeiro sorriso dos seus bebés. Mas devemos remontar à barriga da mãe para falar da primeira vez que as crianças sorriem. Os últimos avanços tecnológicos permitiram que vários especialistas comprovassem que os bebés, quando se encontram no útero das mães, têm expressões faciais, como o sorriso, o que se explica como um acto reflexo na sua preparação para o nascimento. O recém-nascido mantém este hábito enquanto está a dormir. Esta primeira forma de movimentar os lábios parece estar relacionada com as sensações internas e com a actividade do sistema nervoso central. Trata-se de uma careta inata e espontânea provocada por uma sensação de bem-estar.

Depois da segunda semana, os bebés reagem à voz, que lhes ocasiona o sorriso. A partir do segundo mês, o sorriso aumenta e é acompanhado de um leve esticamento dos lábios.

Entre o primeiro e o segundo mês de vida o verdadeiro sorriso desperta e já se pode considerar uma autêntica expressão social. Para além disso, o bebé já percebe as reacções que este gesto provoca nos outros.

A partir dos 4-5 meses passam do sorriso às risadas. O bebé passa a rir-se de coisas que antigamente não gostava e que até chegavam a assustá-lo. A imaginação e a fantasia do próprio bebé também ajudam a provocar uma reacção de risota: o bebé diverte-se pelo simples facto de converter um objecto comum como uma colher num jogo que funciona como um avião que vai até à sua boca.

As risadas depois dos sete meses

O riso é considerado como uma prolongação do sorriso. São expressões emocionais, tanto pela sua forma como pelos estímulos que as provocam. Rir é uma emoção muito intensa. É fundamental para o desenvolvimento afectivo da criança e indispensável para consolidar a sua relação com a mãe e o pai.

O riso de satisfação não se produz antes dos 7-8 meses. O bebé já se ri de alegria e começa a apreciar as primeiras recompensas afectivas dos seus esforços.

Com um ano começa a compreender como funciona o mundo que o rodeia e são muitas as coisas que o divertem, especialmente todo aquilo que é inesperado ou que não é normal: que o pai coloque um chapéu, ponha a chucha na boca, etc.

As grandes gargalhadas e risadas incontroláveis produzem-se por volta dos 4 anos e juntamente com a aprendizagem da linguagem e da compreensão de histórias mais complexas.

Experimente o jogo do espelho!

Num quarto coloque um grande espelho. Fixe o espelho ao chão e coloque-o ao nível da criança. O interesse pelo seu próprio reflexo começa a partir do primeiro mês: o bebé vai observar com gestos de felicidade os jogos de luz reflectidos no vidro.

Aos 4 meses o bebé gesticulará rindo-se, embora sem saber que a imagem que vê é a sua. Mas vai divertir-se ao pensar que tem um companheiro de jogos.

Por volta dos 7-8 meses brincará em frente ao seu reflexo. Embora pense que o seu reflexo é outro bebé que se move ao mesmo tempo que ele, fará muitas caras divertidas que significam que a pouco e pouco vai tomando consciência de que se trata dele mesmo.

Perto dos 12-18 meses descobre a semelhança entre os seus movimentos e os do espelho. Brinca com as mãos e aproxima-se da imagem. Tenta tocar no espelho para ver o que é que está por detrás, isto para “apanhar” o amigo que está no espelho. Um beijo no espelho é a prova definitiva que de o bebé descobriu que se trata da sua imagem.

Cumpridos os dois anos irá perdendo o interesse pelo mistério do espelho e prefere companheiros de jogos reais, de carne e osso. Afinal, é muito mais prático!

O que diverte um bebé?

As carícias

O movimento

Os jogos de mãos

As vozes que reconhece

Coisas insólitas: que o pai ou a mãe façam de bebé

Balançar sobre os pés dos pais

As imitações de sons, etc.

http://www.todopapas.com.pt/bebe/psicologiao-do-bebe/do-que-se-riem-os-bebes-1959

Deixe um comentário »

A presunção do patife

Leia o texto original aqui.

 

Se você tem um pouquinho mais de idade, deve se lembrar como os mocinhos e bandidos se xingavam nos filmes de bang-bang nas décadas de 70 e 80, assistidos nos principais canais do Brasil: “Patife!”. “Patife” só competia em ocorrências com “bastardo”. Eu ficava me perguntando por que os americanos se chamavam tanto de “patife”, até porque eu não sabia o que era isso… E mal sabia eu que eles, na verdade, já falavam outras coisas nos filmes daquela época, mas que eram os tradutores brasileiros do período da ditadura militar que eram obrigados transformar todo tipo de agressões em “meras patifarias” para não ferir os bons costumes das famílias brasileiras e os nobres ideais do Regime… Mas, isso é outra história… “Patife” é um vocábulo pouco usado no Brasil de hoje, tem cara de “coisa de velho” e parece que ficou para a história como uma espécie de xingamento mesmo. Mas, na verdade, a palavra descreve um tipo de comportamento e, mais do que uma ofensa, uma agressão, ela é bem descritiva. Neste artigo, a palavra aparece como uma “metáfora psicológica”, como aquelas que Freud usou para falar de “Édipo”, “Electra” ou “Narciso”.

 

Por definição de dicionário, patife é um sujeito que mistura um pouco de canalha (sujeito sem princípios morais rígidos) e um pouco de embusteiro (sujeito que se dedica a enganar os outros) a boa certa dose de covardia. É uma figura que engana os outros, mente compulsivamente, vive um mundo de fantasia, nega tudo sempre, sempre tem razão nas coisas e, por fim, não tem coragem de assumir a própria condição. Mas, é também – e justamente pelo que apronta – uma figura apalhaçada e tosca, a quem não se dá muito crédito logo que se conhece um pouco mais. A figura do patife é, quase sempre, notória. Ao mesmo tempo em que se acha esperta, é tonta; ao mesmo tempo em se se acha manipuladora, mal consegue lidar com os próprios problemas. É uma pessoa complexa e problemática. Mas, o que interessa, sobremodo, é compreender que, se existem patifes por defeito de caráter, também existem muitos patifes com problemas psicológicos. E é destes, em especial, que quero tratar aqui. Vamos partir do princípio:

 

A necessidade de sentir-se aceito é uma das mais fortes no ser humano. Saber que se é amado e reconhecido é algo imperativo em nossas vidas. O contrário é tratado como uma patologia psicológica. Ninguém gosta de ser jogado de escanteio, desprezado, desconsiderado e, por isso mesmo, dispendemos grande parte de nossa energia tentando fazer coisas que agradem as pessoas. Por isso, procuramos, com tanto ardor, adotar os padrões do grupo no qual queremos ser aceitos e reconhecidos: se todo mundo ali é cheiroso, ficamos cheirosos; se todo mundo é fedorento, ficamos fedorentos.

 

Porém, em ambientes educacionais, com escolas e universidades, essa necessidade de aceitação se agrava e passa a patamares muito perigosos em função dos elevados níveis de pressão que professores e alunos sofrem nesse ambiente. Professores são pessoas públicas, expostas o tempo todo, sob permanente julgamento. Eles têm necessidade de se sentir competentes, pois isso é lhes cobrado diariamente como condição para a aceitação. Essa “certeza de competência”, para a maioria dos professores, vem de fora pra dentro, vem pelo reconhecimento da comunidade, por um elogio, por uma menção honrosa qualquer. A pressão social e psicológica que se exerce sobre um professor em razão de sua necessidade de competência é inacreditável! Nos ambientes universitários, essa pressão se multiplica por dez, na medida em que, além de competente nas aulas, o docente precisa produzir quase que compulsivamente pra demonstrar competência. Ele tem que passar por constantes avaliações que o submetem à humilhação de ficar prestando contas de sua vida, de seu tempo, de sua produção, sem o que sequer consegue uma progressão funcional. Ser produtivo como a academia quer, porém, nem sempre é possível: nem todos nasceram para ser escritores, palestrantes, máquinas de trabalho científico. O ritmo de alguns é mais lento, embora façam coisas importantes, alguns não são bons retóricos, outros não são tão performáticos, mas ninguém quer saber disso. Da mesma forma, os alunos recebem muita pressão dos professores e, mais ainda, dos colegas de classe, em razão de sua produtividade na sala. Eles precisam ser bons. Não ser “inteligente”, nesses ambientes, significa estar em segundo plano, não ser aceito, ter que aguentar constantes humilhações.

 

Quando essa pressão brutal e impiedosa recai sobre uma pessoa com qualquer desequilíbrio emocional, a coisa começa a complicar. Se a pessoa tem uma propensão à depressão, tem baixa autoestima, normalmente, ela se transforma em uma “ostra”, se tranca pra vida ou desiste de tudo e, não raro, curte uma depressão infernal que pode levá-la à morte (ou a provocar a própria morte, o que não é incomum). Porém, se essa pressão recai sobre uma pessoa egocêntrica, aquela em que a autoestima parece exceder em muito a realidade pessoal, a coisa complica não só pra ela, mas pra todo mundo. É dessa figura que vou tratar mais detalhadamente aqui, porque é ela uma das que mais infernam os ambientes de trabalho.

 

A necessidade de um egocêntrico de tomar parte ativa do mundo como alguém que se destaca sempre, sua necessidade de ser o centro das atenções em qualquer situação, somada à pressão por ser “inteligente” e mostrar isso produzindo coisas, é uma base muito propícia pra se desenvolver uma psicopatia de relacionamento. Muitas vezes, isso ainda se soma a problemas históricos adicionais como uma desilusão amorosa, uma dificuldade acentuada em algum tipo de realização em especial (como publicar escritos, por exemplo), uma insatisfação com a própria condição física (obesidade ou magreza excessivas, insatisfação com a estatura, defeitos físicos congênitos ou adquiridos, considerar-se feio, etc.), problemas de identidade sexual, insatisfação com o salário, o cargo ou a instituição em que trabalha (por exemplo, trabalha em uma escola de periferia, mas queria trabalhar em uma escola “famosa”, é professor, mas queria ser diretor). Essa soma de egocentrismo + pressão social + problemas emocionais adicionais é uma equação que tem o poder de gerar uma figura bem conhecida nos ambientes educacionais, que eu chamo aqui, metaforicamente, de “patife” ou “psico-patife”. E isso não é um xingamento de bang-bang: é que, por incrível que pareça, essa é a palavra que melhor descreve o comportamento dessas pessoas. Alguns dos traços comportamentais desse tipo de figura são bem conhecidos:

 

  1. a.       em primeiro lugar, seu traço mais significativo e fácil de identificar é que ela cuida da vida de todo mundo, vigia todo mundo, quer saber o que todo mundo faz, mas porque gosta de se achar uma pessoa esperta e manipuladora. Por isso, gosta tanto de conversas à boca pequena, dos cantinhos, das fofocas mais quentes. Por isso, também, sempre tem um sorriso fácil no rosto, uma piadinha na manga da camisa ou um elogio barato pra disparar. É como ela consegue angariar a simpatia fácil dos demais. Isso a faz sentir-se importante, faz com que ela se sinta maior do que realmente é, dá a ela uma sensação de segurança emocional que sua condição real não lhe proporciona;
  2. b.      como vive muito ocupada com a vida dos outros, essa figura é, geralmente, muito improdutiva, pois não lhe sobra tempo para fazer o que deveria. Soma-se a isso que ela sente necessidade de estar em todos os lugares possíveis ao mesmo tempo, pra poder vigiar e, assim, acreditar que ela é que está influenciando todas as decisões (lembre-se: ela se considera uma ardilosa manipuladora de vidas). Por isso, ela quer fazer parte de tudo, de todas as comissões, de tomar assento em todos os conselhos, de participar de todas as deliberações. Luta pra ter seu nome inserido em tudo, adora ver seu nome publicado em portarias e diários oficiais mas, quase sempre, não faz nada. Gosta, na verdade, de trabalhar com as mãos alheias. Sempre que pode, empurra seu trabalho pra outro fazer, embora vá dizer, depois, que foi ela quem fez tudo;
  3. c.       toda vez que é confrontada, se torna agressiva e assume uma postura de “cristo”. Com a mesma facilidade com que quer tomar conta de tudo, larga tudo pra trás e “abre mão de seus direitos” pelo “bem da nação”, desde que – é claro – consiga sair da situação como vítima. Ama se fazer de ofendida, porque essa é uma óbvia maneira de chamar atenção e angariar votos de piedade em seu favor, o que, aos seus olhos, a engrandece moralmente diante dos outros. Nesse sentido, tal figura é mesmo o retrato fiel de um patife (enganador, cínico e covarde), que nos irrita muito e causa sérios problemas no ambiente de trabalho. Mas, é justamente aqui que temos que ter mais  discernimento pra ver se esse comportamento é causado por problema moral  – o que faria dessa pessoa alguém “ruim”, digna de condenação – ou se é uma psicopatia – o que demandaria tratamento psicológico adequado;
  4. d.      além disso, essa figura vive aumentando o que é e o que faz. Sente uma necessidade doentia de falar de si, de suas realizações e de seus amigos importantes (sim, ele sempre tem amigos muuuuuito importantes…). Se publica um livro comum, desses de 50 páginas – que pode até ser bom, afinal – faz parecer que publicou a versão atualizada da enciclopédia britânica; se participa de uma reunião corriqueira, precisa de dois dias para descansar do desgaste emocional que sofreu pra salvar o mundo na ocasião; vive sempre falando que é uma pessoa muuuuuuuito ocupada, que não tem tempo para nada. Mas, na realidade, ninguém sabe em que ela está tão ocupada, fazendo o quê… porque ela não produz nada! Se lhe dão qualquer tarefa corriqueira, pode até fazer, mas passa o resto do mês contando pra todo mundo o trabalhão que deu! Na verdade, essa atitude decorre da necessidade de chamar a atenção para si. Num caso desse, se diagnosticado um problema psicológico, isso deve ser compreendido mais como uma carência do que como um defeito moral;
  5. e.       finalmente, vem a característica que define o título do artigo: a presunção do patife. Como essa figura se acha o centro do mundo, ela também tem a presunção de que todas as demais pessoas do ambiente de trabalho a consideram da mesma forma. Na cabeça dela, todo mundo está sempre olhando pra ela, falando dela, se preocupando com ela. Se você diz: “O dia está quente…”, ela já acha que é com ela; se você diz “A privada da minha casa entupiu…”, ela já pensa que isso é uma forma disfarçada e covarde de falar dela; se você escreve uma carta pra sua vó, a pessoa com esse tipo de problema já pensa que é pra falar dela. Há uma presunção de centralidade que tem, como efeito colateral, a necessidade de vigiar os outros pra interpretar suas atitudes e verificar de que forma elas “ameaçam” as fantasias do patife. Como resposta às maluquices que essas pessoas enxergam nas atitudes alheias, elas não hesitam em inventar coisas, mentir, manipular, torcer palavras, criar problemas fictícios, boatos, factoides, sempre na busca de tirar benefícios e tudo mais que a gente conhece tão bem. Por exemplo, imaginemos que uma pessoa assim quer se aproximar de você (pra tirar alguma vantagem, é claro) e, por qualquer razão, ela acha que você não vai aceitá-la. Sem nenhuma dor de consciência, ela inventa que “alguém disse que você na gosta dela” ou que “alguém disse que ela não gosta de você”. Depois, vem com cara de boa criança dizer que te ama, que acredita em você, que você é legal e que as pessoas que inventam essas conversas são infelizes desocupadas, mas que “ela vai te proteger desse mal”. Ou seja, o patife inventa, ele mesmo desmente, ele mesmo atribui o feito a outra pessoa (que nem existe, mas que ele sabe quem é e só não te conta por questões éticas) e ele mesmo conserta tudo só pra que você perceba como ele é bom, íntegro, importante na sua vida.

 

Pessoas assim dão um trabalho danado no ambiente de trabalho. São uma fonte incansável de problemas. Se não forem identificadas e compreendidas, elas podem colocar a perder todo um grupo, podem destruir um projeto, até uma instituição. O problema é que sua esperteza doentia, não raramente, passa despercebida, considerada apenas um “mau hábito”. Não é incomum que pessoas assim, em função de suas peculiaridades, coloquem abaixo toda uma escola ou toda uma universidade. Nesses anos todos de educação, já assisti isso algumas vezes, e você, leitor, também já deve ter visto isso acontecer. Acompanhei um caso em que uma instituição educacional pública com cerca de 1300 pessoas quase se acabou, e chegou a sofrer uma intervenção, por conta de uma pessoa assim – isso mesmo: uma única pessoa! Em outro caso, um professor com esse problema levou quase todo o corpo docente de uma escola estadual a parar na polícia. Em um terceiro caso, também de uma escola pública, houve uma revolta de alunos contra a direção e todos os outros professores, que custou duas semanas de aulas. E isso, sendo que apenas o patife estava dos alunos e do “lado do bem”. Isso pra lembrar apenas três casos… O poder de destruição de um “psicopatife” é incalculável!

 

Por isso tudo, convém ficar esperto quando lidamos com essas patifarias doentias. Identificar essas figuras e ser capaz de isolar os efeitos de suas atitudes no ambiente de trabalho pode ser o fiel da balança entre o sucesso e o insucesso de um grupo. Encaminhar essa pessoa a tratamento psicológico adequado nem sempre é fácil, mas é necessário. Digo sempre que não entendo por que escolas e universidades têm psicólogos para atender alunos, mas não os têm para os professores e demais funcionários. O fato de ser professor não implica que a pessoa não precise de ajuda.

 

Muitas vezes, tratando o psicopatife e o tornando capaz de controlar essa junção de fatores que se associam a uma personalidade egocêntrica, descobrimos o quão capazes de produzir e conviver podem ser os autores dessas patifarias todas. Afinal, se tais pessoas não fossem capazes e inteligentes, como conseguiriam causar tanto estrago no grupo de trabalho?

Deixe um comentário »

Verde “combina” com azul?

Uma compilação de textos da web, em diferentes contextos, sobre o azul e o verde.

Combinar, no caso da decoração, é usado de uma forma imprecisa. Seria melhor pensar em harmonizar. Claro que você não precisa sair por aí falando “Será que isto vai harmonizar com aquilo?”
A questão é do conceito e não da palavra.

A harmonia é algo fácil de aplicar: pense em agrupar.
Por exemplo: um grupo de cores frias é um grupo de cores que se harmonizam entre si. O verde harmoniza com o azul, que harmoniza com o lilás etc.
Outro exemplo: um grupo de cores pastéis. Nesse caso você não precisa agrupá-las pela temperatura, mas sim pela intensidade, porque as cores pastéis são todas apagadas, então você pode agrupá-las pelo princípio que todas são claras, portanto vão harmonizar entre si.

Para que você não fique com mais dúvidas do que as que já tinha quando começou a ler esta postagem, vamos aos exemplos práticos:
– A paisagem de uma praia, com o céu azul, o mar turquesa e um coqueiro verde. Isso é um exemplo de harmonia de cores frias. Todo mundo gosta.
Fácil, não é? Mas a harmonia não acontece somente entre cores frias, ela também acontece entre cores quentes. Veja mais um exemplo prático:

clip_image001

Sol

– A paisagem de um pôr-de-sol, o céu explodindo em amarelo e laranja com o sol vermelho roubando todas as atenções no horizonte, também é uma harmonia de cores. E de novo todo mundo gosta. As cores quentes, ao contrário do que muitos pensam, também formam uma harmonia entre si. Muita gente as confunde com contraste, que é outra história…

Agora vamos para dentro da casa e ver o que acontece.
Imagine uma parede verde. Vai combinar com um tapete azul escuro? Se a intenção for harmonizar, a resposta é sim, pois são cores frias. Se você ouvir um “mas verde não combina com azul…” substitua por “mas eu não gosto de verde com azul…”.
Sim, a maioria das vezes é uma questão de gosto e não de harmonia.

Existem muitas maneiras de você fazer grupos e acabar de vez com a sua eterna dúvida do “será que vai combinar?”
E só uma questão de praticar, aprendendo a visualizar mentalmente e, o mais importante de tudo, ter segurança.
É válido pedir opinião, mas nunca deixe que decidam por você.

Fonte: http://decorandotudo.com.br/2008/10/ser-que-combina/

Verde e azul: use esta combinação tranquila em salas e quartos

Cor da natureza por excelência, o verde transmite esperança, alegria e fertilidade. Já o azul traz paz de espírito e tranquilidade. Com intensidades diferentes, as duas cores tingem paredes, acessórios, tapetes e móveis, provocando efeitos inspiradores. Para uma atmosfera vibrante, basta mesclá-los ao pink e ao laranja.

Fonte: http://casa.abril.com.br/materias/pintura/verde-azul-use-esta-combinacao-tranquila-salas-quartos-533420.shtml

Combinando cores – Técnicas e dicas rápidas

Combinações de cores são muito mais do apenas a junção de vermelho e azul ou amarelo e preto. São comunicações não-verbais. As cores têm simbolismo e significados que vão além de luz e pigmentos. Como designer é imprescindível entender como os olhos e a mente percebem certas cores e os significados associados a cada uma delas.

É fundamental entender que a cor está muito além de beleza e harmonia, algumas vezes elas são capazes de despertar reações físicas, o vermelho, por exemplo, acredita-se ter a capacidade de elevar a pressão arterial, outras vezes a reação é cultural como é o caso do branco que no ocidente é usado em casamentos e em algumas culturas Orientais é a cor para enterros.

Além disso também existem as tendências. O verde-abacate e suas variações é sinônimo das décadas de 60s e 70s nas mentes de alguns consumidores.

Outra coisa que ajuda muito quem trabalha com mistura das cores em qualquer área é saber definir o que são cores adjacentes ou complementares.

Cores adjacentes

São as cores vizinhas no disco cromático como laranja e amarelo ou azul e violeta. Essa combinação acontece porque a cor secundária situada ao lado da cor primária tem uma pequena quantidade da sua cor vizinha (amarelo + vermelho= laranja. O laranja é a cor secundária e contém uma parte da cor primaria amarela em sua composição, por isso elas combinam).

Cores Complementáres

São as cores opostas no disco ou separadas por uma outra cor e também são chamadas de cores contrastantes. Quando mais distante uma da outra, mais contraste ela apresenta. Por exemplo: Azul e laranja são contrastantes, mas Azul e Amarelo tem um contraste ainda maior.

Algumas combinações de cores:

Calmantes

Cores calmantes são normalmente cores frias, elas tendem a ter um efeito tranqüilo e suave. Por um lado são cores impessoais por outro confortam e nutrem. Azul, verde, branco e cinza são bons exemplos de cores calmantes.

clip_image002www.refreshjacksonville.org: Na natureza o azul representa a água, o verde a vida das plantas. Combine azuis e verdes para uma paleta de cor com toque natural e aspectos aquoso que remetem a qualidade de vida (ja falei sobre isso aqui: o nome certo é techno nature).

clip_image003www.roadshowadvertising.com: Você pode aquecer uma paleta de cores fria com o acréscimo de uma cor quente, como vermelho ou laranja. Se quiser aquecer uma paleta fria sem fugir dos tons de azul, utilize um tom mais intenso com um toque de vermelho (mas não violeta nem escuro demais)

Cores frias tem um destaque menor do que as cores quentes e se você acrescenta uma cor quente tem que lembrar que ela tende a atrair toda a atenção, por isso muito cuidado, principalmente se optar pelo vermelho.

Empolgantes

clip_image004São cores quentes que aparentam movimento. O calor do vermelho, do amarelo ou do laranja podem podem transmitir alegria, juventude ou até mesmo raiva. Cores quentes trazem sentimentos que vão do otimismo à violência.

Na natureza as cores quentes representam mudanças, mudar de estações ou a erupção de um vulcão.

clip_image005Um toque de cor fria pode ajudar a reduzir a intensidade das emoções de uma paleta de cores quentes, e uma cor quente num tom mais claro como um rosa, um amarelo ou um pêssego, por exemplo, pode empalidecer.

clip_image006Cores quentes sempre são percebidas mais rapidamente do que as cores frias e parecem ocupar uma porcentagem maior da peça ainda que usado em áreas de tamanho igual. O vermelho normalmente vai parecer dominar um espaço maior que o azul, por exemplo, mesmo se usado em quantidades iguais. Cores quentes parecem sempre aproximar-se enquanto as cores frias parecem mais distantes do que são realmente.

Variáveis

clip_image007São cores que possuem atributos de ambas as cores: quentes e frias, elas podem acalmar ou animar de acordo com o contexto e as combinações onde são utilizadas. São normalmente derivadas da mistura de uma cor quente e uma cor fria como o Violeta (Azul + vermelho) ou o Verde (azul + amarelo)

clip_image008Uma mistura de azul e vermelho criam tanto fundos de violeta intenso quanto tons de lavanda com a capacidade de empalidecer. Sombras de verde com um toque turquesa ou chá podem aquecer (se a base mais forte for o amarelo) ou esfriar se for o azul. Alguns tons de creme e bege evocam ao mesmo tempo frio e calor.

Unificadoras

Cores como preto, branco, cinza, e marrom são perfeitas para fundos, servem para unificar paletas de diversas cores, e também são freqüentemente (e muito bem) usadas como cor base de um projeto. Cores neutras ajudam a dar foco em outras cores ou moderar aquelas que contrariamente dominam. Até certo ponto, o preto, o dourado, o bronze e alguns tons de beges são consideradas quente. Enquanto branco, marfim, prata, e cinza são cores frias. Mas estes atributos quentes e frios são flexíveis e mais sutis do que nos casos de azuis e vermelho, por exemplo.

Fonte: http://www.danielevsilva.com.br/combinando-cores/

Verde & azul combinam perfeitamente. Podem usar

Posted by Aninha Camelo on maio 31st, 2010

clip_image009

Mimoso

clip_image010

Detalhe dos sapatos

Eu sempre amei azul com verde. É uma bela combinação. Veja a prova do que eu tô falando nos cliques do thesfstyle.com, que sugerem um conjuntinho bem comportado, com sainha justa e abertura na parte de trás, com blusa de mangas três-quartos. O chapéu de palhinha ficou bárbaro, bem como os pisantes, que seguem as mesmas tonalidades.

Fonte: http://www.aninhacamelo.com.br/_/?p=12799

Deixe um comentário »

Poesia Matemática

Às folhas tantas
do livro matemático
um Quociente apaixonou-se
um dia
doidamente
por uma Incógnita.
Olhou-a com seu olhar inumerável
e viu-a do ápice à base
uma figura ímpar;
olhos rombóides, boca trapezóide,
corpo retangular, seios esferóides.
Fez de sua uma vida
paralela à dela
até que se encontraram
no infinito.
“Quem és tu?”, indagou ele
em ânsia radical.
“Sou a soma do quadrado dos catetos.
Mas pode me chamar de Hipotenusa.”
E de falarem descobriram que eram
(o que em aritmética corresponde
a almas irmãs)
primos entre si.
E assim se amaram
ao quadrado da velocidade da luz
numa sexta potenciação
traçando
ao sabor do momento
e da paixão
retas, curvas, círculos e linhas sinoidais
nos jardins da quarta dimensão.
Escandalizaram os ortodoxos das fórmulas euclidiana
e os exegetas do Universo Finito.
Romperam convenções newtonianas e pitagóricas.
E enfim resolveram se casar
constituir um lar,
mais que um lar,
um perpendicular.
Convidaram para padrinhos
o Poliedro e a Bissetriz.
E fizeram planos, equações e diagramas para o futuro
sonhando com uma felicidade
integral e diferencial.
E se casaram e tiveram uma secante e três cones
muito engraçadinhos.
E foram felizes
até aquele dia
em que tudo vira afinal
monotonia.
Foi então que surgiu
O Máximo Divisor Comum
freqüentador de círculos concêntricos,
viciosos.
Ofereceu-lhe, a ela,
uma grandeza absoluta
e reduziu-a a um denominador comum.
Ele, Quociente, percebeu
que com ela não formava mais um todo,
uma unidade.
Era o triângulo,
tanto chamado amoroso.
Desse problema ela era uma fração,
a mais ordinária.
Mas foi então que Einstein descobriu a Relatividade
e tudo que era espúrio passou a ser
moralidade
como aliás em qualquer
sociedade. 

Fonte: http://www.releituras.com/millor_poesia.asp

Deixe um comentário »

Memória

Entender
os mecanismos de funcionamento da memória humana constitui

um dos grandes desafios da ciência moderna. Já na
tentativa
de definição o tema mostra sua complexidade. Isso
porque o conceito de memória varia de acordo com a
especialidade
no qual será aplicado. No entanto, uma das definições
mais usadas é a de memória como capacidade de reter
e manipular informações adquiridas anteriormente.

Para
José Lino Bueno, professor do Departamento de Psicologia
e Educação da Universidade de São Paulo (USP)
de Ribeirão Preto, a memória é um conjunto
de procedimentos que permite manipular e compreender o
mundo, levando
em conta o contexto atual e as experiências individuais,
recriando
esse mundo por meio de ações da imaginação.

“O
que fica armazenado é um ‘sumário interpretativo’
de toda nossa experiência passada. A capacidade dos
neurônios
de se transformar, adaptando sua estrutura ao contexto
(plasticidade
neural), seria o suporte desse funcionamento da memória.”,

explica o pesquisador.

Essa
capacidade de memorização não é exclusiva
dos seres humanos. Pesquisas têm demonstrado a existência
de mecanimos de memória em animais como pombos e
chimpanzés.
Para Bueno, a realização de experimentos com primatas
pode ser útil para a compreensão de propriedades da
memória humana. Segundo ele, há semelhanças
que não podem ser ignoradas, mas não se sabe exatamente
quais os limites da capacidade de processamento dos
animais. “Sabe-se,
por exemplo, que chimpanzés e babuínos podem ser capazes
de usar mapas espaciais; o que se investiga, ainda, é até
onde vai a capacidade desses animais de processamento de
imagens
mais abstratas, simbólicas e não icônicas”.

O pesquisador
lembrou ainda que alguns estudos mostraram que pombos
podem armazenar
até 320 imagens de slides com 90% de acerto na
identificação
daquelas que foram arbitrariamente classificadas pelo
experimentador
como positivas ou negativas.

No
entato, os trabalhos sobre mecanismos de memória e
funciomento
do cérebro humano demonstram que a complexidade da memória

humana é muito maior do que de qualquer outro animal
estudado.

“Em humanos, o desempenho em atividades de memória está
muito mais sujeito à ativação de diferentes
funções mentais e cerebrais, o que o torna bastante
variável para o mesmo indivíduo e mais ainda de indivíduo
para indivíduo”. Segundo ele, o desempenho da memória
humana depende da combinação entre aspectos de maturação
nervosa, de contexto e da demanda atencional, emocional e
motivacional
da tarefa.

Tipos
de memórias

Apesar da existência de vários modelos explicativos
para o funcionamento da memória, uma das questões
que ainda intriga os pesquisadores é a relação
entre a memória de curta e a de longa duração.
Alguns defendem que a memória de curta duração
seria apenas o início do processo que levaria à formação
de uma memória de longa duração. No entanto,
a maioria dos resultados obtidos nas pesquisas sobre o
assunto tem
sinalizado para a existência desses dois mecanismos
distintos,
funcionando de forma independente, mesmo quando agem na
mesma estrutura
do cérebro.

Mais
importante que definições gerais, para entender a
memória humana é fundamental saber os processsos que
envolvem a aquisição, armazenamento e evocação
de cada tipo de memória. Para isso, o primeiro passo é
saber que não existe uma memória, mas sim vários
tipos de memória que se relacionam para formar “a memória”

que usamos no dia-a-dia.

As
classificações mais utilizadas para memórias
são estabelecidas de acordo com o tempo de duração,
função e conteúdo de cada uma delas. E, ao
contrário do que se pensa comumente, o processo de memória

não acontece apenas quando apreendemos algo novo
(arquivamos),
ou lembramos de algo (recuperamos). Há também a memória
de curto prazo ou memória de trabalho, que
alguns pesquisadores preferem não chamar de memória,
mas sim de central de gerenciamento.

A memória
de trabalho é usada, por exemplo, quando retemos um número

de telefone apenas por tempo suficiente para discarmos,
estamos
usando esse tipo de memória. Além da sua baixa capacidade
de retenção da informação – alguns segundos
ou no máximo poucos minutos – a memória de trabalho
é responsável por gerenciar nossa realidade. Ela determina

se a informação é útil para o organismo
e deve ser armazenada, se existem outras informações
semelhantes em nossos arquivos de memória e, por último,
se esta informação deve ser descartada quando já
existe ou não possui utilidade.

No
exemplo do número telefônico, como já conhecemos
a linguagem numérica e presumimos que aquela informação
não precisa ser memorizada, os mecanismos para formação
de arquivos de memória não são ativados e a
informação é “esquecida”. Então,
se não conseguimos completar a ligação, muito
provavelmente teremos que procurar o número novamente, já
que ele já foi esquecido. Na verdade nem chegou a formar
arquivos de memória.

As memórias referenciais também podem
ser classificadas de acordo com seu conteúdo
como declarativas episódicas, quando se

referem à lembrança de algo que assistimos
ou vivenciamos ou declarativas semânticas,

quando são referentes a noções
gerais adquiridas de forma indireta, como a
lembrança
de um livro que lemos. As principais áreas
responsáveis
pelas memórias episódicas e semânticas
são o hipocampo e o córtex entorrinal.

a memória de longo
prazo ou referencial

tem o processo de formação de arquivo e consolidação,
e pode durar de minutos e horas a meses e décadas (neste
último
caso são conhecidas também como memórias remotas).
São exemplos desse tipo de memória as nossas lembranças
da infância ou de conhecimentos que adquirimos na escola.

“Os sistemas
de curto e longo prazo de memória estão ligados,
transferindo
informações continuamente de um para outro. Quando
necessário, o conteúdo da memória de longo
prazo é transferido para o armazenamento da memória
de curto prazo. O sistema de curto prazo ou memória de
trabalho
recupera as memórias, tanto de curto quanto de longo
prazo”,
afirma Bueno.

As
memórias referentes a hábitos como andar de bicicleta,
saltar e soletrar são chamadas de proceduais ou de
procedimento
.
Estas podem ser explícitas, adquiridas com plena
consciência
ou implícitas, como a maioria das memórias
proceduais, adquiridas de maneira involuntária.

Memória
na psicanálise

Mas a memória tem sido estudada também sob um outro
ponto de vista, no qual o objeto de estudo não é o
que pode ser lembrado, mas sim, o contrário, o que não
é lembrado, e que está retido no inconsciente. Para
a teoria psicanalítica o mais importante é justamente
o que se gostaria de esquecer.

“A
memória para a psicanálise é um campo no qual
as significações feitas por alguém, a partir
das suas experiências vividas ou imaginadas, articulam-se
em uma linha de continuidade que pode estar interrompida
em alguns
pontos pela ação de certos processos defensivos”,
pontuou Ana Cecília Carvalho, professora no Departamento
de Psicologia da Universidade Federal de Minas Gerais.

Segundo
a psicanalista, muitas memórias ‘esquecidas’ estão
na verdade reprimidas no inconsciente por se tratarem de
lembranças
que trariam sofrimento para a pessoa. Em alguns momentos
conhecidos
como ‘lapsos de memória’, nos sonhos ou através de
um tratamento psicanalítico, quando essas memórias
seriam recuperadas e voltariam para o consciente.

“Quando
nos lembramos de algo, vem à tona apenas uma parte de uma
quantidade muito maior de elementos que provavelmente
estão
submetidos aos diferentes graus da censura que existe
entre o inconsciente
e a consciência. Assim, nem sempre ‘lembrar’ é o mesmo
que ‘ter consciência'”, esclarece a pesquisadora.

Na
opinião de Bueno também existiriam características
relacionadas à nossa qualifição e experimentação
individual, que influenciam na capacidade ou facilidade
com que
memorizamos as informações. “Parece que acontecimentos
conscientemente percebidos precisam assumir algum tipo de
dimensão
afetiva”.

No
entanto, os estudos sobre o grau de influência de
mecanismo
de repressão ou das emoções nos processos de
memória são ainda pouco conclusivos. No caso da repressão,

estudos apontam para o provável envolvimento de sistemas
corticais capazes de inibir a função de outras áreas
corticais ou do hipotálamo.

Fonte

Deixe um comentário »

Estudo de Morte e Vida Severina

Título,
Estrutura e Enredo

Dois procedimentos
chamam à atenção de imediato no título do livro.
A inversão do sintagma vida e morte e a adjetivação
do substantivo próprio Severino. Tais recursos poéticos colaboram
para realçar aspectos importantes na composição da
obra. Segundo Marta de Senna:

“Ao
inverter a ordem natural do sintagma “vida e morte”, o poeta registra com
precisão a qualidade da vida que seu poema visa a descrever: uma
vida a que a morte preside. E ambas, morte e vida, têm por determinante
o adjetivo “severina”. Igualam-se nisso de serem ambas pobres, parcas,
anônimas. O procedimento de adjetivação do substantivo
é recorrente na poesia de Cabral, e aqui adquire especial relevo
por estar em posição privilegiada, no título da peça.
Morte e Vida Severina, porque é Severino o protagonista,
que, desde a apresentação, insiste no caráter comum
de seu nome, antes um “a-nome” no contexto em que vive. De substantivo
próprio, “Severino” passa a ser comum; daí a ser adjetivo
é um passo. (…) Será interessante advertir que o uso de
“severino” como adjetivo no auto cabralino não é senão
a reversão da palavra à sua origem. Diminutivo de “severo”,
“severino” é originariamente um adjetivo. Daí, passou a ser
nome próprio, como ocorreu em tantos outros casos nas línguas
ocidentais: Augusto, Cândido, Cristiano, Pio, Clemente – para citar
apenas alguns exemplos. Ora, o que Cabral realiza é exatamente o
retorno do adjetivo ao adjetivo, sendo o novo enriquecido da carga semântica
de que foi alimentado durante o “estágio” substantivo próprio,
que, no caso específico, é o Severino anônimo do sertão
nordestino.”

É
importante acrescentar que, além de descrever uma vida presidida
pela morte, o título também demonstra o percurso feito por
Severino durante a peça. Sai da morte para alcançar a vida.
A estrutura geral da peça, ou sua macroestrutura, apresenta exatamente
este caminho.
Morte
e Vida Severina se divide em 18 cenas ou fragmentos poéticos,
todos precedidos por um título explicativo de seu conteúdo,
praticamente resumos do que encontramos nos poemas em si. Podemos separá-los
em dois grandes grupos.
As primeiras
12 cenas descrevem a peregrinação de Severino, seguindo o
rio Capibaribe, fugindo da morte que encontra por toda parte, até
a cidade do Recife, onde, para seu desespero, volta a encontrar apenas
a miséria e a morte. Trata-se do Caminho ou Fuga da Morte.
Nesta parte o poeta habilmente alterna monólogos de Severino a diálogos
que trava ou escuta no caminho.
As últimas
6 cenas apresentam O Presépio ou O Encontro com a Vida, em
que é descrito o nascimento do filho de José, mestre carpina,
em clara alusão ao nascimento de Jesus. A peça se encerra,
portanto, com uma apologia da vida, mesmo que seja severina. Toda esta
parte, com exceção do monólogo final do mestre carpina,
foi adaptada por João Cabral de Melo Neto dos Presépios
ou Pastoris do folclore pernambucano

Vejamos, através
dos títulos explicativos, como o enredo do drama se constrói:

I
– Caminho ou Fuga da Morte

1. (Monólogo) – O retirante
explica ao leitor quem é e a que vai.
2.(Diálogo) – Encontra dois
homens carregando um defunto numa rede, aos gritos de: “ó irmãos
das almas! irmãos das almas! não fui eu que matei não!”
3. (Monólogo) – O retirante
tem medo de se extraviar porque seu guia, o rio Capibaribe, cortou
com o verão.
4. (Diálogo) – Na casa a
que o retirante chega estão cantando excelências  para
um defunto, enquanto um homem, do lado de fora, vai parodiando as palavras
dos cantadores.
5. (Monólogo) – Cansado da
viagem o retirante pensa interrompê-la por uns instantes e procurar
trabalho ali onde se encontra.
6. (Diálogo) – Dirige-se
à mulher na janela que depois descobre tratar-se de quem se saberá.
7. (Monólogo) – O retirante
chega à Zona da Mata , que o faz pensar, outra vez, em interromper
a viagem.
8. (Diálogo) – Assiste ao
enterro de um trabalhador de eito e ouve o que dizem do morto os amigos
que o levaram ao cemitério.
9. (Monólogo) – O retirante
resolve apressar os passos para chegar logo ao Recife.
10. (Diálogo) – Chegando
ao Recife, o retirante senta-se para descansar ao pé de um muro
alto e caiado e ouve, sem ser notado, a conversa de dois coveiros.
11. (Monólogo) – O retirante
aproxima-se de um dos cais do Capibaribe.
12. (Diálogo) – Aproxima-se
do retirante o morador de um dos mocambos que existem entre o cais e a
água do rio.

II
– O Presépio ou O Encontro com a Vida

13. (Presépio) – Uma mulher,
da porta de onde saiu o homem, anuncia-lhe o que se verá.

14. (Presépio) – Aparecem
e se aproximam, da casa do homem, vizinhos, amigos,

duas ciganas, etc.

15. (Presépio) – Começam
a chegar pessoas trazendo presentes para o recém-nascido.

16. (Presépio) – Falam as
duas ciganas que haviam aparecido com os vizinhos.

17. (Presépio) – Falam os
vizinhos, amigos, pessoas que vieram com presentes, etc.

18. (Conclusão da Peça)
– O carpina fala com o retirante que esteve de fora, sem tomar parte em
nada.Fonte

Deixe um comentário »

Trecho de Morte e Vida Severina

E se somos Severinos
iguais em tudo na vida,
morremos de morte igual,
mesma morte severina:
que é a morte de que se morre
de velhice antes dos trinta,
de emboscada antes dos vinte
de fome um pouco por dia
(de fraqueza e de doença
é que a morte severina
ataca em qualquer idade,
e até gente não nascida).

Somos muitos Severinos
iguais em tudo e na sina:
a de abrandar estas pedras
suando-se muito em cima,
a de tentar despertar
terra sempre mais extinta,

a de querer arrancar
alguns roçado da cinza.
Mas, para que me conheçam
melhor Vossas Senhorias
e melhor possam seguir
a história de minha vida,
passo a ser o Severino
que em vossa presença emigra.

everino, retirante,
deixe agora que lhe diga:
eu não sei bem a resposta
da pergunta que fazia,
se não vale mais saltar
fora da ponte e da vida
nem conheço essa resposta,
se quer mesmo que lhe diga
é difícil defender,
só com palavras, a vida,
ainda mais quando ela é
esta que vê, severina
mas se responder não pude
à pergunta que fazia,
ela, a vida, a respondeu
com sua presença viva.

E não há melhor resposta
que o espetáculo da vida:
vê-la desfiar seu fio,
que também se chama vida,
ver a fábrica que ela mesma,
teimosamente, se fabrica,
vê-la brotar como há pouco
em nova vida explodida
mesmo quando é assim pequena
a explosão, como a ocorrida
como a de há pouco, franzina
mesmo quando é a explosão
de uma vida severina.Fonte

Deixe um comentário »

A mão do Táhbatah



O telescópio de raios X Chandra produziu esta imagem, batizada de “Um
jovem pulsar mostra suas garras”. Neste caso, um pulsar de 1700 anos de
idade produz uma nuvem de partículas de alta energia com aparência
fantasmagórica. Essa nuvem parece tentar agarrar as manchas luminosas
acima. Esses pequenos pontos brilhantes são regiões aquecidas pela
radiação emitida pelo pulsar mais abaixo.

Fonte

Um Pulsar é uma fonte de rádio estelar emissora de impulsos de duração média de 35 milésimos de segundo, e que se repetem em intervalos extremamente regulares da ordem de 1,4 aproximadamente. O nome “pulsar” é oriundo da expressão inglesa “Pulsating Radio Source” (Fonte de Rádio Pulsante). Os pulsares também são chamados de Estrelas de Nêutron, que é definido como uma estrela que entrou em colapso ao suportar uma degenerada pressão de nêutrons. A estrela de nêutron foi teoricamente prevista pelo físico soviético Lev Landau, em 1932, e estudada em detalhes pelos físicos J. Robert Oppenheimer, Robert Serber e George M. Volkoff, de 1938 a 1939. Durante muitos anos os astrônomos duvidaram de sua existência, até que, em 1967, foi descoberto o primeiro pulsar. Desde então, a teoria dos pulsares se desenvolveu tão rapidamente que parece virtualmente correto que os impulsos rádios e ópticos emitidos pelo pulsar tenham origem na própria energia proveniente de um estrela de nêutrons em rotação. Para confirmar tal hipótese, descobriu-se a existência de alguns pulsares no interior de supernovas remanescentes, como aquele registrado na nebulosa de Caranguejo. Esse foi um dos fortes elementos em favor da teoria de que os pulsares são na realidade estrelas de nêutron.

Fonte

 

1 Comentário »

Pilares da Criação


Conhecidas como ‘Pilares da
Criação’, essas colunas de gás e poeira, que ocupam a região central da
Nebulosa da Águia, a cerca de 7 mil anos-luz da Terra, são um dos mais
famosos berçários de estrelas conhecidos. No topo da coluna da
esquerda, o ponto azul representa uma jovem estrela de massa quatro a
cinco vezes a do Sol.


Imagem do Telescópio Espacial Hubble mostra “Os Pilares da Criação”, localizados na Nebulosa da Águia, um berçário de estrelas pertencente à Via Láctea a 7.000 anos-luz da Terra: O BERÇO DO SISTEMA SOLAR. É sempre com deslumbramento que sentimos quando temos à nossa frente os conhecidos Pilares da Criação.

A Nebulosa da Águia, M16, é um símbolo do nascimento. É um autêntico berçário estelar. A nebulosa a “dar à luz”
as estrelas jovens é a nota mais marcante que podemos apreciar nas
imagens do Hubble e na nossa minúscula imaginação. É também algo que
nos lembra que proviemos (indiretamente das nebulosas) de outras
similares.


As nebulosas originam as estrelas que por sua vez originaram os elementos químicos que nos compõem: somos realmente filhos de estrelas. São elas que fornecem os elementos químicos que compõem o sangue, os ossos, os olhos, os pés, e tudo o que nos rodeia é fruto da evolução das estrelas. A folha que cai, suave e lentamente no ar, ou um fio de cabelo que se solta de nossas cabeças resulta de uma “tarefa diária das estrelas” como bem dizia Walt Whitman.

Fonte


As grandes nuvens de poeira cósmica conhecidas como “Pilares da
Criação” foram destruídas por uma explosão estelar (supernova) próxima.
Os cientistas acreditam que os objetos, uma das mais famosas imagens
captadas pelo Telescópio Espacial Hubble, foram destruídos há seis mil
anos, mas só poderão ser observadas da Terra daqui a um milênio.


Isso porque os “Pilares da Criação”, que faziam parte de uma formação
estelar chamada de Nebulosa da Águia, estão distante sete mil anos-luz
da Terra. Segundo informações do jornal Folha de S.Paulo,
o físico Nicolas Flagey, do Instituto de Astrofísica Espacial da
França, identificou e mediu a temperatura da nuvem aquecida por trás da
nebulosa e associou-a a uma supernova.


Essa explosão estelar aconteceu há cerca de oito mil anos. Quando a
onda da supernova chegar até os “Pilares da Criação”, a poeira cósmica
será varrida para longe.

Fonte

 

Deixe um comentário »

O cérebro moral

O recente caso da menina de 9 anos,
estuprada pelo padrasto e que interrompeu a gravidez, comoveu o mundo.
Mas comoção maior veio depois das críticas e julgamento moral de grupos
religiosos contra médicos e familiares que consentiram com o aborto. O
episódio ilustra uma das questões filosóficas mais antigas e que está
sendo trabalhada pela neurociência: o que é certo e o que é errado?
Esse valor moral é particular dos humanos ou outros animais também o
possuem?

A questão da origem do valor moral intrigou grandes pensadores, e
basicamente três fontes foram cogitadas. Primeiro, o que é certo ou
errado tem origem em uma autoridade divina. Os seres humanos não
interferem nisso, apenas aceitam a opção da divindade. Segundo, o que a
origem estaria na razão, ou seja, seria através da troca de argumentos
que se chegaria a uma conclusão para cada caso. Por último, cogitou-se
que a origem da moral estaria na biologia de cada espécie, no seu
conjunto genético, mas passível de interações com o ambiente.

A primeira hipótese foi contestada por Sócrates, que se baseou no
fato de que culturas que vivem sem um “Deus”, ou entidade divina
definida, possuem valores morais. Da mesma forma, culturas politeístas
também possuem valores morais. Seu outro argumento foi a falta de se
conseguir identificar uma linguagem clara da divindade. Afinal,
diversas pessoas começavam a defender pontos de vista discrepantes
baseando-se apenas no fato de que era o mesmo “Deus” que havia assim
ordenado. Como saber quem fala a verdade e quem mente?

Já Aristóteles identificou os humanos como animais sociais e sugeriu
que a moral ajudaria a resolver conflitos sociais, trazendo uma
satisfação para os elementos envolvidos. Esse ponto foi muito bem
aproveitado por Darwin, que argumentou que a moral humana deveria ter
origem nos instintos sociais, nos hábitos e na razão. Pensando assim, o
isolamento social teria um custo alto para o indivíduo, da mesma forma
que a falta de confiança entre membros do grupo. Ou seja, indivíduos
que se ajustariam às redes sociais se dariam melhor na vida, deixando
mais descendentes.

O caso do vampiro pidão
Morcegos-vampiro costumam viver juntos, são animais altamente sociais.
À noite, saem em busca de sangue e voltam carregados para alimentar
seus filhotes. Os menos afortunados pedem sangue aos vizinhos, que têm
a opção de doar ou não um pouco do que conseguiram coletar. Aí vem o
fato curioso: ao negar alimento ao vizinho, o elemento é rapidamente
marcado e não receberá nenhuma ajuda futura de nenhum outro membro da
comunidade. Basta um curto período sem alimento e os indivíduos de toda
a família morrerão de fome, na presença indiferente de todo o resto.

O caso do roedor ricardão
Apenas 3% dos mamíferos são monogâmicos. Inclui-se aí uma espécie de
roedor que, quando encontra seu par, permanece fiel até que a morte os
separe. Machos membros de uma outra espécie, quase indistinguíveis
entre si, são exatamente o contrário e não conseguem ficar com a mesma
fêmea, estão sempre trocando de parceiras, sempre preferindo a novidade
quando a escolha é apresentada. A diferença entre essas duas espécie
está na ação de um único gene, o receptor do hormônio oxitocina.
Elevados níveis de oxitocina foram relacionados com um aumento de
confiança, redução da ansiedade e pressão sanguínea e redução dos
mecanismos de defesa. É justamente esse o hormônio liberado na
lactação, responsável por manter mãe e filho unidos. Assim, nos
roedores fiéis, a presença elevada dos receptores no cérebro elevam a
sensação de prazer ao se associar a uma fêmea única. Ao contrário dos
machos infiéis, cujas redes nervosas foram geneticamente criadas para
não se saciar nunca.

O caso do macaco descolado
O cultivo da confiança entre os membros de uma sociedade pode ser uma
qualidade em alguns primatas. Nas comunidades de babuínos, a
reciprocidade e a reputação contam muito para o estabelecimento de
redes sociais. Curiosamente, o sucesso social nesse caso está
diretamente relacionado com o sucesso reprodutivo.

O caso da cenoura americana
Mas no caso dos humanos tudo é mais complicado, pois alteramos
constantemente as forças seletivas “naturais” (veja coluna passada). Um
número grande de amigos no Orkut não necessariamente coloca você em
vantagem reprodutiva e pode até ser visto como algo negativo. As
sociedades humanas se organizam de formas distintas. Criamos
instituições e essas estão sempre a julgar os comportamentos sociais,
seja com base na vontade divina (mulheres acusadas de bruxaria já
tiveram que segurar uma barra de ferro quente, só Deus poderia intervir
e fazê-las suportar caso fossem inocentes), na vontade monárquica ou na
vontade de um júri popular.

Uma explicação para o surgimento de intuições desse tipo pode ser o
grande número de indivíduos nos agrupamentos humanos. E quanto maior o
grupo, mais difícil de selecionar novos membros. Estudos recentes de
comportamento humano e em outros primatas apontam para o valor
inconsciente dos gestos. A imitação dos pares parece ser crítica, pois
sugere um funcionamento normal do cérebro e eventual lealdade com o
grupo. Empresas americanas costumam perguntar em entrevistas de emprego
que tipo de vegetal você seria. Por mais louco que possa parecer, 90%
do inconsciente americano responde “cenoura”, de primeira. Respostas
próximas, de vegetais que lembrem cenouras, são aceitáveis, mas
respostas muito diferentes indicariam um desligamento social ou
ausência da capacidade de trabalhar em grupo. O candidato pode até ser
supercriativo e competente. Mas, se não veste a camisa do time, não
será contratado.

As regras sociais humanas também variam muito, mesmo dentro do mesmo
grupo social, algo não muito comum em outros animais. Crianças aprendem
desde cedo que mentir é ruim, mas conforme crescem e ampliam as redes
sociais, a mentira passa a ter um outro valor. Criou-se até o termo
“mentira branca” para mentiras que supostamente não causam danos. Na
complexidade das relações humanas, o julgamento moral também fica mais
complexo.

Voltando ao triste caso da menina: como deveríamos agir como
sociedade se fosse descoberto causas genéticas que justificassem o
comportamento do padrasto? O mesmo valeria para os padres acusados de
abuso de crianças? O que é pior: estupro ou aborto? Não acredito que a
ciência vá gerar respostas para essas questões. É função dos cientistas
gerar dados, mas a função da sociedade é decidir o que fazer com eles.
Costumo discutir sobre questões éticas com pessoas com que me relaciono
no dia-a-dia, desde o parceiro de trabalho ao motorista do ônibus. A
tentativa é ampliar o pouco espaço para a reflexão e pensamento crítico
nas redes sociais. Em geral, esse espaço é massacrado pelas respostas
enlatadas que vêm dos jornais ou das novelas.Fonte

 

Deixe um comentário »

Como o cérebro percebe o tempo

O ano de 2010 chegou como uma surpresa para muita gente. Quer dizer que os anos 90 já passaram? Uma década. Mesmo?

Pois é, passou rápido, como se tivéssemos adiantado o filme da vida.
Esse sentimento é, em geral, mais forte em dezembro e janeiro. É aí que
percebemos que não conseguimos realizar alguns de nossos objetivos para
o ano novo, os velhos hábitos continuam, aquela prometida viagem não
aconteceu. A academia, aqueles livros, ficaram para o próximo ano.

A sensação do tempo passando é relativa. Depende de uma série de
variáveis, incluindo como você lida com a situação. A verdade é que a
ciência ainda não tem uma resposta conclusiva sobre como isso ocorre em
nosso cérebro. Uma teoria sugere que existam algumas células nervosas
especializadas em contar intervalos de tempo. Outra sugere que existe
uma série de redes neuronais responsáveis por processos fisiológicos
que agiriam como um relógio interno.

De qualquer forma, ambas as teorias concordam que o cérebro não
consegue calibrar corretamente eventos que acontecem em intervalos de
tempo distantes entre si. Dados experimentais sugerem que o cérebro
interpreta o tempo passando mais rapidamente caso você esteja envolvido
em uma tarefa desafiadora, que requer mais de você. Estimulantes, como
a cafeína, tendem a induzir a sensação de que o tempo passa mais
rápido. Por outro lado, trabalhos complexos, mas enfadonhos, causam a
sensação de que o tempo se arrasta lentamente.

Além disso, eventos emocionais, como a morte de um parente querido,
parecem mais recentes do que realmente são. Às vezes, nosso cérebro
erra por meses, ou até anos. Segundo o filósofo Martin Heidegger, o
tempo persiste meramente como uma consequência de diversos eventos.
Parece óbvio, mas a ciência tem mostrado que o inverso também é
verdadeiro: se poucos eventos vêem à mente, então a percepção do tempo
não persiste. Ou seja, o cérebro subestima a passagem do tempo.

Experimentos feitos com estudantes universitários testaram a
habilidade do cérebro de estimar quando um determinado evento havia
realmente ocorrido. Foram usados exemplos populares do noticiário da TV
americana, como a morte de um artista famoso ou a renúncia de um
político. Em média, os estudantes subestimaram por três meses quanto
tempo havia passado desde o episódio real.

Esses dados não foram vistos como uma total surpresa. Num exemplo
clássico, o explorador Frances Michel Siffre viveu durante 2 meses
dentro de uma caverna, isolado do exterior e sem dicas de passagem do
tempo, como algum resquício da luz do dia. Ao final do período, estava
convencido de que havia ficado apenas 25 dias. Sem evidências externas,
o cérebro tende a condensar o tempo.

Interessante notar que a forma pela qual o cérebro fixa o tempo
relativo dos eventos é por meio da memória. Assim, quanto mais memórias
os estudantes do estudo acima tinham sobre determinado evento, menos
precisa ficava a estimativa do cérebro. É mesmo contraintuitivo: quando
mais memórias associadas sobre um determinado evento, mais longe parece
estar o evento original.

Se esse mecanismo é conservado entre as espécies, é possível que
alguns animais não sintam a passagem do tempo como nós, pois não têm o
mesmo tipo de memória de longo prazo. Ou seja, não têm consciência
temporal. Para um peixe-dourado, cuja memória dura alguns segundos, o
tempo não passa, só existe presente.

Essa mesma dinâmica pode explicar por que parece que os filhos dos
outros envelhecem mais rapidamente do que os nossos. Ora, os pais
acompanham cada resfriado, prova de escola e birra dos próprios filhos,
unindo uma série de memórias ou estímulos contínuos. Com os filhos dos
outros, o número de eventos associados a eles é reduzido.

Isso explica a sensação de aceleramento do tempo em janeiro.
Resoluções do ano passado que foram esquecidas representam apenas um
único estímulo de memória. Ao contrário, as resoluções que saíram do
papel e realmente entraram em prática serviram como estímulos
independentes, desacelerando o tempo. Enfim, se essa década de 90
passou rápido para você, talvez esteja na hora de parar de sonhar e
concretizar novos desafios.

 

Fonte

Deixe um comentário »

Enigma – Temos um saco com muitas moedas…..

Temos um saco com muitas moedas. Tirando-as de duas em duas, sobrará
uma moeda no saco.
Tirando-as de três em três, também sobrará uma
moeda.
E, assim por diante, até de doze em doze, sobrará uma moeda.

Somente quando tirarmos de treze em treze, o saco ficará vazio.
Qual é
o número mínimo de moedas no saco para que isso aconteça?

Solução:

Primeiro deve-se calcular o mínimo
múltiplo comum entre os números antecessores de 13, ou seja,
2,3,4,5,6,7,8,9,10,11 e 12.
Esse número é
27.720. 27.720 dividido por 13, dá 2.132 e sobram 4.
Se acrescentarmos
mais 1, vai sobrar 1 quando dividirmos pelos números de 1 a 12, mas vai
sobrar 5 quando dividirmos por 13.
É fácil adivinhar que o número que
for múltiplo de todos teria que ser de forma que quando dividido por
13, sobrasse 12,
porque quando acrescentarmos 1 ele ficará múltiplo de
13.
Voltemos ao número 27.720, o MMC. Ele é o múltiplo de todos. Mas quando
dividimos por 13 dá 4.
Queremos que dê 12. Ora, então é só
multiplicá-lo por 3, já que 3×4 dá 12. O número fica 3×27.720, que dá
83.160.
Ótimo! 83.160 é divisível pelos números de 1 a 12 e dividido por
13 dá 6.396 e sobra 12.
Basta acrescentar 1, e obtemos 83.161, que
dividido pelos números de 1 a 12 sobra esse 1, e com certeza é
divisível por 13 e dá 6.397.

Portanto a resposta é 83.161 moedas.

Deixe um comentário »

Sobre Jequitibás e eucaliptos… – Dia dos Professores

Educadores, onde estarão? Em que covas se terão escondido? Professores há aos milhares. Mas o professor é profissão, não é algo que se define por dentro, por amor. Educador, ao contrário, não é profissão; é vocação. E toda vocação nasce de um grande amor, de uma grande esperança.

Profissões e vocações são como plantas. Vicejam e florescem em nichos ecológicos, naquele conjunto precário de situações que as tornam possíveis e – quem sabe? – necessárias. Destruído esse habitat, a vida vai-se encolhendo, murchando, fica triste, mirra, entra para o fundo da terra, até sumir.E o educador? Que terá acontecido com ele? Existirá ainda o nicho ecológico que torna possível a sua existência? Resta-lhe algum espaço? Será que alguém lhe concede a palavra ou lhe dá ouvidos? Merecerá sobreviver? Tem alguma função social ou econômica a desempenhar? Uma vez cortada a floresta virgem, tudo muda. É bem verdade que é possível plantar eucaliptos, essa raça sem vergonha que cresce depressa, para substituir as velhas árvores seculares que ninguém viu nascer nem plantou. Para certos gostos, fica até mais bonito: todos enfileirados, em permanente posição de sentido, preparados para o corte. E para o lucro. Acima de tudo, vão-se os mistérios, as sombras não penetradas e desconhecidas, os silêncios, os lugares ainda não visitados. O espaço racionaliza- se sob a exigência da organização. Os ventos não mais serão cavalgados por espíritos misteriosos, porque todos eles só falarão de cifras, financiamentos e negócios.

Que me entendam a analogia. Pode ser que educadores sejam confundidos com professores, da mesma forma como se pode dizer: Jequitibá e Eucalipto, não é tudo árvore, madeira? No final, não dá tudo no mesmo?

Não, não dá tudo no mesmo, porque cada árvore é a revelação de um habitat, cada uma delas tem cidadania num mundo específico. A primeira, no mundo do mistério, a segunda, no mundo da organização, das instituições, das finanças.

Há árvores que têm personalidade e os antigos acreditavam mesmo que possuíam uma alma. É aquela árvore, diferente de todas, que sentiu coisas que ninguém mais sentiu. Há outras que são absolutamente idênticas umas às outras, que podem ser substituídas com rapidez e sem problemas. Eu diria que os educadores são como as velhas árvores: Possuem uma face, um nome, uma “história” a ser contada. Habitam um mundo em que o que vale é a relação que os liga aos alunos, sendo que cada aluno é uma “entidade” sui generis, portador de um nome, também de uma “história”, sofrendo tristezas e alimentando esperanças. E a educação é algo para acontecer nesse espaço invisível e denso, que se estabelece a dois: Espaço artesanal.

Mas professores são habitantes de um mundo diferente, onde o “educador” pouco importa, pois o que interessa é um “crédito” cultural que o aluno adquire numa disciplina identificada por uma sigla, sendo que, para fins institucionais, nenhuma diferença faz aquele que a ministra. Por isso professores são entidades “descartáveis”, da mesma forma como há canetas descartáveis, coadores de café descartáveis, copinhos de plástico para café descartáveis. De educadores para professores realizamos o mesmo salto que de pessoa para funções…

Não sei como preparar o educador. Talvez porque isso não seja nem necessário nem possível… É necessário acordá-lo.

E aí aprenderemos que educadores não se extinguiram como tropeiros e caixeiros. Porque, talvez, nem tropeiros nem caixeiro tenham desaparecido, mas permaneçam como memórias de um passado que está mais próximo do nosso futuro que o ontem. Basta que os chamemos do seu sono, por um ato de amor e coragem.

E talvez, acordados, repetirão o milagre da instauração de novos mundos.

(ALVES,Rubem. Sobre Jequitibás e Eucaliptos.in:Conversas com Quem Gosta de Ensinar)

Deixe um comentário »

Malinculia

Malinculia, Patrão
É um suspiro maguado
Qui nace no coração!
É o grito safucado
Duma sodade iscundida
Qui nos fala do passado
Sem se torná cunhicida!
É aquilo qui se sente
Sem pudê ispricá!
Qui fala dentro da gente
Mas qui não diz onde istá!
Malinculia é tristeza
Misturada cum paxão,
Vibrando na furtaleza
Das corda do coração!
Malinculia é qui nem
Um caminho bem diserto
Onde não passa ninguém…
Mas nem purisso, bem perto,
Uma voz misteriosa
Relata munto baxinho
Umas história sodosa,
Cheias de amô e carinho!
Seu moço, malinculia
É a luz isbranquiçada
Dos ano que se passô…
é ternura… é aligria…
É uma frô prefumada
Mudando sempre de cô!
Às vez ela vem na prece
Que a gente reza sozinho.
Otras vez ela aparece
No canto dum passarinho,
Numa lembrança apagada,
No romance dum amô,
Numa coisa já passada,
Num sonho que se afindô!
A tá da malinculia
Não tem casa onde morá…
Ela veve noite e dia
Os coração a rondá!
Não tem corpo, não tem arma,
Não é home nem muié…
E ninguém lhe bate parma
Pru caso de sê quem é!
Ela se isconde num bejo
Qui foi dado há muntos ano…
Malinculia é desejo,
É cinza de disingano,
Malinculia é amô,
Pulo tempo sipurtado,
Malinculia é a dô
Qui o home sofre calado
Quando lhe vem à lembrança
Passages da sua vida
Juras de amô…isperança…
Na mucidade culhida!
É tudo o que pode havê
Guardado num coração!
É uma histora que se lê
Sem forma de ispricação!
Pruquê inda vai nacê
O home, ou mermo a muié,
Capacitado a dizê
Malinculia o qui é!!!

Antonio Sales. Retirado do livro A Língua de Eulália, de Marcos Bago, página 197.

Deixe um comentário »

Linguagens X Pensamento

“__ … aí está a grande maravilha da linguagem, e também seu grande mistério, não é? Como é que as ideias se juntam dentro da cabeça da gente? Como é que o cérebro transforma as ideias em linguagem? E o que vem primeiro: o pensamento ou a linguagem? Como é que a linguagem aciona seus mecanismos, suas regras? E como é que essas regras realizam concretamente, nos sons da fala, aquilo que foi processado na mente?… São questões que intrigam até hoje os cientistas… O certo é que… o falante não vai ficar o tempo todo, antes de produzir seus enunciados, verificando as possibilidades de deslocamento de PARA MIM e o significado desse sintagma para depois avaliar se ele pode ou não vir antes do infinitivo. Esse tipo de análise é feito depois… O falante, porém, quer falar e pronto. Se uma determinada construção deu certo, funcionou, cumpriu sua missão num determinado enunciado, não há razão para que não funcione novamente em outros enunciados semelhantes.”

A Língua de Eulália, Marcos Bagno, página 187

Deixe um comentário »

Conversa de homem X Conversa de mulher

“Carlos Maria amava a conversação das mulheres, tanto quanto, em geral, aborrecia a dos homens. Achava os homens declamadores, grosseiros, cansativos, pesados, frívolos, chulos, triviais. As mulheres, ao contrário, não eram grosseiras, nem declamadoras, nem pesadas. A vaidade nelas ficava bem, e alguns defeitos não lhes iam mal; tinham, ao demais, a graça e a meiguice do sexo. Das mais insignificantes, pensava ele, há sempre alguma coisa que extrair. Quando as achava insípidas ou estúpidas, tinha para si que eram homens mal acabados.”
Quincas Borba, Machado de Assis.

Deixe um comentário »

Caronte e o Rio das Almas da novela América

Caronte (em grego, Χάρων — o brilho) era uma figura mitológica do mundo inferior grego (o Hades) que transportava os recém-mortos na sua barca através do Aqueronte, rio que delimitava a região infernal, até o local no Hades que lhes era destinado.

Era costume grego colocar uma moeda, chamada óbolo, sob a língua do cadáver, para pagar Caronte pela viagem. Se a alma não pudesse pagar ficaria forçosamente na margem do Aqueronte para toda a eternidade, e os gregos temiam que pudesse regressar para perturbar os vivos. Caronte era muitas vezes retratado com uma máscara de bronze na qual ocultava sua verdadeira face macabra que faria os recém-mortos repensarem em entrar na barca. Caronte recebeu esta tarefa após ter tentado roubar a caixa de Pandora,surpreendido por Zeus ele foi mandado para o Erebus onde deveria cumprir sua tarefa.

Deixe um comentário »

Vir ou não vir … eis a questão

“Agora analisemos os verbos apresentados como problemáticos – ter, pôr, vir e ver: Ontem eles tiveram, eles puseram, eles vieram e eles viram = pretérito perfeito do indicativo; Se ele tiver, se ele puser, se ele vier, se ele vir (“vir”, do verbo ver) = futuro do subjuntivo; se ele tivesse, se ele pusesse, se ele viesse, se ele visse = pretérito imperfeito do subjuntivo. O mesmo acontece com os derivados desses verbos: Se eu mantivesse, se eu detivesse, se eu propusesse, se eu compusesse, se eu interviesse, se eu proviesse, se eu previsse, se eu antevisse, quando eu detiver, quando eu retiver, quando eu intervier, quando eu provier, quando eu previr, quando eu antevir.

A terceira dificuldade, em relação a ver e vir, também é referente à conjugação, mas agora o problema são palavras semelhantes: vir, vimos…

“Vir” tanto pode ser o infinitivo do verbo vir quanto o futuro do subjuntivo do verbo ver: “Se você o vir (verbo ver), diga-lhe para vir (verbo vir) até aqui. O mesmo se sucede com todas as pessoas: “Se vocês os virem, digam-lhes para virem até aqui”.

“Vimos” tanto pode ser a primeira pessoa do plural do presente do indicativo do verbo vir quanto a primeira pessoa do plural do pretérito perfeito do indicativo do verbo ver: “Nós vimos aqui agora porque ontem nós vimos o que aconteceu com você”.

É isso aí. Qualquer hora voltaremos a discutir mais verbos.”

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/folha/fovest/terporvirver.shtml. Acessado em 03/09/2009 as 13:04

Deixe um comentário »

%d blogueiros gostam disto: