JotaPêAh!

Quem falou que eles não sorriem?

em 26/11/2011 15:54:42

O sorriso social
Os bebês não apenas sorriem mais, eles também sorriem socialmente. Eles sorriem mais para pessoas do que para objetos. O sorriso de seu bebê provavelmente reflete o fato de que rostos são objetos familiares e não que um processo social esteja realmente acontecendo. Apesar disso, quando você sorri para o seu bebê ele pode sorrir em resposta. Como todos os pais, você verá que não há nada como esses primeiros sorrisos para lhe fazer se apaixonar pelo seu bebê cada vez mais.

http://www.hsw.uol.com.br/compreendendo-como-as-criancas-amadurecem3.htm

Sorrisos especiais apenas para os pais começam a aparecer aos quatro meses. Um sorriso se espalha pelo rosto do seu bebê quando ele vê você mas não quando vê qualquer outra pessoa. Esse comportamento implica não apenas um reconhecimento a você, uma habilidade cognitiva, mas também um reconhecimento de que você é especial, uma habilidade social. Isso obviamente gera uma resposta emocional incrivelmente forte de sua parte e torna muito mais divertido para você estar e brincar com o seu bebê. Na verdade, pode ser difícil para você se afastar para realizar atividades domésticas ou voltar ao trabalho. Por outro lado, isso gera grandes benefícios ao bebê, oferecendo a ele dois amigos prontos para ensiná-lo o que ele precisa aprender.

Risada
Alguns bebês começam a rir mesmo antes de completarem quatro meses, alguns já com cinco semanas. A risada acontece cerca de um mês depois dos primeiros sorrisos. Um estímulo repentino e intenso (talvez de surpresa) pode fazer com que um bebê dê risada.
Mas você pode perceber que às vezes seu bebê não tem certeza se deve rir ou chorar. O riso parece ser uma emoção no limite do medo. Teorias sobre a risada sugerem que o bebê ri para objetos e acontecimentos que são quase compreensíveis a eles. Objetos e acontecimentos muito confusos, no entanto, fazem-nos chorar. Bebês de quatro a seis meses tendem a rir mais com um estímulo de toque (como cócegas) e quando você conversa com eles de um jeito bobo.
A risada do bebê ajuda a desenvolver um elo emocional entre vocês, tornando o seu papel muito divertido. Nós gostamos de ver bebês sorrindo, de forma que repetimos o que fizemos para fazê-los rir diversas vezes. Ao fazer isso, o seu bebê está aprendendo a adquirir algum controle sobre o ambiente onde está. Através da risada eles podem também aprender o tipo de efeito que exercem sobre outras pessoas.

http://saude.hsw.uol.com.br/compreendendo-como-as-criancas-amadurecem4.htm

Reflexos
Muitos dos reflexos dos recém-nascidos (padrões de comportamento instintivos) servem para assegurar proximidade física à mãe. Durante o primeiro exame do seu bebê, o médico pode demonstrar como a mão do bebê agarra firmemente seus dedos. Nos primeiros meses, esse aperto é tão forte que o bebê pode suportar quase o próprio peso. Quando um recém-nascido é assustado por um barulho muito alto ou uma mudança súbita de posição, seus braços se abrem e rapidamente se fecham, como se ele estivesse tentando se agarrar à mãe. Esse reflexo é chamado Moro ou reflexo do susto. Acredita-se que esse e outros reflexos sejam remanescentes da evolução de nossos ancestrais.

http://saude.hsw.uol.com.br/compreendendo-como-as-criancas-amadurecem2.htm

Um Belo Sorriso
O primeiro sorriso de um bebê enche de alegria e orgulho toda mamãe e papai, mesmo quando na realidade se trata de um pré-sorriso: uma espécie de reflexo que ele pode demonstrar nas primeiras semanas de vida mas que ainda não tem o significado de um sorriso. Quase sempre, se manifesta em resposta a um som, uma voz, ou simplesmente para demonstrar satisfação ao fim da mamada. Um sorriso mais genérico chega no final do primeiro mês de vida, quando o bebê começa a elaborar a expressividade. Mas, por mais que seja um sorriso aberto e comova os pais e avós, é somente um aceno de saudação à visão de um vulto familiar. Para o sorriso consciente, que é aquele que o bebê presenteia somente a quem quer e com uma intensão bem definida, é preciso esperar ainda um pouco mais. Em geral por volta do terceiro mês de vida, o bebê começa a entender os instrumentos de que dispõe para se "fazer entender": aprendeu que se gritar por fome ou porque se sente sujo, alguém virá rapidamente, se chora por se sentir só a mamãe chega logo logo para pegá-lo no colo, e se quer demonstrar satisfação por algo de belo que tenha visto (quase sempre o rosto da mãe) sorri confiante em resposta. Uma dica importante: neste período o bebê frequentemente sorri também por imitação. Por isso, sorria bastante para seu filho, como verdadeiras demonstrações de alegria, pois muito provavelmente ele crescerá mais alegre e extrovertido.

http://www.clubedobebe.com.br/Manual%20Primeiros%20Anos/osprimeirostresmeses.htm

Sorrir, rir e outras expressões de rosto servem para a crianças comunicarem com os que estão ao seu redor. O sorriso, depois do choro, é percebido pelos pais como o primeiro comportamento social do bebé e, ingenuamente, acreditam que o seu recém-nascido está a sorrir para eles. No entanto, os bebés não o fazem até completarem um mês de vida, aí sim esboçam um autêntico sorriso. Mas, o que é que lhes provoca essa aparente felicidade? Tudo o que chama a atenção dos bebés os alegra. Sorriem quando vêem uma cara, quando estão a mamar, a descobrir ruídos, as imagens, o movimento, etc.

O primeiro sorriso antes de nascer

Os pais são unânimes neste aspecto: todos se lembram do primeiro sorriso dos seus bebés. Mas devemos remontar à barriga da mãe para falar da primeira vez que as crianças sorriem. Os últimos avanços tecnológicos permitiram que vários especialistas comprovassem que os bebés, quando se encontram no útero das mães, têm expressões faciais, como o sorriso, o que se explica como um acto reflexo na sua preparação para o nascimento. O recém-nascido mantém este hábito enquanto está a dormir. Esta primeira forma de movimentar os lábios parece estar relacionada com as sensações internas e com a actividade do sistema nervoso central. Trata-se de uma careta inata e espontânea provocada por uma sensação de bem-estar.

Depois da segunda semana, os bebés reagem à voz, que lhes ocasiona o sorriso. A partir do segundo mês, o sorriso aumenta e é acompanhado de um leve esticamento dos lábios.

Entre o primeiro e o segundo mês de vida o verdadeiro sorriso desperta e já se pode considerar uma autêntica expressão social. Para além disso, o bebé já percebe as reacções que este gesto provoca nos outros.

A partir dos 4-5 meses passam do sorriso às risadas. O bebé passa a rir-se de coisas que antigamente não gostava e que até chegavam a assustá-lo. A imaginação e a fantasia do próprio bebé também ajudam a provocar uma reacção de risota: o bebé diverte-se pelo simples facto de converter um objecto comum como uma colher num jogo que funciona como um avião que vai até à sua boca.

As risadas depois dos sete meses

O riso é considerado como uma prolongação do sorriso. São expressões emocionais, tanto pela sua forma como pelos estímulos que as provocam. Rir é uma emoção muito intensa. É fundamental para o desenvolvimento afectivo da criança e indispensável para consolidar a sua relação com a mãe e o pai.

O riso de satisfação não se produz antes dos 7-8 meses. O bebé já se ri de alegria e começa a apreciar as primeiras recompensas afectivas dos seus esforços.

Com um ano começa a compreender como funciona o mundo que o rodeia e são muitas as coisas que o divertem, especialmente todo aquilo que é inesperado ou que não é normal: que o pai coloque um chapéu, ponha a chucha na boca, etc.

As grandes gargalhadas e risadas incontroláveis produzem-se por volta dos 4 anos e juntamente com a aprendizagem da linguagem e da compreensão de histórias mais complexas.

Experimente o jogo do espelho!

Num quarto coloque um grande espelho. Fixe o espelho ao chão e coloque-o ao nível da criança. O interesse pelo seu próprio reflexo começa a partir do primeiro mês: o bebé vai observar com gestos de felicidade os jogos de luz reflectidos no vidro.

Aos 4 meses o bebé gesticulará rindo-se, embora sem saber que a imagem que vê é a sua. Mas vai divertir-se ao pensar que tem um companheiro de jogos.

Por volta dos 7-8 meses brincará em frente ao seu reflexo. Embora pense que o seu reflexo é outro bebé que se move ao mesmo tempo que ele, fará muitas caras divertidas que significam que a pouco e pouco vai tomando consciência de que se trata dele mesmo.

Perto dos 12-18 meses descobre a semelhança entre os seus movimentos e os do espelho. Brinca com as mãos e aproxima-se da imagem. Tenta tocar no espelho para ver o que é que está por detrás, isto para “apanhar” o amigo que está no espelho. Um beijo no espelho é a prova definitiva que de o bebé descobriu que se trata da sua imagem.

Cumpridos os dois anos irá perdendo o interesse pelo mistério do espelho e prefere companheiros de jogos reais, de carne e osso. Afinal, é muito mais prático!

O que diverte um bebé?

As carícias

O movimento

Os jogos de mãos

As vozes que reconhece

Coisas insólitas: que o pai ou a mãe façam de bebé

Balançar sobre os pés dos pais

As imitações de sons, etc.

http://www.todopapas.com.pt/bebe/psicologiao-do-bebe/do-que-se-riem-os-bebes-1959


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: