Pena de morte é coisa de assassinos

Fonte: http://noticias.r7.com/blogs/o-provocador/2011/09/22/pena-de-morte-e-coisa-de-assassinos/

Em condições extremas, eu acho justa a pena de morte. Mas sou radicalmente contra a aplicação da pena de morte. Simples assim.

O caso do americano Troy Davis (leia aqui) é um exemplo capital de como o Estado e a Justiça são capazes de agir como assassinos frios e cruéis.

Davis recebeu uma injeção letal na noite desta quarta-feira (21), após permanecer durante 20 anos no corredor da morte.

Só para efeito de comparação, é pouco provável que algum assassino confesso fique esse tempo todo preso aqui no Brasil. Enfim.

Centenas de manifestações em todo o mundo pediram a suspensão da sentença baseada em diversos vícios judiciais que revelavam dúvidas consistentes sobre a inocência do condenado.

Durante o processo, sete de nove testemunhas de acusação se retrataram sobre terem reconhecido o réu como autor da morte de um policial, em 1989. A arma do crime nunca foi encontrada e nenhuma prova digital ou traço de DNA foi revelado.

Por conta de tecnicismos jurídicos impiedosos e sem a clemência das autoridades, o homem foi morto. Friamente. Mesmo alegando inocência e sem provas definitivas.

Só um detalhe: ele era negro e a vítima, branca.

O caso de Troy Davis se tornará uma pequena estatística de erro judicial, diante do imenso número de mortos por crimes violentos. O fato é que pouca gente se importa, com uma ou com outro.

Ainda mais nos Estados Unidos, bastião de uma nação “civilizada e democrática” que ainda aplica a pena de morte. Nem vamos citar os países que promovem execuções por apedrejamento ou forca, que aí a argumentação ficaria bizarra.

Como a Justiça é feita por homens, ela é falha. A vida de um único ser humano inocente não vale a execução de centenas de criminosos. Definitivamente, não vale. Quem pensa o contrário é cínico, doente e burro. Merecia morrer por isso.

Anúncios

Do Querido Leitor: Ah, você quer minha opinião? Pois não. Opinarei.

Fonte: http://noticias.r7.com/blogs/querido-leitor/2011/09/29/ah-voce-quer-minha-opiniao-pois-nao-opinarei/

 

Eu acho o brasileiro médio muito machista. Eu acho a mulher brasileira bem machista também. Por ‘machista’ eu quero dizer uma pessoa que, no fundo, acredita que o homem é superior à mulher e que tem mais direitos do que ela apenas por ser homem. Que tem a última palavra, o poder de decisão. Um homem machista é aquele que acha que pode  ‘deixar’ ou ‘não deixar’ que uma mulher faça coisas, como se ele fosse dono dela, seja a mãe, a mulher, filha. A culpa deve ser de todos nós, que perpetuamos esse machismo através das gerações, da mãe que sonha que o filho encontre uma boa moça que o obedeça (?) até a mulher que briga com os filhos para que deixem o melhor bife para o papai. Fazer isso por AMOR é legal. Fazer isso por submissão e medo, não. O papai trabalha, a mamãe trabalha e todos merecem bons bifes.

Na minha opinião todos os seres humanos têm os mesmos direitos, independente de sua orientação sexual, por exemplo.

A orientação sexual (bem como a prática do sexo) também é de foro íntimo. Não é da conta de ninguém e nem deveria interferir em nada, nem interessar a ninguém que não os envolvidos e beneficiados diretos.

Se você está morrendo e um médico vai atender você para salvar sua vida tenho CERTEZA que você não vai se importar se ele é gay, por exemplo. Assim como tenho certeza que se a vida do seu filho depender de uma pediatra você não vai se importar se ela for lésbica. Ou judia. Ou umbandista. Ou arremessadora de martelo e albina. Uso esses exemplos extremos apenas para chamar sua atenção, porque a orientação sexual de qualquer pessoa não deveria importar em nenhum momento social, seja na padaria comprando seu pão, tendo aulas de ikebana ou na reunião com seu colega de trabalho, uma vez que ela não INTERFERE na sua vida social ou profissional.

Mesmo porque, ninguém SABE NADA sobre a vida íntima de ninguém. E nem tem que saber. Essa tela onde você lê esse texto agora. Quem fez a tela? Foi um jamaicano hetero? Um chinês bi? Uma brasileira virgem? Dá pra ler o texto? Então pronto. Se a pessoa trabalhou e produziu, não foi escravizada, não cometeu nenhum crime, você comprou o aparelho e está lendo, beleza.

Essa curiosidade patológica que temos pela vida sexual dos artistas, por exemplo, mostra apenas como somos analfabetos sexuais. É como se não conhecêssemos todas as possibilidades e nuances e, a cada nova letra descoberta, fizéssemos um desnecessário auê. Como? Fulano é G? A outra é L? Ele é B? Brincou que aquela pessoa é T? Se essas novidades servirem para ampliar seu leque de possibilidade, perfeito. Caso contrário, deixe a vida do outro pra lá. Eventualmente posso até ouvir e pensar, ah, que surpresa, não sabia que ele é gay. Então ele é gay, ok. Próximo assunto.

Lembro de uma palestra que dei num hotel, num encontro de fim de semana para empresários. Falei uma hora sobre minha carreira em mídia. Na hora de abrir para perguntas, todo mundo só queria saber se a apresentadora com quem trabalhei era gay ou não. Broxante. Eu queria muito saber o que eles fariam com esse tipo de informação. Provavelmente usariam-na para sentirem-se superiores. Ou ‘normais’.

Outro assunto que não tem relação com nada e não deveria ser de interesse social é a vida sexual das pessoas. De onde foi que o povo brasieiro tirou essa associação de que toda mulher politizada, que briga por seus direitos é mal comida? Que feminista não transa? Primeiro que no tempo da faculdade quando a gente fazia movimento político, todo mundo comia todo mundo. Eu diria até que as mulheres mais politizadas têm uma vida sexual muito mais intensa do que as que não tem ideologia nenhuma, só pra chocar. #prontochoquei.

Também não entendo esse conceito totalmente sem noção de que mulher feia não faz sexo. Faz e com homens de todos os tipos, inclusive os feios. E chatos. E carecas. E lindos. Tem que ser muito limitado pra ligar beleza com prática sexual. O sexo existe e se manifesta em quase todos os seres vivos e, embora para muitos o estímulo visual seja um fator importante, ele não é de-ter-mi-nan-te.  Ou você acha que todas as pessoas que se masturbam nesse mundo acham que suas mãos são lindas?

Aqui vou parar e opinar também sobre a beleza e aproveitar pra voltar ao machismo. Todo mundo quer ser bonito ou melhorar o visual. Porque a imagem corresponde a uma parcela importante do ‘julgamento do primeiro encontro’, por exemplo. A imagem faz parte do processo seletivo de escolha de parceiros em ambientes sociais. Mas é UM dos muitos elementos, que inclui afinidades, texturas, ideologias, etc. etc. etc.

Eu acho bacana a gente investir na beleza, mas acho TERRÍVEL e MACHISTA a atitude de buscar essa beleza APENAS para atender a um MERCADO de consumo machista. Se a mulher quer botar silicone, fazer lipo, botar botox e tudo mais, que o faça porque ela quer e não pra ‘segurar o marido’, ‘impedir que o parceiro tenha amante’ ou para ‘competir com a amiga de vestiário da academia’. Seria mais bacana se ela fizesse isso por si mesma. E se ela quiser fazer por seu macho também, que faça, eu só estou dando A MINHA OPINIÃO, LEMBRA? Que também é mutante e influenciada por vivências.

Opinião é como casa, de vez em quanto tem que mudar pra outra.

Agora vou falar da campanha da Hope com a Gisele.

A Gisele é linda. É brasileira. Gostosa, rica, perfeita. E a Hope faz calcinhas. E, como todo cliente, contrata uma agência de propaganda para fazer campanhas que vendam esses produtos. A propaganda tem muito dinheiro e pouco tempo. Então ela tem que comunicar cortando caminhos. A gente clica Alt+Tab no telcado, a propaganda usa clichês. O clichê da sogra. O clichê da mulher que bate o carro do marido. O clichê da mulher que gasta todo o cartão de crédito dele. Enfim, a propaganda RETRATA a sociedade, reduzindo tipos verdadeiros. A mulher que bota a lingerie pra contar pro marido que fez merda existe assim como existe a mãe que faz o bolo pro filho antes de pedir pra ele visitar a vó. Existe tanto quanto o funcionário que traz uma lembrancinha pro chefe quando volta da viagem. TUDO ISSO EXISTE. Se você acha isso errado e machista, então temos que consertar nossa sociedade, para que a publicidade tenha outros valores para retratar.

Pra encerrar esse tratado, quero dizer que aprendi uma coisa hoje. Um erro que todos nós cometemos quando opinamos ou criticamos. Nós nos ISENTAMOS nessa hora. Apontamos o dedo e nos DELETAMOS, como se não fossemos corresponsáveis, como se não fossemos nós os autores de tudo isso. Mas somos nós que votamos nos corruptos. Somos nós que sustentamos a corrupção. Somos nós que pagamos suborno pro guarda. Somos nós que promovemos o preconceito e perpetuamos a incompreensão. Nós que fechamos os olhos para a injustiça, nós que ao mesmo tempo RIMOS DA PIADA E DIZEMOS QUE ELA É ERRADA. Você RI da piada e depois aponta o dedo pra quem acha graça. Nós somos total e completamente loucos como sociedade. Seria sensacional se pudéssemos dar uma controlada nessa doideira. Só um pouquinho.

O Brasil sempre foi muito novinho, um país de crianças.

Mas agora o tempo passou e já temos mais de 500 anos.

Está na hora de largar a chupeta, a fralda e aprender a compartilhar os brinquedos e respeitar o coleguinha. E se transformar num adulto bacana.

Bom dia.

Satélite inativo da Nasa vai cair na Terra no fim de setembro

Veja o original em http://oglobo.globo.com/ciencia/mat/2011/09/09/satelite-inativo-da-nasa-vai-cair-na-terra-no-fim-de-setembro-925319763.asp.

 

Um satélite inativo da Nasa de mais de seis toneladas deverá cair na Terra entre o fim de setembro e o início de outubro, informou na noite desta quinta-feira a agência espacial americana. Segundo as Nasa, as chances de pedaços do equipamento atingirem alguém são pequenas, de uma em 3,2 mil, já que a maior parte deverá queimar na reentrada na atmosfera.

Batizado UARS (sigla em inglês para satélite de pesquisas da alta atmosfera), o equipamento lançado em 1991 esgotou seu combustível em 2005, o que impedirá o controle de sua queda. Ainda de acordo com a Nasa, pouco mais de meia tonelada de metais deverá alcançar a superfície da Terra, caindo em pedaços espalhados em qualquer ponto entre o Sul da cidade de Juneau, no Alasca, ao extremo Norte da América do Sul.

O UARS é bem menor que a estação espacial russa Mir, de 135 toneladas, que caiu na Terra em 2001, e que o americano Skylab, de 100 toneladas, que caiu em 1979. Os restos da Mir caíram no Sul do Oceano Pacífico, enquanto os pedaços do Skylab se espalharam do Oceano Índico a áreas despovoadas da Austrália.

– Coisa têm reentrado na atmosfera desde o início da era espacial e até agora ninguém foi ferido por nada que tenha caído – destacou Gene Stansbery, chefe do departamento de lixo orbital da Nasa. – Mas isso não quer dizer que não estejamos preocupados.

Atualmente, a Nasa tem uma regra para reentrada de seus equipamentos que exige que as chances de um pedaço atingir alguém sejam inferiores a uma em 10 mil. O UARS, no entanto, foi lançado antes desta regra entrar em vigor. Ainda assim, a probabilidade de uma em 3,2 mil dele atingir alguém diz respeito à toda população de 7 bilhões de pessoas do planeta, lembrou a agência espacial. Segundo a Nasa, as chances de um indivíduo específico ser ferido por um pedaço do satélite são inferiores a uma em 21 trilhões.

© 1996 – 2011. Todos os direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A.

Pessoas sensíveis a ondas eletromagnéticas fogem de celulares e wi-fi

Fonte: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2011/09/pessoas-sensiveis-a-ondas-eletromagneticas-fogem-de-celulares-e-wi-fi.html

 

Enquanto a maior parte do mundo busca conexões mais ágeis e celulares mais eficientes, um grupo de americanos quer se ver distante das ondas eletromagnéticas.

A zona livre de ondas de rádio na Virgínia Ocidental tornou-se o oasis para essas pessoas, que fogem das dores causadas pela chamada hipersensibilidade eletromagnética.

A doença ainda não é formalmente reconhecida pela Organização Mundial de Saúde. Mas pessoas como Diane Shou conhecem bem os sintomas que a fizeram deixar o marido e os filhos no estado de Iowa em busca de um novo lar, repleto de ar puro e sem nenhuma onda eletromagnética.

Diane vive agora em Green Bank, no Estado da Virgína. A chamada zona livre de ondas de rádio possui 33 mil km² onde não há celulares e nenhuma outra conexão de internet funciona. A razão são os diversos telescópios que funcionam na área.

Enquanto ainda vivia em Iowa, Diane passava a maior parte do tempo isolada em um espaço construído especialmente para bloquear a entrada de ondas de rádio.

“É uma coisa horrível ter de ser um prisioneiro”, diz ela. “Você se torna um leproso tecnológico, porque não pode estar em torno de pessoas”.

Mesmo sem reconhecimento oficial, estima-se que 5% dos americanos possuam algum tipo de sensibilidade eletromagnética.

Estudo
Um estudo da Universidade do Estado da Louisiana, publicado no “International Journal of Neuroscience”, mostra, no entanto, que existe uma relação entre as dores e as queimaduras na pele com a frequencia eletromagnética.

O professor Andrew Marino lembra que ainda não haviam estudos relevantes sobre o assunto. A descoberta poderá amenizar a situação de pessoas como Diane no futuro.

“É um divisor de águas nesse sentido. Não há estudos anteriores que avaliam cientificamente se os campos eletromagnéticos no ambiente podem produzir sintomas nos humanos”, diz.

Os cientistas conduziram uma série de testes em uma médica de 35 anos, diagnosticada com hipersensibilidade eletromagnética.

A médica ficou sentada em uma cadeira de madeira, exposta a ondas eletrogmanéticas e a momentos com nenhuma interferência.

Ela relatou relatou dores de cabeça e espasmos musculares durante as exposições à frequencia magnética, mas não sentiu nada quando não houve exposição.

‘Ignorância tecnológica’
Segundo o professor Bob Park, da Universidade de Maryland, a radiação emitida por wi-fi é simplesmente muito fraca para causar qualquer mudança no organismo que possa causar doenças.

“O maior problema que enfrentamos é que em nossa sociedade, impulsionada pelas mudanças tecnológicas, as pessoas têm muito pouca educação”, diz ele.

“Há muitas coisas que as pessoas precisam aprender e elas não estão aprendendo. A única coisa que vai matá-los é a ignorância”.

Não é o que pensa Nichols Fox. Também moradora da zona livre de ondas de rádio, ela diz entender o ceticismo, dizendo que levou anos para reconhecer que sofria de hipersensibildiade eletromagnética.

Ela conta que seus sintomas são tão graves que se isolou quase totalmente, vivendo em uma casa remota rodeada por campos e florestas.

Para evitar qualquer problema, sua geladeira funciona com gás, a luz vem de lâmpadas de querosene e o fogão a lenha aquece a casa.

“É tão importante que as pessoas entendam que esta é uma deficiência muito séria, é uma deficiência que provoca uma mudança de vida. Isso leva a uma morte mais rápida. Eu não tenho absolutamente nenhuma dúvida sobre isso e eu acho que é apenas lamentável que não seja reconhecido”, diz.

Do Querido Leitor – Só o tosco salva

Fonte: http://noticias.r7.com/blogs/querido-leitor/2011/09/05/so-o-tosco-salva/

 

A palavra tosco teria sua origem no latim, tuscus, que significa “de baixa qualidade”. Esse significado teria vindo de Vicus Tuscus, vila etrusca de má reputação na antiga Roma. Acho que é isso. E, aproveitando a viagem à Toscana, Se non è vero, è ben trovato.

De qualquer forma, todos concordamos, tosco é uma coisa sem qualidade nenhuma, mal acabada, mal feita. Se sabemos disso, por que então o tosco está tão na moda?

Fácil. Porque o tosco faz todo mundo se sentir superior. A fulana é burra? Ela fala errado no vídeo? Eu falo certo, PORTANTO, sou inteligente. Burra é ela. A mulher é ridícula? Está fazendo papel de idiota na TV? Então eu me sinto superior, sou bacana, sou legal! O ator é ruim? Vamos promovê-lo, exibí-lo, assim eu me sinto mais!O palhaço é totalmente banguela? Que bom. Os poucos dentes que perdi já não me fazem sofrer diante daquele que não tem dente nenhum.

É a teoria do Bomchibombombombombom. O de cima sobe e o de baixo desce. Eu estou me sentindo por baixo? Pois é só achar alguém mais abaixo (inferior) a mim e botá-la mais pra baixo ainda, fingindo que estou gostando. Pronto, subi. Me sinto muito feliz agora, bem mais acima.AHAHA, como é bom rir do vídeo do Pedro cadê meu chip. Me sinto tão rica agora. Que delícia. (ironia modo ON)

Porque é pra lá que todos estamos indo, não? Pra cima? Claro que é. Queremos ascender socialmente. Todo mundo quer ser lindo e rico. Até o mais tosco dos toscos quer ser rico e lindo. Até quem diz que não. E nada melhor para inflar nosso ego do que comparar nossas poucas qualidades com alguém que tem ainda menos qualidades.

Se você é feio e anda com gente ainda mais feia, você fica bonito. Se você é baixinho e anda com gente ainda mais baixinha, você parece alto. Porque tudo é questão de comparação. Pague a rodada de pinga no boteco e sinta-se um milionário. Como é bom ser melhor.

E é por tudo isso que o tosco faz tanto sucesso. Porque ele dá um parâmetro BAIXO, sem qualidade, fácil de ser superado. A Sônia fala YouTubio errado? Vamos promovê-la!  Assim, quem fala IuTubi, que também está errado, vai se sentir BEM, vai se sentir MELHOR que ela, que fala mais errado ainda.

Só que, né, é cruel falar mal dos coitados. Vamos então criar um mecanismo de defesa, um álibi social: vamos pegar o TOSCO, esse que faz a gente se sentir superior e vamos aplaudir como se fosse a melhor coisa do mundo! Vamos dizer que é genial. Assim ninguem poderá nos culpar!Vamos brincar de faz de conta de forma coletiva, oba!

Olha que inteligência social, gente. Um povo de sábios intuitivos nesse nosso Brasil.

A gente faz assim: vamos ficar procurando no YouTube até achar alguma coisa bem tosca. Aí a gente pega e manda pra um blog ou portal com muita visibilidade. O dono vai ficar contente, porque ele ganha sem ter que produzir conteúdo e a gente ganha porque ele BOTA O NOSSO NOME  NO BLOG, iuhuuu! Sucesso. Tá famoso, hein…? Vi seu nome lá no blog!

Aí o vídeo vai ficando famoso, famoso, até aparecer na…na… bingo! Na televisão! Nossa, que glória.

Agora sim, o circo está armado. Pessoas disputando a paternidade da Edinéia Macedo no Twitter. Eu descobri primeiro! Fui eu que vi! Eu que achei! Eu já gostava dela antes de todo mundo, gritam todos.  Edineia vai tomar um banho de loja, vai ficar linda, a TV vai fazer um clip de sonho pra ela. Ela vai chorar de emoção e vamos todos ficar com o coração mole. Como somos bons! Como somos magnânimos! Ajudamos os toscos no caminho da fama, promovemos os coitados, como somos maravilhosos!

 

_________ pausa ________
pausa para reflexão

 

Somos maravilhosos? Magnânimos? Não, somos parte de uma grande cadeia de exploradores da ignorância alheia. Somos culpados de tudo isso. E ainda rimos. Somos nós que promovemos essa situação em que o Brasil se encontra. Porque hoje você finge que acha genial um vídeo sem qualidade, com uma mulher genuinamente ingênua, com desejos mas sem oportunidades que diz “as quatro estação”. E amanhã, você estará deitado na cama de um hospital sendo operado por um médico tosco, que fez uma faculdade sem qualidade, correndo o risco de ter sua perna amputada por falta de competência. Ou estará votando num idiota qualquer porque você achou que seria ‘toscamente engraçado’ ver aquela pessoa ‘no meio dos políticos’. Raciocínio tão inteligente quanto deixar uma casca de banana na própria porta pra cair depois.

Não adianta me odiar. Nem se odiar. A saída é a consciência, a mudança. É parar com essa mania de dizer AMO quando você odeia e ADORO quando você despreza. Essa excesso de cinismo e ironia que só disfarça nosso complexo de inferioridade.Ironia e cinismo deveriam ser temperos. Não é pra comer orégano de colherada. Faz mal.

Porque só a realidade nos salva, não o tosco. Só faz cirurgia pra redução de estômago quem admite que está muito acima do peso e por isso pode morrer. Se você é gordo e SE ENGANA dizendo que é magro, você morre disso.  Só melhora quem admite que está ruim. Só aprende quem admite que não sabe.Negar a realidade, fingir, ainda que coletivamente é coisa de lenda. O rei está nu. O clip da Edineia é tosco. Aos 33 segundos tem um mamilo de fora no biquíni de uma dançarina. Ela não é um talento, ela não canta bem. Vai me dizer que você não sabia disso? Claro, todo mundo sabe que o rei está nu. Ninguém aponta isso porque tem medo de parecer BURRO se disser que não vê o tecido que só os INTELIGENTES conseguem ver.

Enquanto a gente ficar aqui, coletivamente brincando desse faz-de-conta cruel, fingindo que acha a Edineia um gênio e morrendo de rir às suas custas, não vamos melhorar.Porque não vamos admitir o quanto nós todos como sociedade somos ignorantes! Quanto precisamos de ESCOLA e educação.

Porque tosco não é ter compaixão pela Edineia,  isso é humano. Tosco não é vê-la sonhando com a fama vendida pela mídia como solução para a miséria, isso é humano. O sonho dela é legítimo. E me comove. Tosco é ter casa, comida, empregada, dinheiro, emprego e usar as pessoas mais simples como parâmetro pra fazer você se  sentir culto e superior .

Tosco é você apontar o outro dizendo que ele explora a miséria humana e fazer EXATAMENTE O MESMO na Internet explorando a miséria cultural da Edineia.

Não estou dizendo que não é engraçado. É engraçado, sim, porque é tosco. É também triste e patético.

Mas, né, estou falando sozinha. Sozinha com minha rabugice envelhecida.Eu, o menino tonto que não entendeu a “brincadeira” do povo e aponta o dedinho dizendo que o rei está nu. Está, menino, mas A GENTE COMBINAMOS que ele está com finas vestes, ok? Menino tosco…

A TV vai dar a ela fama, fortuna, dentista (o que é bom), banho de loja e todos vão dizer que estou com inveja da Edinéia.

Agora, dar escola e plural ninguém vai, né?

Vamos então continuar assim; Brasil, um país de toscos.
E vamos morrer disso, da nossa tosqueira. Com políticos toscos, justiça tosca, distribuição tosca de renda, educação tosca, saúde tosca.

Ah, esses etruscos.

20 coisas que você fala errado

 

Fonte: http://blogtrololo.tk/247/20-coisas-que-voce-fala-errado/

 

01) Planos ou projetos para o futuro.
Você conhece alguém que faz planos para o passado?
Só se for o Michael Fox no filme “De volta para o Futuro”.

02) Criar novos empregos.
Alguém consegue criar algo velho?

03) Habitat natural.
Todo habitat é natural; consulte um dicionário.

04) Prefeitura Municipal.
No Brasil só existem prefeituras nos municípios.

05) Conviver junto.
É possível conviver separadamente?

06) Sua autobiografia.
Se é autobiografia, já é sua.

07) Sorriso nos lábios.
Já viu sorriso no umbigo?

08) Goteira no teto.
No chão é impossível!

09) Estrelas do céu.
Paramos à noite para contemplar o lindo brilho das estrelas do mar?

10) General do Exército.
Só existem generais no Exército.

Brigadeiro da Aeronáutica.
Só existem brigadeiros na Aeronáutica.

Almirante da Marinha.
Só existem almirantes na Marinha.

11) Manter o mesmo time.
Pode-se manter outro time? Nem o Felipão consegue!

12) Labaredas de fogo.
De que mais as labaredas poderiam ser? De água?

13) Pequenos detalhes.
Se é detalhe, então já é pequeno. Existem grandes detalhes?

14) Erário público.
O dicionário ensina que erário é o tesouro público, por isso, erário só basta!

15) Despesas com gastos.
Despesas e gastos são sinônimos!

16) Encarar de frente.
Você conhece alguém que encara de costas ou de lado?

17) Monopólio exclusivo.
Ora, se é monopólio, já é total ou exclusivo…

18) Ganhar grátis.
Alguém ganha pagando?

19) Países do mundo.
E de onde mais podem ser os países?

20) Viúva do falecido.
Até prova em contrário, não pode haver viúva se não houver um falecido.