JotaPêAh!

Leão tetraplégico Ariel morre em SP

Veja o texto original aqui.

 

image

 

O leão tetraplégico Ariel, de 3 anos, que mobilizou uma corrente de solidariedade na internet, morreu na tarde desta quarta-feira (27). Ele sofria de uma doença degenerativa autoimune não identificada e passava por acompanhamento médico em São Paulo.

Segundo Raquel Ferreira Borges da Silva, sua proprietária, "foi feito tudo por ele". Chorando, ela diz que "ele nunca mais vai sofrer". "Fará muita falta, mas vai viver sempre em nossos corações."

O felino sofreu uma crise convulsiva nesta terça e apresentou acumulo de líquido ao redor do pulmão.

A plasmaférese, método terapêutico que permite separar elementos do sangue, como o plasma, que contém os anticorpos produzidos pelas doenças autoimunes, começou a ser ministrada por veterinários na semana passada. O material era proveniente de doações de sangue de leões do Parque Ecológico da Americana e do Zoológico de Piracicaba, ambos no interior de São Paulo.

Desde a semana passada, o leão foi submetido a três sessões, o que o desgastou.

Agora, o corpo do animal será levado para a Universidade de São Paulo (USP), onde passará por necrópsia. Depois, será levado para Maringá (PR), para ser enterrado. Ainda não há data para que isso aconteça.

image

Anúncios
Deixe um comentário »

Coluna da Folha, 26-07-2011 por José Simão

Leia o artigo original aqui.

 

Buemba! Buemba! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República! Eu tenho duas divas: Amy e Shakira. Sobrou a Shakira! E a melhor homenagem à Amy é abrir um pub com o nome dela: Amy WineWhiskyVodka House!
E aí diz que são Pedro perguntou pra Amy: “Quer entrar?”. “NO! NO! NO! Só entro se tiver pub.” Aliás, diz que a Amy só vai pro Céu se tiver open bar! Rarará!
E dica de Herculano Quintanilha, de “O Astro”: deixa um iPod na cabeceira da cama com uma garrafa de vodca aberta, Amy baixará músicas inéditas pra você! E a homenagem dos fãs? Vocês viram a foto da Folha? Bebida, cigarro e flores. Isso é despacho, oferenda! Oferenda pra pombagira. A Amy era uma pombagira!
E adorei a declaração do dono do pub favorito da Amy: “Estou chocado! Ela era minha melhor cliente”. Evidente! Isso é piada pronta! E aquelas pessoas que diziam: “Ela esqueceu a letra”. Com aquela voz, precisava de letra? Letra é pro Bob Dylan! Letra é pra sertanejo que com cinco palavras faz umas 28 músicas: cama, motel, solidão, chifre e volta pra mim. “Volta pra mim” é uma palavra só! Rarará!
E também diziam: “A Amy atravessou a música”. Então vai pro show da Celine Dion! Rarará! E adorei a charge do Dalcio com são Pedro olhando pro coque da Amy: “Vou precisar de uma escada pra pôr a auréola”. Uma escada Magirus! Rarará! E essa tese dos que morreram aos 27 anos: Amy, Jimi Hendrix, Janis Joplin, Kurt Cobain. E a manchete do Sensacionalista: “Loja de CD vai criar prateleira: mortos aos 27”. Rarará!
E você acha que o Corinthians ia ficar fora dessa? Olha o que um cara postou no meu Twitter: em 27 anos, a Amy ganhou cinco Grammys, em cem anos o Corinthians não ganhou nenhuma Libertadores. Rarará! Tudo no Brasil termina em Corinthians!
E mais dois Predestinados. Direto de Portugal. Professor de ciências farmacêuticas: Alcino dos Remédios Furtado. Roubaram-lhe os remédios e continuas a dar aula? E o nome completo dele é: Alcino Miguel Saturnino Antunes dos Remédios Furtado. UFA! Precisa de remédio pra chegar até o fim do nome dele. Precisa de Viagra! E tem um restaurador português em Belo Horizonte que se chama: David ARRANHADO! Rarará. Nóis sofre, mas nóis goza!
Que eu vou pingar o meu colírio alucinógeno!

Deixe um comentário »

Amy morta ?!?!?!?!?!?!?

Leia o texto original aqui.

 

A cantora Amy Winehouse foi encontrada morta em sua casa, em Londres, neste sábado (23), segundo a Polícia Metropolitana de Londres. Ela tinha 27 anos e um histórico de envolvimento com álcool e uso de drogas.

Um porta-voz da polícia confirmou que o corpo estava na residência da cantora no bairro de Camden e que o motivo da morte ainda não foi esclarecido.

"A polícia foi chamada pelo serviço de emergência de Londres para o endereço na Camden Square pouco depois das 16h05 de hoje [horário local], sábado, 23 de julho, seguindo relatos de que uma mulher foi achada desacordada", diz a nota divulgada pela Polícia Metropolitana de Londres.

Segundo o texto, a cantora foi declarada morta ainda no local. "As investigações sobre as circunstâncias da morte continuam. Neste estágio inicial, ela está sendo tratada como não esclarecida."

O site especializado em celebridades TMZ divulgou que uma necrópsia no corpo da cantora será realizada neste domingo. A publicação diz ainda que o pai da cantora, que estava em Nova York, está retornando a Londres.

Alvo constante dos tabloides ingleses por sua rotina de abuso de drogas, brigas e escândalos conjugais com o ex-marido, Blake Fielder-Civil, também viciado em drogas, Amy foi presa por duas vezes em 2008.

Um dos seus principais hits, "Rehab", falava sobre suas constantes idas às clínicas de reabilitação. A faixa está no álbum "Back to black", de 2006, último lançado pela cantora. Rumores sobre um próximo álbum circulavam há tempos, mas uma das poucas gravações oficiais de Amy a ver a luz no período foi um cover de "It’s my party", incluída em um disco do produtor Quincy Jones, lançado no ano passado.

De acordo com semanário musical "NME", o terceiro álbum da cantora teria sido concluído, mas enfrentava problemas de finalização por conta da rotina tumultuada de Amy.

Volta aos palcos tumultuada
Amy Winehouse chegou a se apresentar em turnê pelo Brasil em janeiro deste ano, com shows em Florianópolis, Rio de Janeiro, Recife e São Paulo. A passagem dela pelo Brasil, no começo deste ano, prometia marcar a volta por cima da popstar britânica.

O que se viu em suas apresentações, no entanto, foram shows curtos, marcados por uma presença de palco tímida e pontuados por alguns momentos constrangedores, quando a cantora esquecia as letras de suas próprias músicas e deixava o palco por alguns instantes sem dar satisfações.

No mês passado, a cantora britânica abandonou uma turnê pela Europa após ter sido vaiada durante show na Sérvia por estar aparentemente bêbada durante a performance.

Durante 90 minutos, Amy balbuciou partes de suas canções e deixou o palco várias vezes, enquanto a banda continuava o show.

Repercussão mundial
Em nota divulgada nesta tarde, a Universal, gravadora da cantora, afirmou estar profundamente triste com a perda repentina de uma "musicista talentosa, cantora e intéprete". "Nossas orações vão para a família de Amy, amigos e fãs neste momento difícil", finalizou o texto.

Entre os primeiros a se manifestar no microblog Twitter foi o backing vocal da cantora, Zalon (no Twitter, @Zalon).
"Uma parte de mim morreu hoje. Nos conectamos por caminhos que vou valorizar para sempre. Você sabe o quanto eu te amo. RIP AmyWinehouse", desabafou o artista.

Também no Twitter, a revelação da música soul Janelle Monáe, que abriu os shows de Amy Winehouse no Brasil em janeiro, diz que seu "coração está pesado".

"Meu coração está com os dois familiares de Amy Winehouse, entes queridos. Orando por sua força durante este tempo", diz Janelle.

O cantor Mayer Hawthorne, que também abriu shows de Amy no Brasil, postou que está profundamente triste. "Rest in peace Amy. Thank you for everything [‘Descanse em paz, Amy. Obrigado por tudo’, em inglês]", diz.

Biografia
Amy Winehouse nasceu em Londres, em uma família judia. Começou a ouvir jazz quando criança e formou a primeira banda aos dez. Filha de uma farmacêutica e de um motorista de táxi, com o qual tinha uma relação conturbada, ela cresceu na área de Southgate, no norte de Londres. Seus tios maternos eram músicos de jazz profissional.

Aos 16 anos, Amy passou a cantar profissionalmente. O primeiro disco, "Frank", foi lançado quando ela completou 20 anos e produzido por Salaam Remi. O segundo trabalho, "Black to black", saiu em 2006. O disco foi produzido por Mark Ronson e tinha como banda de apoio os Dap Kings, que também se apresentaram recentemente no Brasil.

Foi "Back to black" que consagrou a cantora. O trabalho lhe rendeu cinco prêmios Grammy, o Oscar da música internacional.

A morte precoce de Amy Winehouse aos 27 anos se junta a uma trágica lista de roqueiros que também morreram nesta idade, por consequência direta ou indireta do uso de drogas, entre eles, Janis Joplin, Kurt Cobain, Jim Morrison, Brian Jones e Jimi Hendrix.

1 Comentário »

Coluna da Folha, José Simão 19-07-2011

BUEMBA! BUEMBA! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República!
Ainda tô passado na manteiga com Brasil x ParaguAAAAAI! E a Granja do Mano? A Granja do Mano foi dormir com as galinhas!
E um leitor me disse que pior que perder do Paraguai é aguentar a cara de viúva do Galvão.
E o Casagrande que só chama o Ganso de Paulo Henrique? Parece a mãe dele: “Paulo Henrique, já pra casa e não solta pena”.
E a Granja do Mano? Como é que consegue perder quatro pênaltis? Eu sei, não dá pra bater pênalti de salto alto. Aí eles acertam o buraco do chão e erram o buraco do gol. Dizem que pênalti é loteria. Então essa foi Mega-Sena acumulada. Rarará!
E o Eramos6: Seleção Baggieira de Futebol. E predominou o espírito de equipe: “Se é pra perder um pênalti, vamos perder todos juntos!”.
E as manchetes do Sensacionalista: “Light confirma que bola de Elano subiu mais do que os bueiros”. E “Aeroportos e seleção não ficarão prontos pra 2014”. E a Argentina tapou os buracos com areia verde, e o Brasil vai tapar com areia movediça. Rarará!
E sabe qual a diferença entre a Argentina e o Brasil? É que eles choraram 24 horas mais cedo! E só sobrou pra um: o Tevez. O Tevez também errou pênalti. O Feio fez feio. Por isso que vai pro Corinthians.
A camisa oficial do Paraguai era pirata. Mas a vitória foi legítima. Rarará! E a seleção paraguaia devia se chamar Filhos do Lugo. No Paraguai todo mundo é filho dele.
E esta é a verdadeira seleção paraguaia: Chapa Fria, Chassi Raspado, Gato de Itaipu e Samsung Genérico! Rarará!
E o Mano, que ficava reclamando da grama? Tava sem sal? Bota ketchup! Aliás, o técnico não é huMANO! E dizem: “Mas o Mano não tem experiência internacional”. Claro, era técnico do Corinthians!
E não adianta culpar só o técnico. Jogador brasileiro só quer aparecer na televisão! Eles deram um chute no saco da torcida! Deviam ter levado a seleção feminina. Porque elas gastam menos tempo no salão!
Aliás, deviam ter levado a equipe de peladeiras de Vila Mimosa no Rio: Maria Banda Larga, Amélia Raspadinha, Vanda Teleférico, Claudinha UPP, Camila Disque Denúncia, Vilma Panela Cheia e Elza Bom Prato! Essas derrubam até a Muralha da China! Rarará! Nóis sofre, mas nóis goza.
Que eu vou pingar o meu colírio alucinógeno!

 

Fonte: http://www2.uol.com.br/josesimao/colunafolha.htm

Deixe um comentário »

A história da garota que roubou a personalidade da amiga

Virginia e Georgina.

Virginia era gata. Única. Tinha tudo. Peito, bunda, personalidade, talento, bons dentes, cabelo adestrado, amigos. Solta. Segura de si. E um pouco louca. Classe média tentendo à dureza.Artista. Enlouquecia os homens.

Georgina era revoltada. Sem charme, desongonçada, mimada. Inteligente, solitária. Parceiro de sexo, só bêbado. Canalizava todo seu sentimento de rejeição numa palavra: agressividade. Para compensar a imensurável falta de auto-estima simulava ser a pessoa mais autoconfiante do mundo. Elogiava-se sem parar. Elite dominante.

Goergina conheceu Virginia e apaixonou-se. Não por Virginia, mas pela mulher que ela poderia ter sido se tivesse nascido como a outra. Ficou enebriada com o talento da outra. De tanto puxar o saco, ficaram amigas.

Amigas significa que Virginia vivia sua vida e Georgina ia atras. Georgina ficou amiga de todos os amigos de Virginia. Saíam todos juntos. Depois sem Virginia.

Georgina começou a copiar as roupas de Virginia. E as atitudes. A tinta do cabelo. O anel da mão. A bolsa. O trabalho.

Virginia, totalmente desencanada, não percebia. Ou percebia e não ligava. Estava sempre muito ocupada tentando pagar as contas vencidas e gerar ideias.

Até o dia em que Georgina descobriu que podia usar sua inteligência para roubar a coisa que mais admirada na outra: a personalidade.

Começou a copiar o vocabulário de Virginia. As palavras, expressões, as gírias. As pausas dramáticas do texto. A grafia. Tudo. Absorveu o jeito de Virginia se expressar como se estudasse outra língua. Traduziu-a, captou-a. Pegou tudo para si.

Começou a escrever como se fosse a outra, ouvindo a voz da outra. O tom.

Sentiu-se mais forte, quase gata. Mesmo sem a carga erótica de Virginia, Georgina  sentia-se sedutora como a amiga. Ficou mais agressiva. E partiu para seu gran finale.

Fazendo-se de coitadinha, ligou pro namorado de Virginia. Saiu com ele para desabafar, implorando por companhia. Beberam. Muito. Ela investiu sobre ele. Beijou-o. Insinuou-se, devorou-o. Cuspiu-o. E voltou pra casa.

Passou um email e contou pra amiga o que tinha acontecido.

Georgina foi Virgínia por um dia. Mas só um.

Assim que abriu a caixa postal, Virginia foi até a casa de Georgina, com o namorado.

Georgina abriu a porta. Deu deu de cara com Virginia e o namorado.

Virginia olhou bem dentro dos olhos de Georgina e, já pronta para a cena, sacou um espelho de bom tamanho e esfregou-o na cara de Georgina.

Em vermelho, escrito com batom, Georgina leu:

FIM

 

Fonte: http://noticias.r7.com/blogs/querido-leitor/2011/07/09/a-historia-da-garota-que-roubou-a-personalidade-da-amiga/

Deixe um comentário »

Chico Buarque e a maldade humana

Ao contrário do que dizia Jean-Jacques Rousseau sobre os selvagens bonzinhos do mato, nós, pós-índios da cidade, somos muito ruins.

Malvados, mesmo, desde criança.

A maldade, como já disse aqui, está no DNA do ser humano, se não se expressa cotidianamente, está aí quietinha, pronta para dar as caras.

E não dá mais as caras porque as convenções sociais contêm ao menos um pouco esta ruindade intrínseca –aquela que faz o menino tacar fogo no rabo do gato, a menina arrancar o olho da boneca, o motorista jogar o carro pra cima do pedestre ou o assaltante matar a vítima que não reagiu– tornando-nos aparentemente inofensivos.

Só aparentemente.

Porque nada como uma boa dose de anonimato, ou alguma situação em que a pessoa não se expõe direta e pessoalmente diante de sua vítima, para que muita gente coloque as manguinhas de fora.

O universo da internet é, portanto, terreno mais do que fértil para que essa maldade cresça e floresça, muitas vezes de forma exagerada e gratuita – e quem transita por aqui, como eu, sabe exatamente do que se trata…

Mas quem descobriu isso há pouco e ficou absolutamente chocado foi o cantor e compositor Chico Buarque de Hollanda.

Praticamente uma unanimidade nacional da MPB (como escritor, andou atraindo críticas injustas ultimamente), detentor de uma legião gigantesca de fãs ardorosos, sobretudo do sexo feminino, eis que ele se expôs recentemente ao fantástico mundo da interação digital.

E se deu muito mal.

Um vídeo que circulou esses dias traz um relato do artista em que ele manifesta seu espanto por ter descoberto um monte de gente que não gosta dele e que faz questão de deixar isso agressivamente bem claro, por meio de posts em um site sobre o seu novo disco.

No filmete, Chico lembra que o artista em geral vive num mundo em que se sente amado, há os aplausos, o carinho do público nas ruas, mas que na internet o bicho pega.

"Eu não sabia que o jogo era esse. Na internet as pessoas falam o que lhe vem à cabeça. Na primeira vez, fiquei espantadíssimo. Você descobre que é odiado!".

Ele diz isso entre o espanto propriamente e um riso bem nervoso, lembrando posts que diziam "este velho!" ou "olha o que o álcool faz com a pessoa".

O vídeo, de fato, é hilário, naquela linha de seria cômico se não fosse trágico, trágico pelo menos para o Chico.

Mas além de nos proporcionar alguma diversão, ele, Chico, deixa uma lição: "Você vai fazer o quê? Existe muita raiva, e você vai ficar com raiva de quem está com raiva? Melhor deixar pra lá…".

E arremata com uma observação muito, muito boa…

Vale a pena dar uma olhada no vídeo.

 

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/colunas/luizcaversan/941003-chico-buarque-e-a-maldade-humana.shtml

Deixe um comentário »

Configurando Motorola K1 para acessar internet Oi

1 – Menu
2 – AcessoWeb
3 – Sessões Web
4 – Nova Entrada

5 – Preencher como abaixo, sem aspas:

Nome: “oi WAP”
Página principal: “http://wap.oi.com.br”
Tipo de Serviço 1: “WAP”
Proxy 1: “200.222.108.241
Porta 1: “9201”
Domínio 1: “”
Tipo de Serviço 2: “WAP”
Proxy 2: “200.222.108.241”
Porta 2: “9201”
Domínio 2: “”
DNS 1 : “000.000.000.000”
DNS 2: “000.000.000.000”
Tempo Expirado: “2 minutos”
CSD No 1: “*600”
Nome de Usuário 1: “oiwap”
Senha 1: “oioioi”
Velocidade (bps): “14400”
Linha Tipo 1: “ISDN”
CSD No. 2: “*600”
Nome de Usuário 2: “oiwap”
Senha 2: “oioioi”
Velocidade (bps): “14400”
Linha Tipo 2: “ISDN”
GPRS APN: “wapgprs.oi.com.br”
Nome de usuário: “oiwap”
Senha: “oioioi”

6 – Concluir
7 – Marcar como padrão

1 Comentário »

Coluna da Folha 07-07-2011 José Simão

BUEMBA! BUEMBA! Macaco Simão Urgente! O esculhambador-geral da República! Manchete do Piauí Herald: “Mano exige Rogério Ceni no gol do Paraguai”.
E eu fui lançar meu livro “A Esculhambação Geral da República” no programa da Lourebe Camargo. A sucessora da mulher mais velha do mundo! E me sentei entre a Hebe e a Marta Suplicy. Tô me desintoxicando até agora do cheiro de laquê. Já tomei uns dez copos de leite. Rarará! E a Hebe é o maior fenômeno da televisão: foi da válvula ao HD!
BUM! BUEMBA! E os bueiros-bombas da Light no Rio? Eu já disse que o Rio mudou de nome pra Bueiros Aires. E uma menina no Twitter disse que tem novo terrorista no Rio: OSAMA BIN LIGHT! E saiu uma nova expressão: BUM-EIROS! Bum-eiros: buraco que esquenta e explode debaixo das pessoas.
E diz que a Light vai lançar um programa de fidelidade. Pra quem quiser voar com os bueiros! Rarará! Milhagem de bueiro! E quer subir na vida? Vai pro Rio e fica em cima duma tampa de bueiro da Light. Sobe uns 500 metros. No mínimo!
E o Eramos6 pegou cinco tampas de bueiro e fez o logotipo das Olimpíadas 2016! Sabe aquelas cinco rodinhas? Agora são cinco tampas de bueiro! Rarará!
E eu achei uma banda em Recife que deveria ser o nome do ministério, ops, do piriquitério da Dilma: Vulvas em Transe! Rarará! E essa: “Oposição coleta assinaturas pra CPI”. Há 12 anos! Eles não trabalham? Só coletam assinatura pra CPI! Parecem vendedores de rifa. Abaixo-assinado de condomínio pra depor o síndico! Há 12 anos que só fazem isso: coletar assinatura!
E um leitor me disse que o Galvão deveria transmitir o fim do mundo: “AAACABÔ!”. “O árbitro levanta os braços.” Rarará!
E fala pro Mano Menezes que eu exijo a fusão Neymarta! E mais predestinados. Cirurgião plástico em Porto Alegre: Lindo Cristaldo! E Prodent Assistência Odontológica: doutora Isabel Clarete Canal!
E o brasileiro é cordial. Mais uma placa do Gervásio na empresa em São Bernardo: “Se eu pegar algum criador de sucuri daqui comendo feito desesperado amanhã na churrascaria, vou fazer esse Ronaldo Fenômeno esfomeado comer uma dúzia de pratos de porcelana até obrar uma privada turca. Conto com todos. Assinado: Gervásio”. Rarará! Nóis sofre, mas nóis goza!
Que eu vou pingar o meu colírio alucinógeno!

 

Fonte: http://www2.uol.com.br/josesimao/colunafolha.htm

Deixe um comentário »

Gírias antigas

LISTA DE GÍRIAS ANTIGAS

Bacana – Algo legal ou alguém gente boa. Pode ser também alguém esnobe, no sentido "metido a bacana" (gíria antiga mas ainda usada atualmente).

Cafundéu do Judas ou cafundó do Judas – Muito longe. Semelhante a: "Onde Judas Perdeu As Botas", "Onde O Vento Faz A Curva"

Lá pros Cafundó – Muito longe, distante.

Dindin – Dinheiro, grana. Usava-se também: "Tutú", "Prata", "Conto de Réis", "Conto", Réis" (gíria antiga mas ainda usada atualmente)

Ora bolas – Algo como "ora pois". Usado quando algo inusitado acontece.

O quinto dos infernos – Lugar muito longe. O mesmo que "Onde o Diabo Perdeu as Botas"

Tempo da onça – Algo antigo.

Patavinas – Nada. O mesmo que "Porcaria nenhuma", "Bolhufas alguma", "Nadica de nada", "Necas de Pitibiriba"

Broto – Menino(a) novo(a) ou menino(a) bonito(a).

Belezura – Algo ou alguém muito bonito. Usava-se para referir-se a uma mulher formosa.

Beleza pura – Algo muito bom de se ter ou se ver.

Toca Raul! – Expressão ‘bicho grilo’ usada em shows musicais nos intervalos das canções, no intuito de irritar o músico ou chamar a atenção das pessoas ao redor. O ‘Raul’ tem origem na pessoa de Raul Seixas, falecido cantor brasileiro psicodélico dos anos 70 e 80, visto por muitos como um maluco. É dele, inclusive, a origem musical de outra expressão que referenciava alguém que fugia dos padrões: o "Maluco Beleza".

Tirar as barbas de molho – Mover-se. Dito para alguém que está há muito tempo parado.

Botar as barbas de molho – Sossegar, parar definitivamente, aposentar-se, preparar-se para o que irá acontecer.

Dedéu – Utilizado como adjunto adverbial de intensidade em conjunto com o adjunto adverbial "bom", como na expressão: "bom pra dedéu".

Serelepe – Alguém agitado, safado, perspicaz, esperto.

Caramba! – Expressão de espanto ou surpresa, no mesmo sentido de "Poxa vida!". Usa-se também "Carácoles!" ou "Caracas!" — ainda é usada hoje em dia.

Matar cachorro a grito – Fazer algo inacreditável, aterrorizar.

É dose pra (elefante, leão ou cachorro) – Algo forte e rápido. Algo difícil e indignante de se fazer. O mesmo que "É fogo!"

Está Tinindo – Noção de intensidade. Algo como "está brilhando", "está limpinho".

Na capa da gaita – Cheio de coisas para fazer. O mesmo que "Com a corda no pescoço" e "Atolado até o S".

Estapafúrdio – Algo bizarro, esquisito.

Amigo da onça – Traidor. Pessoa ao qual se dá confiança e que, cedo ou tarde, por algum motivo de interesse pessoal, te apunhala de certa forma por trás.

Parada dura – Algo difícil de se realizar.

Está pensando que berimbau é gaita? – O mesmo que falar: "Ficou louco?"

Chorumelas – Choro desnecessário, inventado; frescura.

Fedelho – Criança, pessoa infantil, pentelho.

Arrebentar a boca do balão – Fazer escarcéu, barulho; chamar a atenção.

Passar a Batata Quente – Livrar-se de um problema, fazendo com que outro o assuma.

Batata – Algo fácil. Por exemplo: "Andar de bicicleta é batata". Também pode ser utilizada para sugerir que uma coisa "é certa". Por exemplo: "Proceda desse modo e é batata: você conseguirá o que quer!".

Será o Benedito? – O mesmo que "Será possível?"

Macacos me mordam! – Expressão de espanto diante de algo inacreditável. Bordão do personagem "Popeye".

Pela Madrugada! – O mesmo que "Pelo Amor de Deus!"

Pelas barbas do profeta! – Expressão de espanto diante de algo surpreendente, "Fim da picada". Algo inconcebível. Absurdo.

Supimpa – Algo bom, legal.

Toró – Tempestade, chuva forte. Usado na expressão: "Vai cair um toró!"

Bicho do céu – O mesmo que "Meu Deus do Céu!" ou "Macacos me Mordam!".

Fidumégua ou fidumaégua – (vulgar) "Filho de uma égua". Utilizada para xingar uma pessoa ofendendo-lhe a mãe. O mesmo que "FDP". Vocábulo de origem nordestina.

Creed en Dios Padre! – Em espanhol a frase traduz-se como "Acredite em Deus Pai", mas no Brasil é usado tal como a expressão "Meu Deus do Céu" ou "Barbaridade" diante de algo espantoso.

Patota – Turma de amigos.

Barbaridade – Expressão de espanto e inconformação, diante de algo surpreendente, parecida com "Creed en Dios Padre".

É de lascar – Situação complicada.

Sem choro e nem vela – Expressão usada como negação a um pedido ou também para incentivar ou animar alguém diante de uma situação adversa.

Tapa na macaca – Trago em cigarro de maconha.

Tapa na pantera – O mesmo que "tapa na macaca".

Zabelê? – Tudo (bem, certo, bom, jóia)? O mesmo que "Beleza?"

Duro na queda – Intransigente, que não abre mão, teimoso, difícil de tratar.

Trinques – Usado na expressão: "manter tudo nos trinques", para designar "manter tudo nos devidos conformes."

Trumbicar – Usado na expressão: "quem não se comunica se trumbica (ou instrumbica)". Significa "Dar-se muito mal".

Trombada – O mesmo que batida, ou acidente de carro.

Cambada – Gangue, grupo de pessoas mal vistas. "Trupe".

Mocorongo – (sentido vulgar) Idiota, tolo, burro, bobo, retardado.

Maloqueiro – Indigente, mendigo. Muito usado ainda no futebol para designar jogador vagabundo, cachaceiro, baladeiro, que faz corpo-mole em partidas.

Lero-lero – Conversa chata onde se perde tempo ou tenta-se enganar alguém. Expressões semelhantes: "Papo para Boi Dormir", "Papo Furado", "Conversa Fiada", "Conversa Mole".

Xispa – O mesmo que "Sai fora". Usado na expressão: "Xispa já daqui", para designar a expulsão de um lugar ou o afastemento de algo ou alguém incoveniente por perto.

Pega pra capar – Briga, cofusão, baderna. O mesmo que "Forrobodó" e "Rebú".

Tirar água do joelho – Urinar, "mijar", fazer xixi.

Mandar brasa – Continuar, ir em frente.

Ripa na chulipa – Expressão usada para estimular algo. O mesmo que "mandar brasa".

Deus nos acuda – Expressão que designa uma situação difícil ou complicada.

Benzo a Deus ou Benzadeus – Expressão usada diante de algo inacreditável. O mesmo que "Barbaridade!" e "É Brincadeira!"

Que abacaxi! – Expressão usada diante de algo complicado pra se fazer. (o abacaxi é uma fruta chata de se descascar).

Duvi-de-o-dó – Duvidar de algo.

Papo firme – Bom para conversar, "Bom da Boca", "Papo quente". Na expressão ‘Garota "papo firme"’ representa bonita, charmosa.

Marcar toca – Bobear, perder uma boa oportunidade. O mesmo que "Dar mole", "Vacilar".

Do fundo do baú – Diz-se de algo antigo, velho, ultrapassado, fora de moda. O mesmo que "Do arco da velha" e "Do tempo da onça".

Comer até o cu fazer bico – Expressão usada para designar alguém guloso e farto de comida.

Papo aranha – O mesmo que "lero-lero"

Comer bola – Errar sem querer, passar desapercebido de algo importante.

Chuchu beleza! – O mesmo que: Coisa boa! Legal! Bacana!

E aí, campeão! – Tipo de saudação.

Caranga – Carro esportivo, equipado.

Caixa prego – Muito longe! Usa-se na expressão: "Voce mora lá no Caixa-Prego!" Usavam-se também as expressões "Onde o Diabo perdeu as Botas", "Na Casa do Chapéu!", "Conchinchina", "Na Pequepê"

Onde fui amarrar meu bode? – Expressão usada ao se arrepender de algo feito.

Tirar o pai da forca – Expressão usada para designar alguém que está muito apressado para finalizar algo ou chegar a algum lugar. O mesmo que "Tirar a mãe da zona".

Maior brasa, mora? – O mesmo que "Show de bola, tá ligado?" nos tempos de hoje, quando se quer dizer que alguma coisa é muito boa para alguém. Expressão muito usada nos anos 60 e 70.

Nem que a vaca tussa! – Expressão usada como firme negativa, simplesmente um "Não!", usam-se também as seguintes expressões: "Nem a pau", "Necas de Pitibiriba", "Pode ir tirando o cavalinho da chuva"

Pior que bater em mãe em porta de igreja – Expressão usada para designar algo muito feio de se fazer.

Afuzel, tri, massa – Expressões usadas para designar algo legal.

Mundaréu – Muita / muito / muitas / muitos / um monte – Ex: "Eu tenho um mundaréu de coisas a fazer"

Pedra noventa – Alguém tido como "gente boa"

Firme na paçoca? – Saudação

Sebo nas canelas – Quando manda alguém ir rápido, apressar-se.

Cão chupando manga ou mais feio que cão chupando manga – Algo ou alguém muito feio. Também pode ser utilizada para expressar a dificuldade de realizar uma tarefa: "Passar no vestibular é o cão chupando manga!".

Mais faceiro que ganso em taipa de açude – Felicidade extrema.

Panga, Panguá – Vagabundo tranqueira; vagabundear.

No pó da rabiola ou estar só o pó – Cansado, sem ânimo.

 

Fonte: http://www.jorwiki.usp.br/gdnot07/index.php/Exemplos

1 Comentário »

Do Querido Leitor – Marcha contra expressões velhas

Eu odeio expressões velhas. Odeio. Odeio com todas as minhas forças. Tenho vontade de abandonar tudo e lutar por esta causa. Organizar uma marcha. Acabar com isso de uma vez. Expressões velhas e ultrapassadas, até quando?

Sem querer ofender ninguém, mas parece que toda a população é chegada numa expressão antiga, como se 200 milhões de brasileiros tivessem sido criados por seus tataravós. Vou começar por uma das mais detestáveis: tirar o pai da forca.

Forca? Há quanto não tem não se usa mais forca no Brasil? Qual foi o último pai a ser 0ficialmente enforcado? É de que século a expressão? E por que tanta gente ainda usa ‘tirar o pai da forca’ pra falar de pressa? Com toda essa vida apressada ainda não acharam OUTRA analogia?

E sangraia desatada? Essa é lusitana. Não é possível que ainda digam ‘sangria desatada’.  Tem outra que é abominável, ‘caixa prego’. Nem tenho vontade de falar. Me dá náuseas.

Vire o disco é do tempo do vinil. Ninguém mais vira o disco. Ou ‘caiu a ficha‘. É do tempo o orelhão.A fica era de metal e emperrava na canaleta. Mas acabou. Vamos abolir a ficha, por favor. Bem, a ficha ainda é recente. Suportável.

Há pouco a Carol Snowhite mencionou no Twitter que o pai dela usou a comparação  ‘mais por fora que umbigo de vedete’. Gente, isso é podre., Horrível. Não tem mais vedete. Por que a expressão ficou todos esses anos? Por queeeeeeee? Não deu pra inventar nada pra substituir em todos esses anos?

É como se o brasileiro, tão criativo, não tivesse criado mais NADA há 70, 80, 100 anos. ‘Mais perdido que cachorro que caiu do caminhão de mudança’. ‘Mais confuso que cego em tiroteio’. Sempre as mesmas.

Felizmente a Internet trouxe algumas novidades. Como o ‘aham, senta lá Cláudia’, ‘a última bolacha do pacote’, um alento de novidade nesse oceano de velhices.

Na TV, parece que todo comentarista AMA expressões obsoletas, em todas as áreas. Na economia, só dá isso. Nos esportes, idem. Hoje ouvi um comentarista de tênis que não parava de dizer que o jogador ía ‘liquidar a fatura’. Sério, que pessoa MODERNA diz ‘ele vai liquidar a fatura’?

‘Onde Judas perdeu as botas’, ‘onde o vento feaz a curava’, ele ‘dobrou o cabo da Boa Esperança’. Um saco tudo isso. Ou perguntar ‘quantas primaveras’ você está fazendo para falar quantos anos.

Aqui tem uma lista horrorosa que inclui ‘pode tirar seu cavalinho da chuva’, ‘matando cachorro a grito’.

Eu odeio, mas odeio essas expressões todas, esses clichês, esses chavões.
Se eu pudesse faria um movimento nacional pelo fim dessas velharias.
Porque, né, gente que fica usando essas coisas datadas, não rola. Só ‘dando com um gato morto na cabeça até miar’…

Fonte: http://noticias.r7.com/blogs/querido-leitor/2011/07/03/marcha-contra-expressoes-velhas/

Deixe um comentário »

Do Querido Leitor–Me ajudar a entender?

Um painel do Curitiba Social Media me fez pensar muito sobre o Google, a Internet, o objetivo das pessoas, o dinheiro. Explico. Alguns dos participantes estavam contando histórias interessantes sobre SEO, Search Engine Optimization. Existem formas de fazer com que seu blog, seu site, fique bem posicionado nos resultados no Google, o que gera mais cliques e, com AdSense, mais dinheiro.

A ideia é simples. Quanto mais gente clicar no seu blog, mais dinheiro você ganha. Até aí, nada de novo.

Acontece que um desses truques é pegar o internauta perdido, o enganado, o que não sabe escrever, o ignorante, o que não sabe procurar direito no Google. Isso mesmo. Existem muitas pessoas que não sabem digitar o nome do ídolo, do jogador, do artista. Esse "perdido" é chamado de paraquedista.Há especialistas em converter a ignorância em dinheiro.

Digamos que em vez de fazer um post sobre algo que eu queira, um assunto que me interessa, eu parta do final pro começo. Primeiro eu penso: "como eu posso conseguir mais hits? com que assunto? o que o povo quer?" Justin Bieber? E aí eu começo a trucagem em busca de cliques.

Primeiro eu falo mal do Bieber pra atrair ódio das fãs, de propósito. Xingar gera mais movimentação do que elogiar.  Aí eu vou numa comunidade de fãs de Bieber do Orkut, finjo que sou outra pessoa e "denuncio" meu próprio blog, para atrir ainda mais gente. E, claro, discuto comigo mesma, sempre com a intenção de gerar cliques e dinheiro pra mim.E depois posso falar mal de Luan Santana, Lady Gaga, sempre com esse mesmo expediente, de enganar os "bobos".

Da mesma forma, em função de ser o primeiro a publicar uma notícia, algumas pessoas acham que tanto faz publicar tudo errado, porque eles ganham cliques e dinheiro do mesmo jeito, estando certa ou errada a notícia. A informação não conta, conta o hit. Se estiver errada e depois você corrigir, você pode ter o dobro da audiência.

Por esse raciocício quanto mais ignorante for a massa, mais lucro terá a pessoa .
Ou seja, para aumentar o lucro, tem que aumentar a ignorância dos usuários.

Assim, se você espalhar sempre mais ignorância, mais erros, mais caos, mais ruído, mais confusão e souber capitalizar tudo para você no ranking do Google, você vai ganhar sempre mais dinheiro. E, pelo que eu soube, tem gente que ganha dezenas de milhares de reais por mês assim.

Cada um, claro, faz a opção que quiser nesse mundo, mas a ideia de lucrar com o aumento da ignorância é algo que me faz refletir. Até o ET Bilu gente, acha que devemos buscar o conhecimento, não a ignorância.

Esse modelo de exploração da ignorância, tão antigo, tão criticado, está se repetindo na Internet. A tecnologia avança, mas o ser humano é sempre o mesmo.

De qualquer forma, foi muito útil conhecer essas outras visões.

 

Fonte: http://noticias.r7.com/blogs/querido-leitor/2011/07/03/me-ajuda-a-entender/

1 Comentário »

Motoqueiro morre ao bater a cabeça durante ato contra capacete nos EUA

Um motociclista que participava de um protesto contra o uso do capacete morreu após sofrer um acidente e bater a cabeça no chão, segundo a polícia dos EUA.

O acidente ocorreu na tarde de sábado (2), na cidade de Onondaga, próximo a Syracuse, no centro do estado de Nova York.

Policiais estaduais disseram ao "Post-Standard", jornal de Syracuse, que Philip A. Contos, de 55 anos e morador de Parish, dirigia uma Harley Davidson 1983 com um grupo grande de motociclistas.

Em protesto contra as leis que obrigam o uso de capacete, eles deliberadamente não estavam usando esse acessório de segurança, de acordo com testemunhas.

Os policiais disseram que Contos freou abruptamente, a moto balançou e ficou fora de controle. Ele voou sobre o guidão e caiu de cabeça no chão.

Contos chegou a ser socorrido, mas morreu no hospital.

A polícia disse que está investigando o motivo que o levou a dar a freada repentina.

Para os policiais, ele provavelmente teria sobrevivido ao impacto se estivesse usando um capacete.

A ABATE (American Bikers Aimed for Education), associação que organizava o protesto, disse à TV local que combate o uso obrigatório de capacete por acreditar na liberdade de escolha e no fato de que os motociclistas conhecem o risco trazido por essa prática.

 

Fonte: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2011/07/motoqueiro-morre-ao-bater-cabeca-durante-ato-contra-capacete-nos-eua.html

Deixe um comentário »

%d blogueiros gostam disto: