JotaPêAh!

O poder de criação de Aslam x poder de destruição de Jadis

em 08/09/2010 16:34:55
A Feiticeira Branca era muito poderosa, não somente pela força física e tamanho (por ser descendente de gigantes), mas por conhecer a fundo a magia. Não lhe bastava vir de uma família de reis, Jadis queria um poder que superasse qualquer outra força do universo. Ela encontrou em Aslam um opositor perpétuo e desejava desde o início destruí-lo.

“De repente a feiticeira caminhou ostensivamente na direção do Leão. Este se aproximava, sempre cantando, com passos lentos e pesados. Estava a menos de dez metros. Ela ergueu o braço e arremeteu a barra de ferro bem na sua cabeça.
Ninguém (muito menos Jadis) erraria àquela distancia. A barra acertou o Leão bem entre os olhos e caiu na relva. O Leão continuou a caminhar: seu passo não era nem mais lento nem mais apressado do que antes. Nem mesmo era possível afirmar que fora atingido. Embora não fizesse barulho ao andar, dava para sentir o seu peso, enquanto se aproximava.
A feiticeira deu um berro e correu, desaparecendo entre as árvores.”
O Sobrinho do Mago, capítulo 9

Aslam mostrou-se mais forte do que qualquer coisa que Jadis tivesse enfrentado. Seus antigos opositores foram exterminados pela Palavra Execrável. Agora, de frente a um leão (mesmo forte, não deixava de ser uma mera criatura – segundo o pensamento da Feiticeira), ela estava ameaçada e precisava de alguma forma livrar-se desse adversário.

Depois do sumiço na floresta, Jadis reaparece para tentar Digory quando ele vai buscar uma semente de uma macieira especial para plantar em Nárnia. Por não conseguir vencer o Leão, a Feiticeira agora busca ao menos destruir os seus queridos. Essa perseguição às crianças segue com Edmundo e, para a Feiticeira Verde (no livro A Cadeira de Prata), Rilian – o filho de Caspian.

Jadis adquire também um poder mágico que é a versão contrária ao dom de Aslam. Na criação, Aslam aparece cantando e todo aquele universo e criaturas tomam vida. Em O Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupa, ela transforma em pedra qualquer um que a desafia.

Na tradição judaico-cristã, Deus cria o homem do barro e lhe dá vida por meio de seu sopro. É evidente que C. S. Lewis inspirou-se nessa linguagem simbólica para que Nárnia fosse criada a partir do “fôlego” de Aslam. Já o maléfico poder de transformar os narnianos em pedra seria a retirada desse fôlego, que é a presença do grande Leão neles.

Quando Aslam criou Nárnia, fez tudo bom. As criaturas mitológicas presentes, mesmo com temperamentos difíceis, viviam em um ambiente de paz e harmonia. Jadis chegou por acidente àquele mundo e trouxe consigo todo o mal. No período em que ela reinou em Nárnia, quem estava ao seu lado na verdade tinha medo de virar pedra. Ou seja, a Feiticeira não tinha aliados, apenas súditos medrosos.

O que é mal sempre será mal, não dá para se fazer de outra forma. A ausência do fôlego de Aslam representa a morte, virar pedra. Se somos criaturas de base boa, mesmo limitadas, temos o potencial de fazer o bem, não há sentido de buscarmos o caminho do mal.

Não se engane, Jadis não tem interesse em aliados! Ela quer apenas súditos e pode transformar qualquer um em pedra.

Para aplicar à sua vida hoje essa mensagem, independente de sua visão do bem e do mal, reveja de qual lado você está e onde quer chegar. O que apenas lhe digo é que o único destino final para o caminho do mal é tornar-se pedra.

Sérgio Fernandes
Publicitário, criador do fã-clube Mundo Nárnia e escritor do livro Manual da Viagem do Peregrino da Alvorada.
E-mail: falecom@sergiofernandes.com.br


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: