JotaPêAh!

O cérebro moral

em 19/01/2010 14:03:51
O recente caso da menina de 9 anos,
estuprada pelo padrasto e que interrompeu a gravidez, comoveu o mundo.
Mas comoção maior veio depois das críticas e julgamento moral de grupos
religiosos contra médicos e familiares que consentiram com o aborto. O
episódio ilustra uma das questões filosóficas mais antigas e que está
sendo trabalhada pela neurociência: o que é certo e o que é errado?
Esse valor moral é particular dos humanos ou outros animais também o
possuem?

A questão da origem do valor moral intrigou grandes pensadores, e
basicamente três fontes foram cogitadas. Primeiro, o que é certo ou
errado tem origem em uma autoridade divina. Os seres humanos não
interferem nisso, apenas aceitam a opção da divindade. Segundo, o que a
origem estaria na razão, ou seja, seria através da troca de argumentos
que se chegaria a uma conclusão para cada caso. Por último, cogitou-se
que a origem da moral estaria na biologia de cada espécie, no seu
conjunto genético, mas passível de interações com o ambiente.

A primeira hipótese foi contestada por Sócrates, que se baseou no
fato de que culturas que vivem sem um “Deus”, ou entidade divina
definida, possuem valores morais. Da mesma forma, culturas politeístas
também possuem valores morais. Seu outro argumento foi a falta de se
conseguir identificar uma linguagem clara da divindade. Afinal,
diversas pessoas começavam a defender pontos de vista discrepantes
baseando-se apenas no fato de que era o mesmo “Deus” que havia assim
ordenado. Como saber quem fala a verdade e quem mente?

Já Aristóteles identificou os humanos como animais sociais e sugeriu
que a moral ajudaria a resolver conflitos sociais, trazendo uma
satisfação para os elementos envolvidos. Esse ponto foi muito bem
aproveitado por Darwin, que argumentou que a moral humana deveria ter
origem nos instintos sociais, nos hábitos e na razão. Pensando assim, o
isolamento social teria um custo alto para o indivíduo, da mesma forma
que a falta de confiança entre membros do grupo. Ou seja, indivíduos
que se ajustariam às redes sociais se dariam melhor na vida, deixando
mais descendentes.

O caso do vampiro pidão
Morcegos-vampiro costumam viver juntos, são animais altamente sociais.
À noite, saem em busca de sangue e voltam carregados para alimentar
seus filhotes. Os menos afortunados pedem sangue aos vizinhos, que têm
a opção de doar ou não um pouco do que conseguiram coletar. Aí vem o
fato curioso: ao negar alimento ao vizinho, o elemento é rapidamente
marcado e não receberá nenhuma ajuda futura de nenhum outro membro da
comunidade. Basta um curto período sem alimento e os indivíduos de toda
a família morrerão de fome, na presença indiferente de todo o resto.

O caso do roedor ricardão
Apenas 3% dos mamíferos são monogâmicos. Inclui-se aí uma espécie de
roedor que, quando encontra seu par, permanece fiel até que a morte os
separe. Machos membros de uma outra espécie, quase indistinguíveis
entre si, são exatamente o contrário e não conseguem ficar com a mesma
fêmea, estão sempre trocando de parceiras, sempre preferindo a novidade
quando a escolha é apresentada. A diferença entre essas duas espécie
está na ação de um único gene, o receptor do hormônio oxitocina.
Elevados níveis de oxitocina foram relacionados com um aumento de
confiança, redução da ansiedade e pressão sanguínea e redução dos
mecanismos de defesa. É justamente esse o hormônio liberado na
lactação, responsável por manter mãe e filho unidos. Assim, nos
roedores fiéis, a presença elevada dos receptores no cérebro elevam a
sensação de prazer ao se associar a uma fêmea única. Ao contrário dos
machos infiéis, cujas redes nervosas foram geneticamente criadas para
não se saciar nunca.

O caso do macaco descolado
O cultivo da confiança entre os membros de uma sociedade pode ser uma
qualidade em alguns primatas. Nas comunidades de babuínos, a
reciprocidade e a reputação contam muito para o estabelecimento de
redes sociais. Curiosamente, o sucesso social nesse caso está
diretamente relacionado com o sucesso reprodutivo.

O caso da cenoura americana
Mas no caso dos humanos tudo é mais complicado, pois alteramos
constantemente as forças seletivas “naturais” (veja coluna passada). Um
número grande de amigos no Orkut não necessariamente coloca você em
vantagem reprodutiva e pode até ser visto como algo negativo. As
sociedades humanas se organizam de formas distintas. Criamos
instituições e essas estão sempre a julgar os comportamentos sociais,
seja com base na vontade divina (mulheres acusadas de bruxaria já
tiveram que segurar uma barra de ferro quente, só Deus poderia intervir
e fazê-las suportar caso fossem inocentes), na vontade monárquica ou na
vontade de um júri popular.

Uma explicação para o surgimento de intuições desse tipo pode ser o
grande número de indivíduos nos agrupamentos humanos. E quanto maior o
grupo, mais difícil de selecionar novos membros. Estudos recentes de
comportamento humano e em outros primatas apontam para o valor
inconsciente dos gestos. A imitação dos pares parece ser crítica, pois
sugere um funcionamento normal do cérebro e eventual lealdade com o
grupo. Empresas americanas costumam perguntar em entrevistas de emprego
que tipo de vegetal você seria. Por mais louco que possa parecer, 90%
do inconsciente americano responde “cenoura”, de primeira. Respostas
próximas, de vegetais que lembrem cenouras, são aceitáveis, mas
respostas muito diferentes indicariam um desligamento social ou
ausência da capacidade de trabalhar em grupo. O candidato pode até ser
supercriativo e competente. Mas, se não veste a camisa do time, não
será contratado.

As regras sociais humanas também variam muito, mesmo dentro do mesmo
grupo social, algo não muito comum em outros animais. Crianças aprendem
desde cedo que mentir é ruim, mas conforme crescem e ampliam as redes
sociais, a mentira passa a ter um outro valor. Criou-se até o termo
“mentira branca” para mentiras que supostamente não causam danos. Na
complexidade das relações humanas, o julgamento moral também fica mais
complexo.

Voltando ao triste caso da menina: como deveríamos agir como
sociedade se fosse descoberto causas genéticas que justificassem o
comportamento do padrasto? O mesmo valeria para os padres acusados de
abuso de crianças? O que é pior: estupro ou aborto? Não acredito que a
ciência vá gerar respostas para essas questões. É função dos cientistas
gerar dados, mas a função da sociedade é decidir o que fazer com eles.
Costumo discutir sobre questões éticas com pessoas com que me relaciono
no dia-a-dia, desde o parceiro de trabalho ao motorista do ônibus. A
tentativa é ampliar o pouco espaço para a reflexão e pensamento crítico
nas redes sociais. Em geral, esse espaço é massacrado pelas respostas
enlatadas que vêm dos jornais ou das novelas.Fonte

 


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: